39% das mulheres que usam o Tinder já sofreram algum tipo de assédio, afirma pesquisa

(Divulgação)
(Divulgação)

Quem nunca usou um aplicativo de paquera, que dê o primeiro “like”. Desde os tempos de “chat do Terra”, conhecer um possível affair através da internet se tornou um comportamento comum. Mas a paquera online também traz alguns transtornos e aborrecimentos. Um levantamento realizado nos Estados Unidos pelo Consumers Research, uma instituição que realiza pesquisas sobre consumo, constatou que o assédio é um problema recorrente para mulheres que usam aplicativos do tipo.

:: Conheça o Vinder, o “Tinder” que une vegetarianos, veganos e simpatizantes
:: Sai pra lá, assédio! Aplicativo ajuda mulheres a denunciarem assédio

Segundo o estudo, a maioria das mulheres que experimentaram os apps sofreram algum tipo de assédio, como serem perseguidas algumas vezes (ou sempre) pelo “match” de diversas formas. Entre os homens, o problema é muito menor. Apenas 21% dos entrevistaram afirmaram terem se sentido incomodados com alguma forma de assédio. Para as mulheres, o número chegou a 39% das entrevistadas em aplicativos como o Tinder e o OkCupid, que é bastante popular nos Estados Unidos. No eHarmony, outro app popular no país, o nível de assédio ficou em torno de 17%.

Deu pra ti, assédio!

Deu pra ti, assédio!

A pesquisa ouviu algumas centenas de usuários, questionando quais aplicativos eles mais utilizaram, como usaram e o que conseguiram através deles. O Tinder foi usado por mais de 50% dos entrevistados, seguido pelo OkCupid, com 22%, e Match, e Harmony e Grindr, com menos de 10% cada.

Mais da metade dos “matches” do Tinder acabou em algum tipo de relacionamento, segundo o levantamento. Mas se você estiver procurando um grande amor, talvez seja melhor optar outro app: apenas 13% dessas relações duraram mais de um mês. As informações são do Refinery29.

:: Novo Tinder? Aplicativo de paqueras Once chega ao Brasil e troca match por cupidos

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna