No Dia Internacional Contra a Discriminação Racial, 10 mulheres negras inspiradoras para seguir

Foto: Reprodução/Instagram
Foto: Reprodução/Instagram

Viola Davis, Shonda Rimes e Michelle Obama você já deve estar seguindo, mas quem são as outras mulheres negras que te inspiram? Para marcar este Dia Internacional Contra a Discriminação Racial separamos uma lista de 10 mulheres negras inspiradoras que falam sobre o representatividade, auto estima, moda, beleza, equidade.

Elza Soares

Elza é uma consagrada cantora e compositora brasileira, as letras de suas músicas reforçam a luta contra violência doméstica, racismo e machismo. Uma dica além de ouvir o som que ela faz é seguir no Twitter e Instagram, onde ela compartilha sobre sua carreira e eventos em que participa.

Taís Araújo

A atriz foi eleita uma das 100 personalidades afrodescendentes mais influentes do mundo com menos de 40 anos pelo MIPAD, nomeada Defensora dos Direitos das Mulheres Negras pela ONU Mulheres Brasil.

Chimamanda

Geneva Dress: Meena @meenaofficial #MadeinNigeria

Uma publicação compartilhada por Chimamanda Adichie (@chimamanda_adichie) em

A escritora nigeriana foi nomeada como um dos 39 escritores mais importantes com idade inferior a 40 além de ter sido aclamada por seu discurso no TEDx: Todos nós deveríamos ser feministas. Quer conhecer as obras dela? Leia Meio sol amarelo,  Como criar crianças feministas, Hibisco roxo e A cor de hibisco. Mas siga também a escritora no Instagramela é superestilosa e por lá compartilha looks bem diferentões.

Lupita Nyong’o

A atriz queniano-mexicana foi a primeira queniana e mexicana a ganhar um Óscar, na categoria de Melhor Atriz Coadjuvante. Ela foi uma das estrelas do filme Pantera Negra e uma das suas ações para trazer mais representatividade para a vida de crianças negras, pagou ingressos para 600 crianças quenianas.

Djamila Ribeiro

Ontem dei a primeira aula do curso “Narrativas descolonizadas” para uma turma cheia e atenta. Mas como foi difícil sair de casa. Preferi me recolher, neguei entrevistas ou escrever para veículos sobre. Preferi compartilhar o que importantes organizações estão fazendo, o que a juventude de favelas está produzindo. Preferi o silêncio e só me manifestar nas minhas redes. Mais pra frente, vamos elaborar um material, mas agora a dor me toma. Ter dado a aula foi bom, comecei falando de Marielle, da trajetória de tantas mulheres negras que lutaram e lutam contra esse sistema colonial. Foi um acalanto ver tantos rostos compenetrados, ler o depoimento lindo de umas das alunas hoje, o que me deu a certeza de que não há outra alternativa a não ser continuar. #mariellepresente

Uma publicação compartilhada por Djamila Ribeiro (@djamilaribeiro1) em

Ela é uma feminista e acadêmica brasileira, Mestra em Filosofia Política e autora do livro “O que é lugar de fala?”. Foi secretária-adjunta da Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo.

Nátaly Neri

Cientista Social em formação, youtuber, vegetariana e feminista negra, Nátaly fala sobre vários assuntos relevantes em seu canal no Youtube, o Afros e Afins.

Liniker

Liniker de Barros Ferreira Campos é vocalista da banda Liniker e os Caramelows. Ela não se define como homem, nem como mulher, sendo um exemplo de pessoa não-binária. 

Camila Falcão

Atriz, cantora, maquiadora, figurinista e produtora ela é um exemplo de. Canta no Bloco da Laje, do grupo Pretagô e ela inspira por ser uma mulher preta, gorda e fala sobre estes duas lutas.

Jana Ramos

DIA INTERNACIONAL DE LUTA PELA DISCRIMINAÇÃO RACIAL Em 21 de março de 1960, em Joanesburgo, na África do Sul, 20.000 pessoas faziam um protesto contra a Lei do Passe, que obrigava a população negra a portar um cartão que continha os locais onde era permitida sua circulação. Porém, mesmo tratando-se de uma manifestação pacífica, a polícia do regime de apartheid abriu fogo sobre a multidão desarmada resultando em 69 mortos e 186 feridos. ✊🏾✊🏾✊🏾✊🏾✊🏾✊🏾✊🏾✊🏾✊🏾✊🏾 Somos todos eternamente endividados, e essa determinação, deve nortear a luta contra as formas modernas de escravidão, opressão e discriminação.” Irina Bokova, diretora-geral da UNESCO. . . . . . #tonsdepreta #creatorsnegros #blogueirasnegras #blackisbeautiful #blackpower #photoshoot #chegaderacismo . 👓 @comprekoala 📷 @oguifs 📣 @radicalpapiii 🕺 @odigorodri 👕 @plastic.kidz.brecho

Uma publicação compartilhada por JANA RAMOS (@tonsdepreta) em

A influencer fala muito em suas redes sobre equidade e autoaceitação. Ela tem um canal no Youtube chamado Tons de Preta que também traz discussões sobre questões raciais.

Gabi Oliveira

Ela é youtuber e influencer nas redes sociais, participa de eventos que discutem sobre questões raciais, traz autoaceitação e equidade como principais temas em suas pautas.

 Leia mais:
:: Erika Januza: “O papel de uma juíza negra na novela é um presente para mim e para todo o Brasil”
:: Por que a família é tão importante para a autoestima de uma criança negra
:: Opinião: precisamos falar (mais) sobre racismo e representatividade negra
:
Opinião: será que precisamos mesmo de um dia para Consciência Negra?

Leia mais
Comente

Hot no Donna