#MariellePresente: artistas manifestam suas opiniões sobre a morte de Marielle Franco nas redes sociais

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Após a morte brutal da vereadora Marielle Franco (PSOL), artistas se manifestaram nas redes sociais sobre o assassinato e colocando em discussão assuntos como empoderamento negro. Ela se identificava como “mulher, negra, mãe e cria da favela da Maré”, ativista, a voz de Marielle está ecoando nas redes através de muitas mulheres.

Erika Januza

Juliana Alves

Tais Araújo

Sheron Menezes

Não vamos parar… #luto #luta #pormariele #portodasnos

Uma publicação compartilhada por Sheron Menezzes (@sheronmenezzes) em

Joanna Burigo

A vereadora, ativista pelos direitos humanos e grande mulher negra e lésbica Marielle Franco foi assassinada a tiros, na noite desta quarta-feira, no Rio de Janeiro. Marielle voltava do evento Jovens Negras Movendo as Estruturas :: 14/3 :: 18h, na Lapa, quando um carro parou ao lado do veículo de seu motorista, Anderson Pedro Gomes, e dois homens dispararam, fugindo em seguida. Anderson também foi morto. Eles estavam acompanhados da assessora de Marielle, que sobreviveu e cuja identidade não é revelada por motivos de segurança. Nascida e criada na Maré, onde ainda residia, Marielle era vereadora na cidade do Rio de Janeiro pelo PSOL. Sua candidatura teve forte carga simbólica, e suas bandeiras eram o feminismo, a luta antirracismo e a defesa das populações faveladas. Ela foi a quinta mais votada. Marielle era socióloga formada pela PUC, onde ingressou com bolsa integral, e fez mestrado em Administração Pública na UFF. Em entrevista para o jornal O Globo, em Outubro de 2016, Marielle contou que uma de suas amigas mais próximas, em 2005, foi vítima fatal de bala perdida durante um tiroteio entre policiais e traficantes na Maré, e que o episódio impulsionou seu engajamento na defesa dos direitos humanos e contra ações violentas nas favelas. Trabalhou em organizações da sociedade civil como a Brasil Foundation e o Centro de Ações Solidárias da Maré (Ceasm), e coordenou a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Marielle deixa uma filha. Que seu brilho, coragem, inteligência, determinação e garra sigam nos inspirando e iluminando. #MariellePresente

Uma publicação compartilhada por Joanna Burigo (@joannaburigo) em

IZA

💔 #MariellePresente #NãoVãoNosCalar

Uma publicação compartilhada por IZA (@iza) em

Djamila Ribeiro

Juliana Paes

Fiquei tão triste… que triste!!!!!! Até quando? Até quando???? “Morreu. Morreu a preta da maré, a negra fugida da senzala que foi sentar com “os dotô” na sala e falar de igual pra igual com “os homi”. A negra que burlou a fome de se saber, que fez crescer dentro dela, o conhecimento. Aquela, que por um momento de humanidade, sonhou com a justiça, lutou por liberdade e ousou ir mais alto, do que permitia sua cor. “Mas preta sabida, não pode! Muito menos pobre! Não tem valor.” Diziam as más línguas na multidão. E ela ousou tirar seus pés do chão. Morreu. Morreu a “preta sem noção”, que falava a verdade na cara do patrão, que carregava a coragem, como bagagem, no coração. O tiro foi certo, acertou com maldade, ecoando seco no centro da cidade” Anielli – Poeta

Uma publicação compartilhada por Juliana Paes. Actress. Brazil (@julianapaes) em

Leia mais:
:: Reflexão: quem ou o que determina que você é negra?
:: Opinião: precisamos falar (mais) sobre racismo e representatividade negra
:: Opinião: será que precisamos mesmo de um dia para Consciência Negra?

Leia mais
Comente

Hot no Donna