Donna das Minhas Escolhas: por que mudei minha rotina para trabalhar menos e viver mais

Foto: Tadeu Vilani
Foto: Tadeu Vilani

Enquanto Priscila deixou a correria para empreender em outro ritmo, Ana Paula vê a intensidade como a escolha mais adequada ao seu momento de vida. Elas dividem suas experiências na série que mostra mulheres com visões diferentes sobre um mesmo tema.

“É hora de reorganizar o nosso tempo”

Priscila Gonçalves Cabrera

Já observo essa mudança há algum tempo de forma geral. As pessoas estão mais preocupadas com a alimentação, o combustível emitido pelo seus meios de transporte. Até nas vestimentas já tem gente incomodada com esse consumir sem motivo. Então, vem crescendo uma preocupação das pessoas com a qualidade de vida delas e com o entorno. Não há por que não incluir o lado profissional.

Isso bateu forte em mim quando trabalhava em grandes agências de assessoria em comunicação. Nos momentos em que me colocava a serviço de um cliente nas 24 horas do dia. Em ocasiões como o dia em que a mãe de uma amiga de infância morreu, e eu sabia da necessidade de estar ao lado dela. Mas só consegui aparecer no velório quase de madrugada, porque estava cumprindo uma carga horária, mesmo que o meu trabalho para o dia já estivesse feito. Cheguei a desenvolver síndrome do pânico antes de ter a coragem de sair dessa vida e mudar meus hábitos.

Foto: Tadeu Vilani

Foto: Tadeu Vilani

Veio de um papo com um colega de profissão, que me disse uma obviedade: “Pri, se tu sabes fazer o rabalho, se tu o fazes há anos, por que não sair e atender do teu jeito?”. Além disso, era 2015 e não aguentava mais ouvir as pessoas falando em crise e ver pequenos empreendedores cortando o gasto em comunicação ou por falta de recursos ou por não terem a mesma atenção das agências do que os clientes maiores. Mesmo com eles precisando demais do serviço no momento de se lançar no mercado. Então, saí e me ofereci a esses pequenos clientes pelo preço que podiam pagar, e dando a eles um atendimento
mais atencioso e afetuoso.

O nome da empresa, Buda Comunicação, é baseado nessa filosofia de vida que sempre admirei e finalmente consegui abraçar. Algumas coisas do budismo eu implemento demais nas rotinas de trabalho: prestar atenção, curtir o que tu estás fazendo naquele momento e só falar o que pode agregar alguma coisa ao outro. O nome serve também como um lembrete do porquê de ela ter sido fundada, da opção de vida que eu fiz.

E, claro, não faria sentido fazer esse movimento se não houvesse impacto no dia a dia. Então, a empresa fica perto da minha casa, de onde posso vir e voltar a pé. Passei a dormir melhor, a praticar a minha yoga, a passar mais tempo com os meus cachorros… Às vezes, me dou ao luxo de tirar uma tarde para mim e trabalhar à noite e de casa. Isso tudo mesmo estando em um momento de vida superfocado na minha carreira, sem sombra de dúvida.

Foto: Tadeu Vilani

Foto: Tadeu Vilani

Acho importante esclarecer isso: não é porque tenho um negócio com atenção ao pequeno que eu pense pequeno. Quero, sim, que a minha empresa cresça, que ganhe mais dinheiro, que este escritório um dia vire um baita ambiente com um monte de gente feliz trabalhando. Mas ou tenho certeza de que consigo atender bem ou não abraço um cliente. Se abraço, preciso contratar alguém que absorva e transmita essa mesma filosofia da empresa. No meu entendimento, tudo se trata de uma gestão melhor do tempo.

Creio que estamos vivenciando um período de transição nos ambientes de trabalho. Nossos pais e avós trabalhavam para caramba, mas, quando chegavam em casa, ainda que por força maior, era um tempo dedicado ao descanso e à família. Hoje, ainda não nos livramos do peso das cargas horárias e somos rastreados full time ao sair da empresa. Não entendo por que, com os recursos que temos, a mãe não pode trabalhar de casa no dia em que a babá faltou. Ou por que não pode trazer a filha ou o pet para o escritório, se não for incomodar ninguém. Certamente, vai render melhor do que renderia preocupada com a criança que ficou na casa da vizinha.

Nessa vida de correria sem limites, com o tempo, o corpo acusa. Seja uma doença, seja um desequilíbrio psicológico, algo aparece. Então, é a hora de reorganizar nosso tempo. É isso que vai fazer tu acordares todo dia motivada, com gás. E gás para gastar no que vale a pena.

Leia mais
:: Donna das Minhas Escolhas: workaholic assumida conta porque não abre mão do ritmo intenso

:: Donna das Minhas Escolhas: por que decidi ser mãe de três filhos 
:: Donna das Minhas Escolhas: por que decidi não ter filhos
:: Donna das Minhas Escolhas: duas mulheres contam como encaram a passagem do tempo

Leia mais
Comente

Hot no Donna