Dia dos Avós: pesquisa comprova que convivência com idosos só faz bem para crianças

Patrícia Lima e Cristiano Santos

Só de olhar o semblante dessas figuras, uma sensação de felicidade invade o coração. De rosto enrugado ou bem lisinho, com cabelos brancos ou sem nenhum cabelo, vestindo as últimas tendências ou desfilando um casaquinho que era moda nos anos 1960, eles são simplesmente demais. E tê-los conosco é mesmo muito, muito bom. Tanto que torna-se cada vez mais comum a comemoração deste sábado: o Dia dos Avós.

O que a gente sempre soube também tem sido confirmado por cientistas ao redor do mundo. Segundo pesquisas recentes, a convivência entre avós e netos é altamente benéfica para as crianças, que crescem mais seguras, saudáveis e felizes com a companhia e os cuidados de avôs e avós. E a recíproca é verdadeira. A vida dos idosos é melhor com netos por perto.

A dedicação de avôs e avós teria garantido, segundo uma pesquisa coordenada pela Universidade Edith Cowan, na Austrália, vantagens evolutivas à espécie humana. O estudo aponta que nenhum outro mamífero, com exceção de algumas baleias, conta com os cuidados dos avós durante o seu crescimento. A atenção e o acompanhamento dedicados às crianças teriam sido alguns dos fatores que possibilitaram o desenvolvimento motor e intelectual dos filhotes do homo sapiens. Mais protegidos, a chance de sobrevivência dos pequenos tornou-se bem maior.

Sobre os nossos dias, a pesquisa afirma que os avós, nas sociedades industrializadas, investem quantidade significativa de tempo e dinheiro em seus netos, o que influencia positivamente no desenvolvimento dos jovens. Estudo semelhante elaborado no Reino Unido revelou que quase metade da população tem netos, sendo que 25% desse total são os principais cuidadores das crianças. Eles substituem os pais durante, em média, seis horas por semana.

Quando algo inesperado ocorre e a família passa a enfrentar uma tragédia, o papel dos mais velhos torna-se ainda mais importante. Um estudo feito no Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa em Perdas e Luto da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (USP) observou o comportamento familiar em casos de crianças com câncer. Descobriu que os avós assumem a responsabilidade por manter a união da família. É uma preocupação em três dimensões: com o sofrimento físico do neto, com os pais – seus próprios filhos – e com os demais netos, irmãos da criança doente. Em muitos casos, são eles, os avós, que assumem o papel de cuidar do restante da família enquanto os pais estão concentrados no tratamento do pequeno enfermo.

Mesmo em situações familiares normais, sem traumas profundos, os avós são peças fundamentais. Por sua capacidade (e paciência) em escutar e interagir com os netos, os avós os ajudam a desenvolver a autoestima e a enfrentar fases turbulentas, como a adolescência, as decepções amorosas e até o divórcio ou a ausência dos pais.

– Avós costumam perceber a criança com mais atenção e ajudá-la a ser mais tranquila, a ter mais rotina e a começar e terminar tarefas. Ter avós saudáveis por perto é a maior riqueza que alguém pode ter – afirma a psicóloga e psicopedagoga infantil Aidê Knijinik.

Ainda segundo Aidê – ela mesma a avó apaixonada de uma menina -, a relação entre avós e netos vem mudando ao longo dos anos. Durante muito tempo, o papel dos mais velhos era mais ou menos restrito aos cuidados diários, aos serviços domésticos e ao mimo e aos carinhos típicos dos vovôs e das vovós. Hoje, já se tem cenários bem diferentes nas famílias.

– É cada vez mais comum ver avós que estudam, viajam ou curtem a vida com os netos. Essas novas gerações não recebem apenas cuidados, mas também formação, valores, experiências. E isso é muito rico.

A modelo que ilustra a capa desta edição de Donna é uma prova disso. Aposentada do serviço público e cuidando somente da casa, Marlene Pereira, de 77 anos, vibrou com as primeiras campanhas publicitárias que a neta estrelou. Viu a menina brilhar em comerciais de TV e páginas de jornais – e ficou muito empolgada com a possibilidade de fazer o mesmo. Quando foi incentivada a levar algumas fotos à agência de modelos da neta, em Porto Alegre, não hesitou. Agora, quem abafa na família é a simpática senhora, que pula de alegria a cada chamada para um novo trabalho.

