Uísque: sinônimo de maturidade e elegância, a bebida cai nas graças do público jovem

Em uma luxuosa suíte do Waldorf Astoria, em Nova York, o diálogo entre o velho coronel e seu jovem cuidador ocorre assim:

— Quando eu desligar o telefone, chame Hyman e diga-lhe que eu quero John Daniels sempre à mão.

— O senhor não quer dizer Jack Daniels?

— Ele pode ser Jack para você, filho, mas quando você o conhecer há tanto tempo quanto eu…

A cena é apenas mais uma das tantas interpretadas com rara afinidade pela dupla Al Pacino e Chris O’Donnell no filme Perfume de Mulher, de 1992. O espirituoso coronel, que planeja seu último final de semana de vida com toda a mordomia, não dispensa a companhia de seu amigo John, que o acompanha em muitas outras cenas ao longo da história. Depois de uma vida de cumplicidade, Frank Slade dá-se ao luxo de chamar o uísque mais emblemático dos Estados Unidos, o Jack Daniels, apenas pelo informal apelido.

:: Leia mais:
:: Pizza rocker! Rodrigo Pilla ensina receita com queijo brie e cebola caramelizada
:: Senso de humor é a qualidade mais valorizada em uma relação
:: Rodrigo Hilbert repete em livro a fórmula televisiva de Tempero de Família, do GNT

Como demonstra o talento de Al Pacino, a sintonia entre os dois – o homem e a bebida – é perfeita. Um sujeito inteligente, perspicaz, de bom gosto e já maduro era o bebedor de uísque por excelência. Se o roteiro fosse escrito hoje, no entanto, talvez o personagem de Chris O’Donnell sentasse com o coronel para desfrutar, também ele, de uma dose de John. Afinal, cada vez mais jovens se interessam pelos destilados, em especial os uísques. Prova são as cartas de bebidas de bares em todo o país que, aos poucos, incorporam rótulos americanos e europeus.

Um dos que mais se destaca no cenário nacional é o Número, no bairro paulistano dos Jardins, que dedica-se a pesquisar novas opções fabricadas em diferentes partes do mundo. Uma das novidades por lá são os rótulos japoneses – sim, existe uísque japonês! -, cuja dose pode custar até R$ 90. Afora as invencionices da moda, os tradicionais continuam, como sempre, ocupando lugar de destaque, mesmo nas cartas mais arrojadas. As confrarias de apreciadores também crescem e, com elas, a informação sobre novas e velhas bebidas se dissemina.

Garrafa servindo whisky

De onde vem o interesse das novas gerações pela bebida clássica dos mais velhos? Difícil precisar, mas o fato é que a abertura do mercado nacional para os importados levada a cabo há mais de duas décadas revelou aos brasileiros um mundo de possibilidades. E os jovens, que têm à disposição todo este universo de produtos, aventuram-se nele sem receios.

Inventado na Irlanda, provavelmente, no século 12, o uísque é o resultado da maceração, fermentação e destilação de grãos de cereais – pode ser cevada, trigo, milho ou centeio. Para a fabricação do malte, ingrediente indispensável à elaboração do produto, os grãos de cevada são mergulhados em água para que germinem e se transformem em um xarope escuro. Depois de pronto, o uísque envelhece em barris de madeira, assim como o vinho, para ganhar complexidade, aroma e sabor.

Copo de whisky com gelo

O que costumamos chamar genericamente de uísque pode ser outra coisa. Uísque (whiskey ou irish whiskey) é produzido na Irlanda, com malte aquecido nos alambiques com carvão e tripla destilação. O resultado é uma bebida leve e de sabor puro, que envelhece por, no mínimo, cinco anos. Os grandes uísques irlandeses são feitos exclusivamente de cevada. Já o scotch é a bebida feita na Escócia. Em sua maioria, são feitos com blends, ou seja, com a mistura de vários uísques, fabricados em destilarias diferentes. Normalmente, o corte ideal é 60% de destilado de cereais diversos e 40% de cevada. Inventado nos Estados Unidos, o bourbon é o uísque americano, feito com, no mínimo, 51% de destilado de milho e o restante de cevada e centeio. Tem esse nome porque o primeiro destilado bebível extraído do milho foi obtido na cidade de Bourbon, no estado de Kentucky.

O velho e íntimo amigo do coronel Frank Slade é um dos mais famosos e emblemáticos do mundo, produzido pela Jack Daniel Distillery, fundada em 1876, no estado americano de Tennessee. Por seu processo único de destilação, conquistou o direito de ser chamado de Tennessee Whiskey – o nome whiskey é uma denominação de origem, reservado apenas às bebidas feitas na Irlanda. Na fórmula do Jack Daniels há milho, centeio, malte de cevada e água isenta de ferro.

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna