Pânico, vícios, má relação com o corpo: veja 5 desabafos de Gisele Bündchen que estão em sua biografia

Foto: AFP
Foto: AFP

Tá quase! A biografia de Gisele Bündchen, intitulada Aprendizados: Minha caminhada para uma vida com mais significado, chega às livrarias brasileiras a partir de 15 de outubro, e a expectativa é grande. Nesta sexta-feira, 28, a top compartilhou com seus seguidores no Instagram uma foto segurando a cópia do livro.

“Foi uma caminhada incrível e estou muito feliz por poder compartilha-lo. Espero que gostem!”, escreveu a gaúcha na legenda da foto na rede social.

A biografia de Gisele será lançada no Brasil pela editora BestSeller, e já está em pré-venda. No livro, a gaúcha de 38 anos faz algumas revelações sobre sua vida pessoal, de antes e depois do casamento com o jogador de futebol americano Tom Brady, 41 anos. 

Veja cinco assuntos abordados no livro – e que talvez você não saiba:

Crises de pânico

Nos dias que antecedem o lançamento do livro, Gisele concedeu uma entrevista honesta e reveladora à Revista People. À publicação, a top adiantou alguns assuntos abordados no livro. Revelou que já sofreu de ansiedade, teve ataques de pânico e chegou a pensar em suicídio.

“As coisas podem parecer perfeitas do lado de fora, mas você não tem ideia do que realmente está acontecendo”, disse a modelo. Ela se referia aos anos 2000, quando estava chegando ao auge da carreira.

Depois de ter o primeiro ataque de pânico durante um voo com um pequeno avião em 2003, Gisele desenvolveu medo de túneis, elevadores e outros espaços fechados. Os ataques de pânico foram frequentes e a modelo revelou que teve pensamentos suicidas.

“Eu realmente tive a sensação de: ‘Se eu simplesmente pular da minha varanda, isso vai acabar’, e eu nunca mais teria que me preocupar com esse sentimento”, contou.

Gisele consultou um especialista e, após fazer uso de remédios, decidiu que não queria depender de medicação. “O pensamento de ser dependente de algo parecia, na minha opinião, ainda pior, porque eu pensava: ‘E se eu perder essa [pílula]? Então o quê? Eu vou morrer?’. A única coisa que eu sabia era que precisava de ajuda”.

Com o conselho dos médicos, Gisele começou uma revisão total do estilo de vida.


Visualizar esta foto no Instagram.

Looking so young #1999 Tão novinha em 1999! #throwbackthursday #young #natural

Uma publicação compartilhada por Gisele Bündchen (@gisele) em

Vícios: cigarros e bebida

Antes de mudar, em meio às crises de ansiedade, Gisele escancarou alguns vícios. “Eu fumava cigarros, bebia uma garrafa de vinho e três Frappucinos por dia e desistia de tudo”, relatou.

Com a mudança de hábitos adotada para combater a ansiedade, Gisele cortou açúcar da alimentação e se dedica à ioga e meditação. “Eu pensei, se essa coisa é, de alguma forma, a causa dessa dor na minha vida, tem que ir embora”, concluiu.

Maternidade difícil

Em 2009, Gisele casou o quarterback do New England Patriots, Tom Brady. Os dois são pais de Benjamin, 8 anos, e Vivian, 5. Apesar de parecerem a “família perfeita”, Gisele abriu o jogo sobre as dificuldades que teve com a maternidade.

“Quando me tornei mãe, meio que me perdi. Foi como uma parte de mim morreu ”, diz ela. “Eu era uma pessoa muito independente. Mas agora eu tinha esse pequeno ser, e de repente eu senti que não poderia fazer outras coisas e isso foi muito difícil para mim. Tudo o que eu sempre quis foi ser mãe, mas quando você está experimentando isso, é um choque ”.

Ela também revelou a cobrança em conciliar trabalho e os cuidados com as crianças. “Eu pensava que mãe terrível eu era por deixar meu filho por um dia”, afirma. Gisele chegou a levar os filhos para o trabalho.

“Eu também me sentia culpada por isso. Tipo: ‘Aqui estamos em um avião e o bebê está chorando'”.

Também por esse motivo, Gisele relatou alguns desentendimentos com o marido. Ela assumiu a maioria dos cuidados enquanto Brady treinava – muitas vezes das 6h às 18h e se sentia sobrecarregada.


Visualizar esta foto no Instagram.

Go Pats!!!! ❤️💙 @tombrady we love you!!

Uma publicação compartilhada por Gisele Bündchen (@gisele) em

Má relação com o corpo

Na mesma entrevista à Revista People, a top disse que a cobrança pela manutenção de suas formas após a gravidez acabaram a levando até a mesa de cirurgia. Ela admitiu ter colocado silicone nos seios em 2015, após amamentar as duas crianças por mais de dois anos.

No entanto, Gisele disse que se arrependeu da decisão imediatamente após ter colocado as próteses. “Quando eu acordei da cirurgia, eu não acreditava no que havia feito. Me senti presa num corpo que desconhecia”.

Ela nunca havia admitido ter se submetido a um procedimento do tipo.


Visualizar esta foto no Instagram.

Uma publicação compartilhada por Gisele Bündchen (@gisele) em

Apoio e aceitação

Foi com o apoio do marido que Gisele conseguiu se sentir melhor com o corpo.

“Ele dizia que me amava acima de tudo e que eu estava bonita. Mas esta foi definitivamente outra lição: o que não te mata, te fortalece”, afirmou a top.

Leia mais:
:: Gisele Bündchen lembra carreira e revela que já pensou em suicídio: “Sabia que precisava de ajuda”
:: Gisele anuncia data de lançamento de livro de memórias e revela: “Aprendi a me aceitar e me amar”

Leia mais
Comente

Hot no Donna