Entrevista! Lily James tornou-se o rosto das produções de época e estreia uma versão zumbi de “Orgulho e Preconceito”

 (John Shearer/Getty Images)
(John Shearer/Getty Images)

Mariane Morisawa, de Los Angeles

Conhecida como a espevitada Lady Rose da série Downton Abbey e a delicada Ella de Cinderela, Lily James mostra uma outra face em Orgulho e Preconceito e Zumbis, brandindo espadas e cortando cabeças. Com estreia nesta quinta, o filme dirigido por Burr Steers e baseado no livro de Seth Grahame-Smith leva os personagens do clássico romance de Jane Austen para um apocalipse zumbi.

A londrina de 26 anos interpreta Elizabeth Bennet, a jovem independente que tem dificuldades de se encaixar nos rígidos costumes do século 19, como a busca por um marido que a sustente. Ela vive às turras com o misterioso Sr. Darcy (Sam Riley).

:: Entrevista! Pai de quatro crianças, Mark Wahlberg estrela comédia sobre paternidade e fala da importância da família
:: Entrevista! Em cartaz nos cinemas com “Deadpool”, a atriz carioca Morena Baccarin celebra o bom momento na carreira

Até aí tudo dentro do script de Orgulho e Preconceito. Não fosse outro desafio para Liz e suas três irmãs (interpretadas por Bella Heathcote, Ellie Bamber, Millie Brady e Suki Waterhouse): proteger-se dos comedores de carne humana, salvando inclusive o pescoço de muitos homens.

Em entrevista à revista Donna, a atriz falou sobre os desafios de interpretar Liz Bennet nesta versão ainda mais feminista da história de Jane Austen – que incluiu muito treinamento e alguns hematomas e arranhões pelo corpo. Mais: ela conheceu o namorado, Matt Smith, no set de filmagem.

(Lionsgate/Divulgação) Século 19: versão guerreira de Liz Bennet em “Orgulho e Preconceito e Zumbis”

(Lionsgate/Divulgação) Século 19: versão guerreira de Liz Bennet em “Orgulho e Preconceito e Zumbis”

Donna – Do que gosta em sua personagem?

Lily James – Adoro muitas coisas nela, mas também fico frustrada com ela. Acho que a Liz Bennet criada por Jane Austen é maravilhosa, independente, de pensamento moderno. Mas vê-la neste mundo, onde ela pode lutar e dar uma surra no Darcy, foi muito libertador e divertido. O incrível é que também a amo por seu lado negativo, de não entender seus sentimentos e não conseguir se conectar com Darcy.

Donna – O que pode falar do seu treinamento?
Lily – Nós todas treinamos duro. Fiz muitas coisas para entrar em forma, ficar forte e aumentar a energia e a resistência. Fiz boxe. Depois, foquei mais nas artes marciais, quando nós, as irmãs, já estávamos todas juntas. E muito exercício com espadas. Foi bastante tempo porque precisávamos convencer de que éramos capazes de nos defender e matar zumbis.

Donna – Pensou algum dia em fazer cenas de autodefesa?

Lily – Gosto de lutar. Fiz muito boxe. Fico preguiçosa e acho tão importante mover seu corpo. Aprender a lutar foi demais, me senti muito empoderada. É bacana encontrar uma expressão física da sua força interna!

Donna – Mas não deve ter sido assim no primeiro dia.

Lily – É, acordando às 5h da manhã, é difícil. Foi duro, ficávamos roxas e arranhadas. Porque as lutas foram todas feitas por nós mesmas.

A atriz no red carpet do SAG Awards ( Jason Merritt/Getty Images/AFP)

A atriz no red carpet do SAG Awards ( Jason Merritt/Getty Images/AFP)

Donna – Outros romances clássicos poderiam ganhar essa levada moderna, com zumbis, vampiros e tal e, assim, ganhar mais leitores entre o público jovem?

Lily – Com certeza! É interessante como, ao adicionar zumbis a Jane Austen, os temas e as ideias se destacam ainda mais. A força dessas jovens…

Donna – O figurino é de época, mas há alguns elementos modernos.

