Nathália Dill, Chandelly Braz e outras famosas se engajam em campanha pela descriminalização do aborto

Foto: Reprodução/Instagram
Foto: Reprodução/Instagram

Várias famosas se engajaram na campanha pela descriminalização do aborto pelas redes sociais. Nesta sexta-feira, 3, o tema será debatido em uma audiência pública no Supremo Tribunal Federal (STF).

As atrizes postaram fotos usando a hashtag #nempresanemmorta com uma faixa verde que diz: “Nem presa, nem morta por aberto. Nem uma a menos”. A cor é uma referência à campanha pró-direito ao aborto na Argentina.

A atriz Nathália Dill foi uma das artistas que se manifestou. “Uma mulher não pode ser morta e nem presa por uma decisão que só deveria caber a ela”, pontuou em sua postagem. Ela já havia se declarado favorável ao aborto em entrevistas recentes.

Laila Zaid resumiu sua opinião com uma frase:”Nosso corpo, nossas regras!!!!”, escreveu a atriz.

Nosso corpo, nossas regras!!!!#adpf442 #nempresanemmorta #nenhumaamenos

Uma publicação compartilhada por @ lailazaid em

Chandelly Braz também abordou o assunto em sua conta pessoal.

No ano passado, foi protocolada uma ação no Supremo Tribunal Federal, ADPF 442- a Ação Pela Vida das Mulheres, que pede que não seja crime o aborto até 12 semanas – em qualquer situação. O principal argumento é que os direitos das mulheres à liberdade, à dignidade, ao planejamento familiar, à cidadania, e de não ser torturada, presentes na Constituição de 1988, estão sendo negados pela criminalização do aborto, imposta pelo Código Penal de 1940. Nos dias 3 e 6 de agosto, vai acontecer uma Audiência Pública sobre essa Ação em Brasília em que os juízes irão ouvir dados e depoimentos apresentados por profissionais de saúde, jurídicos, lideranças religiosas e outras “partes interessadas”. Por isso, nesses dias, haverá em Brasília, o Festival Pela Vida das Mulheres, em frente ao Museu da República! Mas se vc não puder estar em Brasília, pra apoiar essa causa, nos dias 3 e 6 de agosto, onde estiver, vista verde e roxo! O roxo é símbolo da luta feminista no Brasil, e o verde representa nossa solidariedade às hermanas argentinas. #DescriminalizaSTF #ADPF442 #PelaVidaDasMulheres #Nempresanemmorta #NemUmaAMenos

Uma publicação compartilhada por Chandelly Braz (@chandellybraz) em

Maria Casadevall não postou foto com a faixa, mas escreveu sobre o tema. “Aborto é crime. Ninguém deixa de abortar por isso, mas as mulheres mais pobres, as mais jovens, as negras e as indígenas correm risco de prisão e de saúde por não conseguir acessar métodos seguros de aborto. É a velha história: as ricas abortam, as pobres morrem”, disse.

As mulheres que abortam no Brasil são mulheres comuns: a maioria é jovem, católica ou evangélica, e já tem filhos. Se você conhece cinco mulheres, provavelmente pelo menos uma delas já abortou. Só que aborto é crime. Ninguém deixa de abortar por isso, mas as mulheres mais pobres, as mais jovens, as negras e as indígenas correm risco de prisão e de saúde por não conseguir acessar métodos seguros de aborto. É a velha história: as ricas abortam, as pobres morrem. Esta semana, o Supremo Tribunal Federal vai debater a descriminalização do aborto até 12 semanas de gestação numa audiência pública. Nós temos que debater também. Entre 03 e 06/08, vai rolar o Festival pela Vida das Mulheres. Veja os detalhes aqui: https://www.facebook.com/events/1679233825465542/ Se estiver em Brasília, participe! Se não estiver, divulgue muito! É por Ingriane Barbosa, por Jandira Magdalena, por Elizângela Barbosa, por Caroline Carneiro. É por Marielle Franco, que tanto lutou pelos direitos reprodutivos das mulheres. É por todas nós. #NemPresaNemMorta #NemUmaAMenos #ADPF442

Uma publicação compartilhada por Maria Casadevall (@mariacasadevall) em


Leia mais:
:: Opinião: “Por que lutamos pelo direito ao aborto?”, questiona Joanna Burigo
:: 
Aborto na Argentina: como a decisão histórica repercutiu nas redes sociais

Leia mais
Comente

Hot no Donna