– Ser modelo é a minha terapia. Nem me importo com o cachê, quero mesmo é conhecer gente nova, conversar, fazer coisas diferentes. Eu me divirto muito – conta Marlene.

00a2e7d4

Com o tempo, a neta inspiradora se cansou da função de fotos e gravações e foi experimentar outras coisas – afinal, tem somente 13 anos. Já Marlene segue firme modelando – mas nem por isso, esquece de suas funções de avó amorosa.

– Tenho uma relação linda com as minhas netas. Não estou com elas todos os dias, mas temos uma conexão muito forte, falamos sobre tudo, trocamos um carinho enorme. Elas são felizes e eu também com essa convivência.

Se para os netos a presença dos avós é quase garantia de um desenvolvimento promissor, para os avós essa relação é renovadora. Pesquisadores americanos da Boston College observaram 376 avós e 340 netos entre 1985 e 2004, acompanhando sua saúde mental. A conclusão, divulgada no ano passado, é que os avós e os netos adultos que se sentiram emocionalmente próximos uns dos outros tiveram menos sintomas de depressão. A médica geriatra do Hospital Moinhos de Vento Berenice Werle confirma que a presença de netos na rotina dos idosos pode ser extremamente benéfica, um poderoso coadjuvante para evitar a depressão e até retardar os efeitos da demência senil. A convivência, no entanto, também pode prejudicar os avós.

– Para beneficiar o idoso, a relação precisa ser respeitosa. O jovem tem que valorizar a sabedoria dos avós, respeitá-los e conviver com eles em harmonia. Caso contrário, o conflito geracional pode causar sofrimento aos mais velhos. As famílias precisam criar seus filhos para que respeitem os idosos, valorizem a experiência de vida deles. Isso tem que vir de berço.

Outra situação bastante comum, segundo Berenice, é o sentimento de frustração por parte do idoso, seja porque seus netos não o escutam, seja porque só o procuram para pedir dinheiro ou em ocasiões específicas. Nesses casos, no lugar de ser um momento de felicidade, a presença dos netos faz mal a quem deveria estar cercado somente do bem.

Ser avó é renascer 

Márcia Blini Barbosa, 60 anos, viu as amigas se tornarem avós antes dela. Ao falar da pequena Manuela, de sete meses, a empresária fica com os olhos marejados. É preciso segurar o choro antes de fazer as fotos com a primeira neta.

– É um renascer, uma alegria contagiante que não tem como explicar. Ela nasceu prematura. Quando a Vivian (mãe da Manuela) nos ligou, de madrugada, e disse que a bolsa tinha estourado, quase chegamos antes do que ela na maternidade.

A ansiedade em viver estes momentos é compensada com o dia a dia entre avó e neta:

– Quando a tenho nos braços, parece que estou olhando a minha filha. A partir do momento em que fica comigo, a responsabilidade é minha. Adoro quando ela acorda, me debruço em cima do berço, cara a cara, e ficamos conversando. É um presente de Deus – comenta, ainda emocionada.

avos

Essa relação de carinho intenso permeia as memórias de infância de Márcia. Nascida e criada em São Paulo – mora em Florianópolis há 37 anos -, ela se dividia entre as duas avós.

– Fui criada por elas, sempre muito paparicada. Falando agora me vejo abraçada com uma delas, indo à feira. O que estou fazendo é o que recebi. Tive um contato muito grande, elas faziam bolo, pão. Uma era do interior e a outra de São Paulo – relembra.

Apesar da pouca idade, Manu já está conhecida na vizinhança da vovó. Juntas, elas costumam passear pelas tardes da Avenida Trompowsky, no centro da capital catarinense. O vovô Wagner, cercado por mulheres, garante que a chegada da neta mudou a vida do casal.

– É a continuidade, é para completar, estamos curtindo muito. E já avisamos, quando ela fizer um ano, queremos mais um – reforça o engenheiro, que sonha em ver Manu na carona de sua Harley-Davidson.