Lily – Sim, tem aquela coisa de Jane Austen, mas também lugares para guardar as armas. E algo meio militar, com couro. Não acreditei que ia usar calças neste filme! É maluco!

Donna – Qual foi seu principal desafio?

Lily – Foram muitos. Às vezes, era a atuação. Em outras, a luta. Ou então tentar fazer as duas coisas ao mesmo tempo. Queria muito manter os traços característicos de Liz Bennet. Mas, às vezes, era difícil, dadas as circunstâncias de vida ou morte (risos)!

Donna – Jane Austen ficaria feliz com esta adaptação?

Lily – Sim! Aposto que, se houvesse um apocalipse zumbi, Jane Austen seria uma combatente! Acho que ela ficaria orgulhosa de ver que suas mulheres estão salvando o dia.

Donna – Seu namorado, Matt Smith, que também está no elenco, disse que achou você lutando muito sexy.

Lily – Lá vem ele nos objetificar de novo! Somos pelo empoderamento feminino (risos)! Não era muito sexy. É legal ver as mulheres no controle. Amamos as cenas de luta! Éramos como as Spice Girls com espadas. As Spice Girls Ninja!

Donna – Depois de Orgulho e Preconceito e Zumbis, gostaria de fazer mais filmes de ação?

Lily – É realmente o que quero fazer. Jamais imaginei isso. Realmente amaria fazer um filme de ação. Adorei cavalgar em Cinderela e em Orgulho e Preconceito e Zumbis, onde cavalgava e ainda cortava cabeças. Quero fazer um filme de ação de verdade.

(BBC/Divulgação) Anos 1920: a espevitada Rose de “Downton Abbey”

(BBC/Divulgação) Anos 1920: a espevitada Rose de “Downton Abbey”

Donna – Você integrou o elenco de Downton Abbey, que chega agora à sua última temporada. Vai sentir falta da série?

Lily – Fico triste de ter terminado. Vou sentir falta no ano que vem, quando não estiver no set. Mas acho que era o momento de terminar. Todas as coisas boas chegam a seu final. Nossa, que deprimente isso que falei (risos)!

Donna – Como foi o último dia de filmagem?

Lily – Foi triste. E feliz também, porque todos estávamos orgulhosos e alegres com as novas oportunidades que apareceriam.

Donna – Lembra-se da primeira vez em que pensou em ser atriz?

Lily – Não. Sempre estava cantando, dançando, atuando. Meu pai cantava, tocava violão, lia poesia e sabia fazer todos os sotaques da Terra. Foi parte do meu crescimento. Amo Mamma Mia, amo Abba. Meus irmãos ficavam malucos porque eu não parava de cantar. Sempre dancei, amo balé. Quer dizer, não gosto de balé, era forçada a fazer. Gosto de hip hop (risos).

Donna – Havia outras carreiras possíveis, como ser contadora?

Lily – Não para mim (risos)! Eu ia fazer psicologia e filosofia. Sempre achei que queria fazer algo com a mente. Ou talvez trabalharia numa livraria.

(BBC/Divulgação) Século 19 outra vez: a nobre Natasha de "Guerra e Paz"

(BBC/Divulgação) Século 19 outra vez: a nobre Natasha de “Guerra e Paz”

Donna – Gosta de moda?

Lily Sou de camiseta e jeans. Mas, por causa da carreira e tal, estou ficando mais interessada em moda. Tenho até um stylist, o que é muito empolgante.

Donna – Por que adotou o nome artístico de Lily James?

Lily – James é o nome do meu pai. Meu nome verdadeiro, Lily Thomson, tinha sido usado. Mas gosto de ter meu nome e meu nome profissional.

Donna – O que gosta de fazer nas horas vagas?

Lily – Gosto de ir ao cinema. Eu vou toda semana, sozinha, assisto a uns dois filmes em seguida. Acho que assim eu aprendo. Mas assisto às séries de uma vez. Vi Dolly and Em. São duas mulheres que escreveram, produziram e estrelaram na série. São duas mulheres cheias de falhas, engraçadas, malucas.

 

 

 

 

Século 19 outra vez: a nobre Natasha de “Guerra e Paz”

Leia mais
Comente

Hot no Donna