Naked Lady: Projeto de moda discute os direitos das mulheres no Brasil

Por Anna Rombino, especial para Estadão Conteúdo

Amaryllis Belladona é uma flor de origem sul africana altamente venenosa. Seu nome popular, Naked Lady (Mulher Nua, em inglês), batiza também um novo e-commerce de moda que foca nos direitos das mulheres.

– Comecei a me perguntar por que uma planta tão venenosa é associada à nudez feminina e o que isso representa na nossa sociedade patriarcal – conta Karen Hofstetter, idealizadora do projeto.

O site que discute o feminismo na sociedade brasileira e conta com um e-commerce que vende peças de mais de 30 empresas selecionadas por Karen e por sua sócia, Lavínia Porto.

– São marcas que não tem muita visibilidade e uma loja como a nossa pode ajudar essas pessoas – conta Karen. – É um projeto que lida majoritariamente com mulheres empoderadas, que de alguma forma já são autônomas com seu próprio negócio.

flor

Na loja, há produtos de arte, decoração, design e moda que, de alguma forma, colocam em pauta o papel da mulher na sociedade. A grife de acessórios Anacapri, madrinha do projeto, lançou uma coleção com o tema “O peito do pé também é livre“, enquanto a designer Loo Nascimento criou uma peça única que pode ser usada de diversas formas – como calça, macacão ou kimono – com estampas geométricas inspiradas na anatomia feminina.

O corpo da mulher também foi o ponto de partida dos vasos da Olive e dos brincos da Afrozunduri, que fez bijuterias em forma de mamilo. A ONG Think Olga desenvolveu pôsteres temáticos e metade do valor das vendas será revertido para o site que trabalha com questões do empoderamento feminino.

Mas o projeto não é só uma loja online. O site fez quase uma enciclopédia do movimento feminista, contando sua história desde 600 A.C. até os dias atuais com a militância na internet e as principais pautas do movimento, como o fim da indústria pornográfica, a discussão de gêneros e a quebra de padrões estéticos.

– Entender o papel que temos no mundo e a maneira com que afetamos as pessoas é minha filosofia de vida – diz Karen Hofstetter.

Leia também
:: O ano do empoderamento e das hashtags feministas

Leia mais
Comente

Hot no Donna