Márcia também projeta o futuro. E tem se preparado para isso, para acompanhar o crescimento da neta e daqueles que ainda nem nasceram.

– É uma ânsia de quem não quer se separar (risos). Eu me cuido, faço academia, procuro me alimentar bem porque quando eu chegar aos 80 anos eu quero vê-la com 20, que é quando ela vai entender a nossa relação.

avos2

 

Mais feliz, impossível

A pequena Laura Damin Garrido, de sete meses, ainda não entende direito quem é quem, mas já abre um sorrisão ao ganhar colinho ou brincar com algum dos avós. Sortuda, ela tem os quatro por perto. A mãe do bebê bochechudo e com cara de sapeca, a fisioterapeuta Sofia Damin, mora perto dos pais, que passam algumas horas por dia com Laura para que ela possa trabalhar. Jurandir e Juliana Damin, de 59 e 54 anos, receberam com festa a primeira neta, que mudou a rotina dos dois. Desde relembrar como é ter um bebê em casa até redescobrir um sentido para a vida, tudo tem sido ternura e alegria para o casal.

Quem também vive nas nuvens desde o nascimento da pequena é Rosemari Garrido, 51 anos, mãe do educador físico Giancarlo, pai da Laura. Ela também mora perto do filho e da nora e participa dos cuidados com a netinha para que os pais possam tocar a rotina de trabalho na academia que administram, no bairro Humaitá, em Porto Alegre.

– Eu estou deslumbrada, nem sei como explicar. O Gian é filho único, então estou revivendo toda a felicidade que tive com ele. Minha vida mudou completamente, para muito melhor – comenta Rosemari.

00a2e61d
Puro amor: a pequena Laura cercada pelos avós paternos, João Carlos e Rosemari (à esquerda), e pelos avós maternos, Jurandir e Juliana (à direita)

Morador de Arroio dos Ratos, o pai de Giancarlo não vê a neta todos os dias em função da distância. Mas João Carlos Marques, 62 anos, mal pode esperar o fim de semana chegar.

– Fui obrigado a rejuvenescer, para acompanhar o ritmo dela. É maravilhoso.

Mas o que o motivo de tanta felicidade acha disso tudo? Sofia, a mãe, explica:

– Ela já reconhece eles, brinca, confia. Vejo que ela se sente segura com eles. É uma criança muito feliz.

 

O poder de deseducar

Na casa de Lena Costa, à beira de uma lagoa que desemboca no mar verdinho do norte da ilha de Florianópolis, há um perfume de infância feliz. E ele não está atrelado somente ao extenso gramado ou ao balanço preso na árvore. A artista plástica de 63 anos relembra que foi uma mãe bem mais rígida para suas três filhas em relação à convivência com os três netos.

– Eu amo criança. Na educação, nos posicionamentos, não sou de me meter, até porque faço questão do meu papel de avó. Que papel é esse? É o de poder deseducar (risos). Eles adoram vir de férias, aqui em casa pode tudo. Temos algumas pequenas regras como comer bem, tomar banho e escovar os dentes. Mas pode comer quantas sobremesas quiser – comenta, enquanto Letícia, 11 anos, ouve atenta.

Elas se entendem simplesmente pela troca de olhares. A primeira neta – há ainda a pequena Sofia, 1, e Theo, 10 – perpetua uma semelhança que percorre a biografia das mulheres da família. O vôlei é o esporte oficial do lado feminino da casa. Leti, como é chamada pela avó, mora em São Paulo e faz parte do time do Clube Pinheiros.

vovo4

Lena também se orgulha ao apontar a herança cultural como um dos pilares na relação com as crianças. As artes plásticas surgiram em sua vida quando as filhas estavam crescidas. Já os netos, desde bebês, sempre brincaram no ateliê cercados de tintas e telas. Theo, inclusive, rabiscou quadros a caminho das galerias.

– Acho que hoje as crianças estão muito desassistidas neste sentido. Eu gosto de ouvir música clássica, jazz, de colocá-los, assim como fiz com as meninas (filhas), em um universo mais cultural. Recentemente, fomos ver a exposição da (artista plástica japonesa) Yayoi Kusama e eles curtiram muito.

Letícia é certeira em apontar as semelhanças com a avó:

– Os meus gostos são muito parecidos com os dela. A minha mãe gosta de filmes que dão uma lição, não que eu não ache importante. Mas aqui na minha avó a gente assiste a vários outros filmes e a séries policiais. E nós também gostamos de dormir até tarde, mas meu avô (o publicitário Roberto Costa), que é muito engraçado, não deixa (risos) – revela.

Na casa dos Costa, os netos dormem no quarto com os avós. O trio de netos ainda tem a oportunidade de conviver com a bisavó de 91 anos. Quando a família inteira desembarcou na Disney, a matriarca acompanhou a criançada com um pique invejável.

– O que eu mais achei engraçado é que ela foi em todos os brinquedos com a gente – comemora Letícia.

vovos3

 

O remédio do bom humor

O menino sai correndo para a faculdade, já atrasado, e sua mãe fica em casa, na companhia de sua própria mãe, a vó. E elas passam a jogar uma conversinha fora:

Mãe – Ai, ai, ai, esse menino. Sempre correndo para a faculdade.

Vó – Ele está atrasado?

Mãe – Sim, como sempre. Ainda quer passar no curso de inglês para ver os valores das aulas.

Vó – Curso de inglês para quê? Nunca me pediram isso. Vamos falar sério, se tu não colocares esse guri em um curso de datilografia ele não vai pegar emprego, hein!

Mãe – Vozinha, isso se estivéssemos em 1950, mas nós não estamos!

Vó – Ué, não exigem mais o curso de datilografia?

Mãe – Não, nem existe mais máquina de escrever, hoje em dia é só decoração!

Vó – Uééé, ainda ontem eu escrevi na minha!

Mãe – Sessenta anos atrás tu queres dizer, né?

Vó – Não, ontem mesmo!

Mãe – Ah, bom!

Vó – Mas eu, se fosse tu, botava ele num curso para aprender! Depois não vai pegar emprego e vou te lembrar dessa conversa.

Mãe – Tu vais me lembrar dessa conversa?! Combinado!

00a2e762

Este é um dos muitos diálogos que podem não resumir, mas revelam o tom de uma obra capaz de ilustrar a delicadeza e a profundidade da relação entre uma avó e um neto. Com lançamento marcado para os próximos dias pela editora Belas Letras, o livro Quem, eu? Uma avó. Um neto. Uma lição de Vida é o relato biográfico de Fernando Aguzolli, estudante de filosofia de 22 anos que largou tudo – trabalho e faculdade – para acompanhar de perto a avó Nilva, diagnosticada com a doença de Alzheimer em 2008, em Caxias do Sul. Na reprodução dos diálogos, na narrativa das cenas cotidianas e até nas informações sobre as características da doença, o autor revela o bom humor com o qual decidiu encarar a nova condição de uma das pessoas mais importantes de sua vida.

Os momentos vividos entre ele e a vó Nilva transformaram-se, em certo momento, em um perfil no Facebook com quase 70 mil seguidores. Desse material, somado às lembranças familiares, nasceu o livro, cuja mensagem principal é a forma com a qual ele decidiu encarar a doença: “Encontrei nessas reflexões o humor como resposta, e dessa forma assumi a gargalhada como filosofia. Eu não ia conseguir curá-la. Mas a gente iria rir à beça!”

A nonna morreu no ano passado, em decorrência das consequências da doença. Mas o amor que ela foi capaz de provocar no neto (e de sentir por ele), é a herança eternizada nas páginas do livro que tem tom de memória e homenagem ao mesmo tempo.

00a2e761

Quem, eu? uma avó. um neto. uma lição de vida
De Fernando Aguzzoli
Editora Belas Letras
240 páginas
R$ 34,90, em média
Sessão de autógrafos e bate-papo com o autor no próximo dia 28 de julho, segunda-feira, às 19h, na Livraria Saraiva do Shopping Praia de Belas, em Porto Alegre

 

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna