Despedida da Casa Branca: 5 motivos por que vamos sentir saudades de Michelle Obama

Desde Jackie O., uma primeira-dama não atraía tantos holofotes quando Michelle Obama. Simpática, engajada com causas como o feminismo e o combate ao racismo, carismática e, claro, muito “gente da gente”: ninguém duvida que a esposa do presidente Barack Obama vai deixar saudades, não é?

Leia mais
:: Michelle Obama escritora: o que podemos esperar do futuro da primeira-dama americana
:: Obama se emociona ao homenagear Michelle em discurso de despedida: “Você fez da Casa Branca um lugar de todos”
:: Veja como as filhas de Obama e Michelle cresceram ao longo dos dois mandatos

Nesta sexta-feira, dia em que o casal Obama se despede da Casa  Branca, Donna elenca os motivos que fazem de Michelle uma primeira-dama inesquecível! Vem ver:

Ela é (muito) pop!

Além de conquistar a admiração e a simpatia do povo, Michelle também virou queridinha da mídia. Ao lado da apresentadora Ellen DeGeneres, ela mostrou que manja muito de dança ao som do hit Uptown Funk, de Bruno Mars (assista abaixo). Não ficou nem um pouco tímida ao participar do carpool de James Corden – e mostrou ser Beyhive ao fazer direitinho a coreografia de Single Ladies, da Beyoncé (veja aqui). Quer mais?  Ela ainda participou algumas vezes do programa The Tonight Show, de Jimmy Fallon – na mais recente, há alguns dias, surpreendeu fãs que gravavam vídeos em homenagem a ela (confira no link). E teve, claro, muitas capas de revistas – uma das últimas foi a da prestigiada Vogue América.

Empodera e dá voz às mulheres

Não foram poucas as vezes em que a gente se emocionou com um discurso de Michelle. Por quê? Bem, pois a primeira-dama sabe entoar como ninguém um discurso empoderador, que inspira e trata de temas urgentes às mulheres. Ela já falou sobre a importância de manter as meninas na escola, pediu pelo fim do sexismo e ainda incentivou que as mulheres enfrentassem o abuso – aqui, logo depois do vazamento de um áudio em que o novo presidente norte-americano e então candidato, Donald Trump, dizia que se pode fazer o que quiser com qualquer mulher quando é se é famoso. Separamos um trecho da resposta de Michelle:

“Nós achávamos que tudo isso era passado, não achávamos? E tantas trabalharam por tantos anos para acabar com esse tipo de violência, abuso e desrespeito, mas aqui estamos em 2016 e estamos ouvindo exatamente as mesmas coisas todos os dias ao longo da campanha. Estamos nos afundando nisso. (…) Mas, New Hampshire, que fique claro: isso não é normal. Isso não é a política como sempre foi. Isso é uma desgraça. É intolerável. E não importa qual o seu partido – Democratas, Republicanos, Independentes – nenhuma mulher merece ser tratada assim. Nenhuma de nós merece esse tipo de abuso.”

mich1

 

Milita no combate ao racismo

Ao longo de seus oito anos na Casa Branca – e, provavelmente, durante toda sua vida -, Michelle ouviu comentários carregados de racismo contra ela mesma e sua família. Um dos episódios mais recentes foi no final do ano passado, quando a diretora de uma empresa de filantropia chamou a esposa de Obama de “macaca de saltos”. Enquanto esteve no cargo, a primeira-dama aproveitou sua visibilidade para combater o preconceito. Durante discurso em uma universidade no Alabama, Michelle falou sobre situações cotidianas em que ela e o marido foram vítimas de racismo:

“Meu marido e eu sabemos o quão frustrante a experiência de que os outros assumam quem você é baseado em suas noções de mundo pode ser. Nós dois sentimos o peso desses sinais diários nossa vida inteira – as pessoas que atravessavam a rua temendo pela sua segurança; os seguranças que ficavam de olho em lojas de departamento; as pessoas que presumiam que éramos os ‘ajudantes’ em eventos – e aqueles que questionaram nossa inteligência, nossa honestidade, e até mesmo nosso amor por esse país.”

 

mich2

 

É gente como a gente

E, justamente por isso, teve uma atitude para lá de compreensiva com uma visitante da Casa Branca. Sara Blakely, fundadora da Spanx, visitava a sede do governo para um evento quando começou a ficar desconfortável com os sapatos de salto que usava. Após aguardar na fila para tirar uma foto com a primeira-dama, quando encontrou Michelle nao resistiu e comentou:

– Meu pés estão me matando!’. Foi então que ela disse: ‘Menina, os meus pés estão me matando também”. Eu perguntei se poderia tirar os sapatos, ao que ela respondeu ‘Sim, e você pode dizer para qualquer pessoa que pedir para que você os que coloque de volta, que a Sra. Obama disse que você podia tirá-los – contou ao Footwear News.

michlike

 

É fashionista, mas sem afetação

Sempre elegante, Michelle não demorou a se tornar um ícone de moda e figurar na lista das mais bem-vestidas. E tudo isso sem ostentação desnecessária: ela repetiu roupa várias vezes em cerimônias oficiais e já usou peças de marcas mais acessíveis como a Target, além de uma bata da GAP, que custava 30 dólares. Entre seus estilistas preferidos está Jason Wu, que a vestiu para ocasiões como as festas de posse de Obama, em suas duas eleições (abaixo). Também aparecem no closet da primeira-dama grandes grifes como Chanel, Dior, Marc Jacobs e Michael Kors, além de nomes como o brasileiro Francisco Costa.

michvestidos

 

Alguma dúvida de que vamos ter muitas saudades? Michelle <3

michtchau

 

Leia mais
Comente

Hot no Donna