Top Jane Austen: tudo o que há para ler, assistir e usar sobre a autora britânica

Se você é romântica mas sem perder a ironia jamais, Jane Austen deve ter um lugar cativo na sua mesa de cabeceira. Ícone da literatura ocidental, ela escreveu grandes histórias de amor temperadas com uma boa dose de crítica de costumes da Inglaterra do século 19. E segue cada vez mais pop em constantes versões em livros, minisséries e filmes. Nesta semana, sua mais famosa mocinha, Elizabeth Bennet, volta aos cinemas para enfrentar mortos-vivos em Orgulho e Preconceito e Zumbis – adaptação do livro homônimo, que faz uma releitura trash do romance original. Para quem já leu a obra completa e para quem ainda não começou, fica a dica: há muito mais a explorar no universo de Jane Austen.

:: Donna Indica: seis modelos de porta-retratos para deixar sua casa com a sua cara
:: DonnaIndica: 5 séries com grandes personagens mulheres vocês que levarão ao passado

De tudo um pouco

O site Zazzle faz a alegria dos fãs de Jane Austen. Você encontra de tudo: canecas, almofadas, chaveiro, sacola ecológica, camisetas, bottons e capa de celular. Janemaníacos, façam a festa!

(Divulgação)

(Divulgação)

Para os janemaníacos

(Divulgação)

(Divulgação)

Esta é só para os muito fãs da autora e do tempo em que as grandes mansões inglesas tinham nome próprio e muitos rituais a seguir: Tea with Jane Austen (importado a R$ 96,80), de Kim Wilson, narra tudo o que envolvia o cerimonial e os costumes relacionados ao chá – especialmente no que diz respeito à vida e à obra de Jane.

Um clássico

(Reprodução)

(Reprodução)

Se você nunca leu Jane Austen, aproveite o embalo e comece por Orgulho e Preconceito (entre diferentes edições, esta da L&PM custa R$ 23,90). Publicado em 1813, o livro reúne o que há de melhor na obra da escritora: uma deliciosa crônica de costumes, com personagens que fazem parte da memória afetiva de leitores mundo afora, muito romance e – spoiler! – final feliz. E tudo isso temperado com uma fina ironia quanto ao papel reservado às mulheres naquele início de século 19. Na trama, uma família sem posses enfrenta o desafio de casar as cinco irmãs – entre elas, a destemida Elizabeth Bennet.

 

 

:: #DonnaIndica: a tendência dos chokers
:: #DonnaIndica: 6 modelos de cangas lindas para arrasar na praia

Mais Lizzie e Darcy

002ec97c00b73c42008db824

 

 

 

 

 

 

 

 

Para além do livro Orgulho e Preconceito e Zumbis (Intrínseca, R$ 29,90), de Seth Grahame-Smith, outros títulos cortejam (para usar um verbo à la Jane Austen) este clássico da literatura. O mais bacana que já li foi As Sombras de Longbourn, de Jo Baker (Companhia das Letras, R$ 52,90). A ideia é tri original: conta o que se passa na ala dos empregados da família Bennet enquanto Elizabeth e Mr. Darcy vivem seus (des)encontros. E se você, como eu, adoraria saber o que acontece com seus personagens favoritos depois do final do livro, leia Morte em Pemberley (Companhia das Letras, R$ 49,90): a renomada escritora de suspense P.D. James narra um crime que se passa na mansão dos Darcy, agora pais de dois filhos.

Nas telas

Entre as adaptações de Orgulho e Preconceito, já virou um clássico a minissérie da BBC de 1995. Colin Firth ganhou o coração de fãs mundo afora ao encarnar o icônico Mr. Darcy – não por acaso, viveu mais um taciturno mocinho chamado Darcy em Bridget Jones. Mas esta que vos escreve vai na contramão. Minha versão preferida é o filme de 2005 assinado por Joe Wright e estrelado por Matthew Macfadyen e Keira Knightley, que parece ter nascido para papéis de época. Tudo funciona: a química do casal, a força dos diálogos, o figurino, a trilha sonora… Na dúvida, veja os dois. O filme está disponível na Netflix, e a minissérie, em DVD, no box da BBC que reúne outras adaptações de Jane Austen para a TV.

Sobre Jane

(Divulgação)

(Divulgação)

Não se sabe tantos detalhes da vida de Jane Austen quanto fãs e pesquisadores gostariam. Sétima filha de um pároco do interior da Inglaterra, ela viveu entre 1775 e 1817 e escreveu seus dois títulos mais aclamados, Razão e Sensibilidade e Orgulho e Preconceito, ainda jovem – mas ambos só foram publicados tempos depois, em, respectivamente, 1811 e 1813. Ela nunca se casou, e muitos atribuem a este fato os tantos finais felizes de seus romances. Você encontra mais detalhes em biografias como Jane Austen – Uma Vida Revelada (Novo Século, R$ 39,90), de Catherine Reef. Mas, já que o assunto é romance, há ainda a bela versão ficcional do filme Amor e Inocência (2007), com Anne Hathaway (na foto com James McAvoy) – também na Netflix.

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna