Museus, restaurantes, hotéis: tudo o que você precisa saber sobre Copenhague | Spice Up The Road

A capital da Dinamarca tem uma população de cerca de 1,2 milhões de habitantes e já foi eleita como uma das melhores cidades para se viver por diversos rankings mundiais. Além da modernidade e imponência, um dos aspectos que mais se destacam em Copenhague é que a cidade foi planejada pensando na qualidade de vida geral dos cidadãos, e não apenas no bom andamento do fluxo de automóveis. É por isso que ciclovias, espaços públicos conservados e a grande quantidade de áreas verdes se destacam por lá. Separei algumas indicações do que fazer na cidade:

Atrações:

Alugue uma bicicleta para andar pela cidade. Copenhague é conhecida como “a primeira cidade ciclável do mundo”, porque as bikes já foram adotadas pelos habitantes como meio de transporte. Lá, 50% da população viaja diariamente de bicicleta, e a cidade oferece cerca de 400 km de ciclovias. Aproveite também para passear pelo centrinho e pelos canais da cidade. O local é ótimo para curtir o fim de tarde tomando um chopp.

– Toejhusmuseet: é o Museu Nacional da Dinamarca. O local tem diversas salas que contam os 14 mil anos da história do país, desde a era do gelo. Uma das peculiaridades do museu é a coleção de moedas, com exemplares dos tempos dos vikings até a atualidade. O museu também recebe exposições de arte de diversas partes do mundo e reserva um espaço para o Centro de Pesquisa da Groenlândia (um território dinamarquês).

– Museu New Carlsburg: é o museu que possui a maior coleção de arte antiga no norte da Europa. O local recebe cerca de 350 mil visitantes ao ano, e a coleção inclui antiguidades egípcias, gregas e romanas e também esculturas românticas e pinturas expressionistas.

Mais dicas de Spice Up The Road?
::  5 destinos românticos para diferentes tipos de casais
:: O que visitar em Marrakech, a Red City do Marrocos
:: Conheça as belas praias do Algarve

– Troca da Guarda: cerimônia que ocorre diariamente, ao meio dia. A Guarda Real marcha pela cidade, do Castelo de Rosenborg (um castelo onde há diversas exposições) até o Palácio de Amalienborg (residência da Família Real), pronta para assumir seu posto à porta da residência da Rainha. Você pode vê-los marchando na Bredgade, perto da Praça do Rei (Kongens Nytorv).

– Museu do Design (Designmuseum Danmark): é o maior museu dedicado ao design industrial e à arte aplicada da Escandinávia. É um local próprio para estudar a história e o estilo de vida do país, onde o design tem um papel de destaque, inclusive no planejamento das cidades. O museu foi fundado em 1890 e, em 1962, foi realocado em um dos prédios mais bonitos da cidade, onde antes funcionava o Hospital do Rei Frederik. No início dos anos 20, o edifício foi reformado e remodelado para atender às finalidades do museu pelos arquitetos Ivar Bentsen e Kaare Klint.

— Jardins de Tivoli: é o segundo parque de diversões mais antigo do mundo, inaugurado em 1843. É reconhecido internacionalmente por ter sido a fonte de inspiração de Walt Disney e é local mais visitado da Dinamarca: recebe cerca de quatro milhões de turistas por ano. É localizado bem no centro da cidade, em frente à estação central. Lá está o carrossel mais alto do mundo, que chega a 80 metros de altura. O parque também tem uma enorme área verde (daí o nome “Jardins”), de 21 hectares, onde é possível fazer piqueniques e programas a céu aberto.

Jardinsdetivoli

Um passeio por Ostergade, uma das ruas mais famosas de Copenhague, também é uma ótima opção de passeio. Por lá ficam os principais pontos de comércio da cidade.

Restaurantes:

— Geist: próximo do canal de Nyhavn, o restaurante estilo Joel Robuchon serve receitas exóticas e diferentes (culinária dinamarquesa). Os pratos não são muito grandes, o que permite experimentar diferentes opções do cardápio. É interessante reservar antes de ir. Procure sentar nos balcões situados ao redor da cozinha: é a melhor opção para curtir toda a preparação dos pratos e entender mais sobre a gastronomia do local. Restaurante badalado, jovem e moderno.

geist

— Noma: no térreo de um armazém do século XVII em um cais do porto da cidade, o restaurante foi eleito o melhor restaurante do mundo por quatro vezes (2010, 2011, 2012 e 2014). Na lista mais recente da revista britânica “Restaurant“, ocupou a terceira posição no mesmo ranking. A decoração é rústica e elegante, com predominância de madeira, peles e couro, com velas sempre acesas (inclusive durante o almoço). No salão não há trilha sonora, mas no bar é possível curtir um jazz em volume suave. O restaurante do chef René Redzepi é reconhecido pelos pratos que exploram os ingredientes nórdicos e valorizam os produtos locais, como queijos e manteigas artesanais, ervas selvagens e tubérculos. É uma ótima opção para quem quer experimentar pratos exóticos: o menu oferece receitas com gafanhotos e formigas.

Noma

— Geranium: restaurante requintado, com duas estrelas no Guia Michelin de Cidades Nórdicas de 2015. Funciona com dois menus fixos de degustação: um de 23 pratos e outro um pouco menor, servidos em uma média de quatro horas. O tempo é fundamental, porque dá para provar todos os pratos sem ficar esgotado. Inclusive, os clientes são convidados a provar algumas receitas na cozinha. A culinária envolve produtos orgânicos e locais, com sabores exóticos e bela apresentação. É a cozinha contemporânea e inovadora aliada à arte.

Geranium2

Hotéis:

– Guldsmeden: é um hotel que preza pelo tema “orgânico”: desde a comida até aspectos da decoração e embalagens de produtos de banho, por exemplo. Localizado bem próximo da principal estação de trem e dos principais pontos turísticos da cidade. Ótima opção para quem procura quartos menores e confortáveis. A Brasserie Babette, parte do hotel, é uma excelente pedida para um brunch – tudo, é claro, com alimentos orgânicos. Servem pratos desde o café da manhã até o jantar.

– Hotel D’Anglettere: um dos melhores hotéis de luxo da região, localizado próximo dos principais pontos turísticos e com vista privilegiada para Kongens Nytorv. Atendimento impecável por parte da equipe. Tudo lá é chique, até a mesa do café da manhã: além de sucos, frutas, croissants, sanduíches e tudo o que é tradicional em um café de hotel, oferecem também produtos mais saudáveis, sem glúten, lactose e sucos detox.

Leia mais
Comente

Hot no Donna