Entrevista! Gal Costa traz a Porto Alegre o show do seu novo disco e revela-se uma mulher sem idade

Ismael Caneppele, Especial*

Um dos pilares da música popular brasileira, revolucionária do canto moderno e ícone da contracultura, Gal Costa está prestes a completar setenta anos. Ainda assim, soa como a mais moderna das nossas cantoras. Acaba de lançar Estratosférica, um dos mais elogiados álbuns de 2015, e se prepara para estrear o show homônimo em Porto Alegre, no próximo dia 3 de outubro, no Auditório Oi Araújo Viana.

Quero falar com Gal antes da estreia do show. Ela topa uma entrevista depois do ensaio, já na madrugada, isso “se não estiver morta”. Viva, responde algumas perguntas, ignora outras e revela-se uma mulher sem idade. Estratosférica.

:: “Não estrago a vida com pensamentos ruins”, diz Ivete Sangalo em entrevista à revista Donna
:: Aos 77 anos, Elza Soares homenageia Lupicínio em shows e dispara: “a velhice só existe em cabeça fraca”

Idade

“Nada do que fiz, por mais feliz, está à altura do que há por fazer”, canta Gal na abertura de Estratosférica. Ela “exigiu” que Sem Medo nem Esperança, de Antônio Cícero e Arthur Nogueira, fosse a música a abrir o disco.

– É realmente para este meu momento fodástica, é o meu rock – justifica.

00b254b2

A alguns dias de comemorar 70 anos de idade, Gal acaba de lançar um disco de inéditas, com forte destaque para jovens compositores, circula pelos principais programas de TV e nessa madrugada, “se não estiver morta”, fará a entrevista… Mas de onde tira tanto fôlego?

– Sabia que existem mulheres de 70 anos que parecem mais novas e têm mais energia que algumas de 20 ou 30? Pois é, eu sou um exemplo disso! Eu tenho bastante energia e não me sinto com essa idade. Espiritualmente, sou mais jovem que minha idade cronológica. Minha idade está na música que faço e gosto.

Maternidade

Em 2007, aos 62 anos, a cantora tornou-se mãe de Gabriel, hoje com 10. Gal é uma mãe presente, tornando-se um exemplo às mulheres que desejam entrar em uma empreitada desse porte já com uma certa idade. Ela está sempre perto da cria, mesmo tendo que manter uma exaustiva agenda de shows, gravações e entrevistas.

Pergunto o que a maternidade mudou nela, como mulher.

– A maternidade me fez e faz muito bem! Meu sonho de ser mãe tornou-se realidade e sou feliz por isso. Meu filho é o amor da minha vida.

00b254b6

Virtualidade

Gal lida de uma forma bastante orgânica com os meios virtuais. Começou no Twitter, postando diariamente, até se estressar com o patrulhamento ideológico. Ainda morando em Salvador, soltou na internet uma brincadeira relacionando a Bahia à preguiça. Depois da confusão, disparou: “Tô fora! Um beijo com carinho, amor e delicadeza para os que preservam estes sentimentos. Adeus”.

Mas o pequeno ruído não afastou Gal dos meios virtuais. Hoje, a cantora circula pelo instagram como @galcosta, e está em paz com as outras redes.

– Eu gosto de internet, de estar conectada. Tenho Twitter, Instagram e Facebook. Uso todos eles e sigo quem gosto. Posto muitas fotos também, do passado e do presente. Leio jornais e ouço música, além das coisas práticas da vida.

Se hoje entrar em cena é deparar com celulares apontando para a sua direção, com a popularidade das canções sendo medida pelo número de aparelhos filmando, Gal costuma assistir a essas gravações amadoras de suas próprias performances?

– Eu vejo sempre. Alguns são legais, outros não. Muitas vezes o som é ruim. Com o avanço da tecnologia, é impossível controlar esse tipo de coisa, e antes mesmo de terminar um show, músicas já estão postadas na internet. É um bom termômetro para sabermos a dimensão do sucesso e repercussão que o trabalho tem.

00b254b0

Sensualidade

Em 1973, Gal Costa estreava o show e lançava o disco Índia, apostando alto na sensualidade. Na capa, censurada pelos militares, um close frontal vestindo um pequeno biquíni vermelho. Na contracapa, os seios nus. No palco, fendas, decotes e paetês. Como a Gal de Estratosférica olha para a Gal de Índia?

– Sou ainda aquela de Índia. Gosto de ousar, dar saltos e enfrentar precipícios. Mudar faz bem à saúde e ao público. Acho que agindo assim a gente ganha mais do que perde.

Em relação àquele tempo, estamos mais caretas?

– Os tempos são outros. Aquele tempo foi uma época de busca da liberdade. Isso se deu no mundo todo. Em contrapartida, no Brasil havia uma ditadura horrorosa e lutávamos contra ela.

:: Entrevista! Angelina Jolie celebra as delícias e descobertas do seu papel principal: a maternidade
:: Entrevista! Valesca Popozuda se declara feminista e dispara: “Quem é diva brilha até no escuro”

Musicalidade

Mesmo diante da curiosidade do público para conferir ao vivo as canções de Estratosférica, Gal segue misteriosa. Não abre o jogo.

– Na verdade, o show já está ensaiado musicalmente e com repertório definido. Com roteiro e tudo mais. Claro que a maioria das canções do disco estão no show, mas não darei mais pistas para manter a surpresa. Eu não estou morta, estou ligada e cheia de energia. A música me dá essa energia.

E o que o público de Porto Alegre pode esperar na noite do dia 3 de outubro?

– Um show com um repertório lindo, músicos competentes e uma cantora renovada. Vai ser lindo. Tenho boas lembranças de Porto Alegre. Um irmão da minha mãe morou aí e constituiu família. Meu show cantando Lupicínio foi inesquecível. Gosto muito de Porto Alegre.

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna