De Dom Pedrito para o mundo: a cantoria de Lara Rossato

Por Rossa Silva, Especial

Fazer carreira na música era uma realidade distante para a menina criada na área rural de Dom Pedrito. Ainda assim, Lara Rossato subiu ao palco pela primeira vez aos 14 anos. E decidiu que ali seria o seu lugar.

Em 2012, mudou-se para Porto Alegre sem conhecer ninguém na Capital, mas disposta a investir na carreira musical. Na bagagem, trazia o diploma em Biologia, um disco gravado sem muitos recursos, a experiência de apresentações que a tornaram conhecida na cidade natal e o repertório com Beatles, Led Zeppelin, Pink Floyd, Alanis Morissette e as primeiras composições próprias.

Um passo decisivo foi unir-se a outros músicos no coletivo Escuta – O som do compositor. Em 2014, mostrou a que veio no disco Mesa para dois. O álbum tem 10 canções românticas escritas por ela, como Depois de todos esses anos: “E de repente eu passei a conviver com a dor que sinto quando encontro teus pedaços no chão, no meu lençol, no fundo do armário”.

“A Lara compõe letra e música e faz um pop mais atrevido. Suas letras têm uma coisa sensual, de mulher independente e livre. Ela se joga, não tem censura. E é muito boa no palco.”
Juarez Fonseca, crítico musical

Então, vieram os fãs, que acompanham a cantora nos shows e nas redes sociais – só no Instagram são mais de 10 mil seguidores. Na internet, ela posta vídeos e adianta as novidades, como a gravação de um single que deve ficar pronto nos próximos meses. – Coloquei algumas gravações cantando e muitas pessoas curtiram, marcaram amigos nos comentários. Eu me dei conta de que era uma boa maneira de divulgar o meu trabalho – conta Lara, hoje aos 28 anos.

Não à toa, ela passou a zelar pela qualidade das gravações. A cada semana, publica no Facebook vídeos nos quais canta e toca no violão canções próprias e interpretações de artistas como Alanis Morissette, Rihanna e Foster the People no sofá branco de seu apartamento na Cidade Baixa.

Quem acompanha percebe o figurino monocromático: geralmente preto ou branco – no máximo, as duas cores combinadas –, tudo escolhido com a ajuda de uma amiga personal stylist. E a própria Lara faz a maquiagem (geralmente básica, com delineador e sombra esfumaçada). Mas a busca por referências visuais e imagens que tenham a ver com seu trabalho nunca para. Quando viu a parede ao lado do palco no Theatro São Pedro, a escolheu imediatamente como cenário para a imagem desta página. Disse que tinha a ver com seu som. E explicou:

– A parede com ferros e fios quebra um pouco a delicadeza e a suntuosidade do teatro e tem uma simbologia de força.

INFLUÊNCIAS: Alanis Morissette e Julieta Venegas, Mercedes Sosa
ONDE OUVIR: No canal no Youtube e em seu site
ELA RECOMENDA:“As meninas do Donna Duo misturam samba, milonga e outros gêneros, além de serem ótimas compositoras e instrumentistas.”

:: O violão e a voz da cantora gaúcha Bibiana Petek
:: Samba, amor e música: os caminhos da cantora gaúcha Maria Luiza Fontoura
:: O samba do sul: a voz de Pâmela Amaro
:: Foco na música: o rumo da cantora gaúcha Carmen Correa

Ficha técnica do ensaio:
Fotos: Mateus Bruxel
Cabelos Diego Sarkisian (Diego Cabelos) e Thiago Roldão
Maquiagem: Cassiano Pellenz e assistente Índia Santos (salão Cassiano Pellenz)
Agradecimentos: Theatro São Pedro

Leia mais
Comente

Hot no Donna