Após denúncias contra produtor de Hollywood, atrizes relatam casos de assédio

Da esquerda para a direita: Reese Whiterspoon, Jennifer Lawrence, Björk, Hillarie Burton, Carrie Stevens e
America Ferrara vieram a público falar sobre assédio | Fotos: AFP/Reproduções
Da esquerda para a direita: Reese Whiterspoon, Jennifer Lawrence, Björk, Hillarie Burton, Carrie Stevens e America Ferrara vieram a público falar sobre assédio | Fotos: AFP/Reproduções

A onda de denúncias contra o produtor de cinema Harvey Weinstein tem estimulado outras mulheres a relatarem casos de assédio. Desde a semana passada, várias atrizes abriram o jogo e revelaram também terem sofrido abusos sexuais e psicológicos em seus ambientes de trabalho.

Reese Witherspoon

Foto: AFP

Reese Witherspoon no evento Mulheres em Hollywood (Foto: AFP)

A atriz usou seu tempo de discurso no evento Mulheres em Hollywood, da Revista Elle, para contar que foi assediada quando tinha 16 anos.

– Eu sinto muito nojo do diretor que me assediou quando eu tinha 16 anos e raiva dos agentes e produtores que me fizeram acreditar que o silêncio era a condição para conseguir um trabalho. E eu queria dizer que esse foi um incidente isolado na minha carreira, mas, infelizmente, não foi. Eu tive muitas experiências de assédio e abuso sexual e não falo sobre isso com muita frequência. Porém, ouvir tantas histórias nos últimos dias, e ouvir essas mulheres corajosas falarem sobre coisas que somos ensinadas a varrer para debaixo do tapete, me fez querer falar e falar muito alto porque eu realmente me sinto menos sozinha nesta semana do que eu me senti em toda a minha carreira.

Jennifer Lawrence

Foto: AFP

Jennifer Lawrence no evento Mulheres em Hollywood (Foto: AFP)

Na mesma festa, J-Law contou que, certa vez em uma seleção, foi colocada nua em um “paredão” com outras atrizes e, depois disso, a produtora disse que ela deveria usar suas fotos pelada como “inspiração para a dieta”.

– Eu pedi para falar com um produtor sobre a dieta não realista e ele respondeu que não sabia por que todo mundo me achava tão gorda, ele me achava perfeitamente “comível”.

Björk 

Björk e Von Trier em divulgação do filme Dancer in The Dark (Foto: AFP)

Björk e Von Trier em divulgação do filme Dancer in The Dark (Foto: AFP)

A cantora publicou em seu Facebook que sofreu assédio de um “diretor dinamarquês” durante a produção de um filme. Ela não citou nomes no post, mas a única produção com cineasta da Dinamarca foi no longa-metragem Dançando no Escuro, de Lars von Trier.

– Ficou muito claro para mim quando entrei na profissão de atriz que a humilhação e inferiorização do papel feminino era visto como normal pelo diretor e equipe. Eu entendi que isso é universal, que o diretor pode tocar e assediar suas atrizes como bem quiser e a instituição cinematográfica aceita isso. Quando impedi que o diretor tentasse alguma coisa, ele fez com que a minha imagem ficasse mal com toda a equipe do filme.

Hilarie Burton


Conhecida pela série One Tree Hill, a atriz Hilarie Burton relatou que foi assediada por Ben Affleck quando tinha 18 anos. Ela criticou Affleck logo após o ator ter divulgado um comentário de repúdio às ações de Harvey Weinsten, dizendo que “não esqueceu” de quando ele agarrou seus seios em um programa de televisão sem sua permissão.

Alguns dias depois, Affleck pediu desculpas em seu perfil no Twitter:

– Eu agi de maneira inapropriada com a Senhorita Burton e peço sinceras desculpas.

America Ferrerra

Foto: AFP

Foto: AFP

A atriz da série Betty – A feia usou seu Instagram para revelar que o primeiro assédio que sofreu foi aos nove anos e convidou outras mulheres a quebrarem o silêncio.

– Eu não contei para ninguém e vivi com vergonha e culpa achando que eu, uma criança de nove anos, era, de alguma forma, responsável pelas ações de um homem crescido. Eu tive de ver esse homem diariamente por anos. Ele sorria para mim, e eu corria assustada, meu sangue ficava frio, e eu carregava o fardo de algo que apenas ele e eu sabíamos – e ele esperava que eu ficasse de boca fechada e sorrisse de volta.

#metoo

Uma publicação compartilhada por America Ferrera (@americaferrera) em

Carrie Stevens

Foto: Instagram, Reprodução

Foto: Instagram, Reprodução

A atriz e coelhinha da Playboy dos anos 1990, Carrie Stevens resolveu se pronunciar sobre um episódio em que cineasta Oliver Stone teria a assediado.

– Eu eu já fui assediada de forma bem pior do que a história do Oliver Stone… Foi um incidente que ocorreu um tempão atrás e eu nem sabia que apertar os seios de alguém era assédio sexual até ler sobre isso na imprensa. As pessoas perguntam por que eu nunca denunciei o caso… Pois eu estava em uma sala cheia de pessoas que viram o que aconteceu e ninguém pareceu achar que era um crime. Era errado. Era nojento… Então, só resumimos com um “Oliver é um porco”. Esse incidente é a catálise da conversa que precisa acontecer sobre assédio sexual, abuso de poder e estupro. É muito triste que as mulheres sejam punidas por abrirem a boca.

Leia mais
:: “Me chamavam de pesadelo”: Jennifer Lawrence revela casos de assédio em Hollywood
:: Modelos compartilham histórias de assédio sexual em campanha nas redes sociais

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna