Você é assertiva? Se a resposta é “não”, saiba por onde começar

(Arte/ Gonda)
(Arte/ Gonda)

Andréia Lopes, especial*

Ser assertivo é um dos novos mantras do mundo corporativo: atuar com objetividade e autoconfiança, passando mensagens claras. Diante desse desafio, psicólogos e coaches concordam: muitas das dificuldades enfrentadas pela mulher no mercado de trabalho passam pela falta de assertividade.

– Quando um homem chega a uma negociação de salário, ele costuma embasar seus argumentos com números, estatísticas, resultados obtidos. A mulher ainda vai pelo caminho do “Quero uma chance para mostrar que vai dar certo”. Falta objetividade e segurança – afirma Mileine Vargas, trainer em programação neurolinguística e hipnóloga.

:: Mulheres recorrem a aulas de autodefesa para se sentirem seguras e confiantes
:: O que acontece quando tiramos os homens do poder com o Photoshop?

– Assertividade pressupõe o autoconhecimento. Se eu estiver confusa, na dúvida ou insegura em relação ao que sinto, não vou conseguir me expressar. Para ser assertivo, é preciso deixar claro o que se quer, com segurança e tranquilidade.

Um bom exemplo da falta de assertividade é o que os americanos batizaram de “manterrupting”, algo como “homem interrompendo” na hora em que elas expressam determinadas opiniões. O caminho a seguir é o do aprendizado e da prática, como afirma a psicóloga e coach executiva Luciana Saldanha:

– A assertividade pode ser aprendida. O primeiro passo é perceber a dificuldade em expressar o que se quer e partir para o autoconhecimento e a recuperação da autoestima.

tumblr_mbrdkpy4yn1ryqzds_zps7a2eb0dc

Luciana garante: se você não está conseguindo chegar aonde quer em sua equipe de trabalho, na profissão e na família, provavelmente não está sendo assertivo.

– Um exemplo claro que vemos em consultório é o da coordenadora que afirma orientar sua equipe e nunca ser atendida no que solicita. Muitas vezes, os subordinados não captam mesmo a mensagem passada por seus superiores, porque aquela pessoa que ocupa o cargo de gestor não é assertiva, não tem uma comunicação eficaz – explica.

É justamente em situações como essa que muitas líderes acabam errando a mão e sendo agressivas.

– A pessoa assertiva não grita, não se exalta, conecta-se com os outros para poder saber até onde pode ir com aquele grupo – explica a psicóloga. – Sem isso, além de não atingirem os objetivos da equipe, gestoras sofrem com o declínio de sua marca pessoal, de sua imagem perante os subordinados. Quem é assertiva tem mais credibilidade e segurança.

A assertividade passa, portanto, pela autoestima e pela autoconfiança: como destaca Luciana, é preciso aprender a conviver consigo mesma, saber lidar com a solidão e não ter aquela necessidade de agradar aos outros.

– Ser assertiva é estar em conexão consigo mesma e respeitar mais suas próprias opiniões e crenças.

32a473893e9a3a16fe3d1f95206ab79a

Você é assertiva quando:

• Está em conexão consigo mesma e respeita suas opiniões e crenças.

• Sabe o que quer, está segura da sua opinião e expressa sua vontade independentemente de receber ou não a validação do outro.

• Em vez de primeiro perguntar se pode, comunica ao outro a sua decisão de forma segura, sem agressividade, usando expressões como “Isto é importante para mim”.

• Não coloca na gaveta um projeto pessoal somente porque o marido ou os filhos não concordam.

Confira a dica da trainer em programação neurolinguística Mileine Vargas:

Especialmente neste ano, em que a crise bate à porta, as pessoas estão com uma série de questionamentos sobre seu trabalho, a empresa e os meios de atingir seus objetivos. Naturalmente, todos têm a sua percepção, a sua visão sobre o que pode dar mais certo e o que pode dar errado. Mas como expressar sua opinião, como ser assertivo no trabalho? Primeiro é preciso avaliar, sem emoção, a situação, fazendo um julgamento o mais racional possível das demandas, do que está ocorrendo naquele ambiente. Só assim é possível entender o que se passa. A partir daí, é preciso embasar suas opiniões e sugestões em dados – é válido buscar informações no mercado, na equipe, no passado recente da empresa, avaliar prognósticos. Nada de ‘eu acho’. Chegar com um problema debaixo do braço, apontando defeitos em colegas e atitudes, também não é ser assertivo – é preciso apresentar embasamento sólido para suas impressões e a solução para as questões.”

Leia mais
Comente

Hot no Donna