Na ponta dos dedos! Marcas de esmaltes atualizam a tecnologia em vez de perseguir tendências na nail art

Crystal Martin, New York Times 

Madeline Poole, manicure em Nova York e Los Angeles, começou a pintar as unhas das amigas em sua casa há cinco anos, bem na época em que o frenesi da arte na unha começava a crescer. Tinha estudado pintura, mas achava a arte muito restritiva. As unhas davam mais sensação de liberdade.

– É um meio muito bobo. Não é preciso conceito para pintar uma unha – explica.

Madeline descreve alguns de seus primeiros projetos como “malucos”. Um deles, o “Holy LA”, mistura símbolos religiosos, o logotipo do time de beisebol Los Angeles Dodgers e um rótulo de cerveja Olde English 800. Mas ela não era a única a ter um gosto tão elaborado: as consumidoras, encorajadas por uma súbita abundância de cores e ferramentas e atraídas pelo luxo acessível durante uma época de crise econômica, também adotaram o vale-tudo nas unhas.

Em 2014, a febre acabou.

:: 4 jeitos de remover esmalte das unhas sem acetona
:: O prático secador de unhas: dos salões direto para a casa da mulherada

– Depois de um tempo, a consumidora percebeu que não precisava exagerar e tentar qualquer coisa – disse Karen Grant, analista da indústria de beleza global na empresa de pesquisa de mercado NPD Group.

Surgiu uma estética mais simplificada. Madeline, que também é embaixadora global da marca de esmaltes Sally Hansen, começou a simplificar seu trabalho.

– Uma das coisas de que mais gosto agora são unhas longas o bastante para pintar a parte inferior de uma cor diferente ou aplicar uma pérola ou cristal.

NAILS-MARTIN-LSPR-101215

Um prenúncio da unha art nouveau é o “espaço negativo”, em que parte dela fica sem esmalte. O estilo a princípio parecia conter recortes em meio a um padrão de formas geométricas e cores que, para a primavera, foi simplificado. No desfile de Adam Selman, em setembro, Madeline pintou um ponto azul-escuro em cada unha nua das modelos. E repetiu o efeito na passarela de Tanya Taylor, com duas listas horizontais.

– Estamos brincando também com textura e tonalidade. Uma camada de cor clarinha por cima dos tons metálicos dá um toque antigo, como as joias da vovó – disse a artista de unhas de Nova York conhecida como Miss Pop que, durante a Semana de Moda de Nova York, criou a manicure para Erin Fetherston, Rodarte e Rag & Bone.

Ambas preferem reduzir a criação a seus elementos essenciais, como o fio preto sobre o fundo branco que Miss Pop fez para Marissa Webb. A ideia se inspirou no xadrez usado na coleção.

– Estamos diminuindo a complexidade dos padrões para suavizar a aparência – explicou.

NAILS-MARTIN-LSPR-101215

Agora que a moda se simplifica, as marcas de esmaltes mudam o foco e buscam atualizar a tecnologia em vez de perseguir tendências. Em setembro, a Sally Hansen lançou um aplicativo para iOS, o ManiMatch, que usa a câmera do smartphone para digitalizar o tom de pele e sugerir tonalidades de esmaltes. As unhas então aparecem pintadas com a cor sugerida. A experiência é divertida e funcional, um avanço em relação às mãos de desenho animado dos últimos programas.

E o híbrido gel, esmalte que imita a durabilidade do gel sem precisar secar com luz UV e de fácil remoção, está por toda parte. Orly, Butter London, Deborah Lippmann, Sally Hansen e OPI oferecem variações.

:: Vai fazer as unhas? App facilita a marcação de horários no salão de beleza

– Os consumidores estão muito bem informados agora. Querem produtos que estão mais próximos da experiência do salão de beleza, além de saber exatamente o que há neles – disse Suzi Weiss-Fischmann, uma das fundadoras da OPI e sua diretora criativa.

O Little Ondine, um esmalte peel-off inodoro feito de ingredientes de origem natural (resina vegetal, pigmentos minerais e água), está disponível na Europa e na China e chega aos Estados Unidos no fim deste ano. Se o interesse corporativo é um bom indicador, o Little Ondine tem tudo para ser o próximo grande sucesso. De acordo com Nikolaos Antonogiannis, diretor da filial britânica, a Estée Lauder contatou a empresa em 2013 para pedir suas fórmulas. Simon Yu, o diretor executivo e fundador, recusou.

NAILS-MARTIN-LSPR-101215

– Ele viu nosso potencial. Os produtos naturais são o futuro, mas são difíceis de fazer. Os produtos químicos estão lá por uma razão – disse Antonogiannis.

O Little Ondine seca em cerca de dois minutos e sua remoção é estranhamente satisfatória, como descascar uma laranja em uma longa espiral. Agora, a empresa está trabalhando com a artista britânica de unhas Sophy Robson em uma coleção de tons holográficos e não para de testar ideias.

– Estamos investigando uma linha com vitaminas, mas é difícil dizer como os nutrientes podem ser absorvidos pelas unhas – contou Antonogiannis.

Apesar do minimalismo vigente, todos sabem que a moda é cíclica.

– As pessoas consideradas socialmente importantes – editores, artistas e modelos – começaram a usar a arte maluca na unha, que acabou virando moda, mesmo que 20 anos antes isso fosse considerado brega – exemplificou Lisa Logan, que já trabalhou com Madonna, Katy Perry e Beyoncé (ela fez as unhas cromadas da cantora no vídeo de Single Ladies, de 2008).

Quem segue tendências deveria prestar atenção nas aficionadas das unhas: a mulher que espera ansiosamente a Tokyo Nail Expo deste mês – a maior de todas as feiras, na capital mundial do setor; aquela que aperfeiçoou a unha de aquário, a acrílica transparente com líquido dentro, semelhante a um globo de neve. Essa técnica bombou no último verão, mas já era conhecida nos círculos das unhas pelo menos há quatro anos.

Nos desfiles de primavera 2016, Miss Pop introduziu o estilo “sapatilha de balé”, que é essencialmente uma versão mais curta do “caixão”, a unha com formato da extremidade de um caixão, com os lados chanfrados e a ponta quadrada, uma forma que é atualmente popular nas unhas de acrílico.

– Queremos que sejam mais usáveis e menos espalhafatosas – garantiu ela.

Lisa Logan aposta em um revival do estilo de rua dos anos 90 e planeja retomar uma das técnicas favoritas da década, a aerografia.

– O ombré (degradê) é bem popular agora, mas o ombré feito no aerógrafo é o máximo. Lembra daqueles desenhos de palmeiras? Eles eram engraçados. Esse é o lado legal das unhas bem feitas: elas nos deixam felizes – sentenciou

Leia mais
Comente

Hot no Donna