Além da Serra: 4 destinos alternativos para conhecer no Rio Grande do Sul

Lagoa da Harmonia (Foto: Marcos Hoffmann)
Lagoa da Harmonia (Foto: Marcos Hoffmann)

Por Stefanie Cirne, especial

Se para você fazer turismo no Estado se resume a subir a serra, uma boa notícia: há muito mais a conhecer no Rio Grande do Sul. Você pode se surpreender com belas paisagens, programas divertidos e boa gastronomia muito além de destinos consagrados Brasil afora como Gramado, Canela e Vale dos Vinhedos.

Pedimos dicas de passeios de fim de semana para dois viajantes com muitos quilômetros rodados no RS: a comunicadora Sara Bodowsky, do blog Roteiro da Sara, e o jornalista Marcos Hoffmann, do blog Viajando de Carro. Confira e se inspire!

Veja mais em Viagem
:: Curtindo o Rio de Janeiro: “cariúchas” dão dicas para aproveitar o melhor da cidade
:: Roteiros turísticos pelo Rio Grande do Sul para quem ama vinhos

SARA BODOWSKY RECOMENDA

Charqueada Santa Rita (Foto: Agência RBS)

Charqueada Santa Rita (Foto: Agência RBS)

Pelotas
“A história colonial do nosso Rio Grande ganha força na metade sul, que esconde verdadeiros tesouros esperando para serem descobertos. A região de Pelotas é um deles – e vale para um final de semana ou feriado prolongado. Sugiro desbravar a cidade e sua gastronomia, hospedando-se em uma das charmosas fazendas transformadas em pousadas na Rota das Charqueadas. Para comer, tem que ir no Mercado Público ao meio-dia: escolha um dos restaurantes – de assados, de parrilla, de peixes – e termine provando os doces tradicionais de Pelotas em uma das docerias que ficam por lá. A história da cidade também passa pelo Café Aquários, que faz parte das músicas do Kleiton e Kledir. O sanduíche americano deles é maravilhoso.”

DICA
O Mercado Público e o Café Aquários ficam no centro de Pelotas, que mantém a arquitetura portuguesa preservada. Com visitas guiadas e passeios de barco e a cavalo, a Charqueada São João serviu de locação para a minissérie A Casa das Sete Mulheres. Já a Charqueada Santa Rita conta também com serviço de hospedagem.

DISTÂNCIA: a 260 quilômetros de Porto Alegre

Guatambu Estância do Vinho (Foto: Paulo Naressi/Divulgação)

Guatambu Estância do Vinho (Foto: Paulo Naressi/Divulgação)

Dom Pedrito
“A Campanha Gaúcha é uma região em as vinícolas estão se desenvolvendo muito, com crescimento do turismo enocultural, a exemplo do que se viu em Bento Gonçalves. A Guatambu Estância do Vinho, em Dom Pedrito, é preparada para o enoturismo e organiza um almoção, que tem que ser reservado com antecedência. Eles têm uma cabanha, têm mel, praticamente tudo vem da fazenda Guatambu. No fim do almoço, ainda dá para ficar no lado de fora, em volta do fogo de chão, tomando um espumante e curtindo a tarde. Ainda na Campanha, outras duas opções são as vinícolas Batalhas Vinhos e Vinhas, em Candiota, e Peruzzo, em Bagé.”

DISTÂNCIA: a 441 quilômetros de Porto Alegre

DICA
Se você é fã de degustações e da boa gastronomia, fique atenta: o próximo almoço harmonizado na Guatambu Estância do Vinho será no dia 27 de agosto e custa R$ 180 com o tour pela vinícola incluso.

 

MARCOS HOFFMANN RECOMENDA

Lagoa da Harmonia (Foto: Marcos Hoffmann/Divulgação)

Lagoa da Harmonia (Foto: Arquivo pessoal)

Teutônia
“O município tem a Lagoa da Harmonia, um lugar especial do RS que é bem pouco explorado turisticamente. A lagoa não é um local para banhos, mas para um passeio de fim de semana. Além de caminhar pelas trilhas – uma delas leva a uma cachoeira e é bem fácil de percorrer –, é possível fazer passeios a cavalo. Quem gosta de fazer churrasco, pode passar um dia inteiro na Lagoa reunido com a família e os amigos. É possível ainda optar por passar o fim de semana todo por lá: as cabanas são grandes e espaçosas, com lugar para uma família inteira. Como há animais espalhados pela área, especialmente cavalos e ovelhas, é um passeio indicado para famílias com crianças, que certamente vão se divertir bastante. Um lugar perfeito para descansar.”

DICA
Nos chalés da Pousada Lagoa da Harmonia, as diárias por casal incluem café da manhã e preveem taxas por acompanhante, variando entre R$ 150 (durante a semana) e R$ 320 (de sexta a domingo). Se você gosta de aventura, junte os amigos e vá no verão, quando o grupo K2 Aventuras do Vale organiza pacotes com rapel e trekking no local.

DISTÂNCIA: a 109 quilômetros de Porto Alegre

Convento São Boaventura (Foto: Luise Tombini/Divulgação)

Convento São Boaventura (Foto: Luise Tombini/Divulgação)

Imigrante
“Visitar a cidade de Imigrante (vizinha de Teutônia, no Vale do Taquari) é um passeio diferente. A cidade tem um dos maiores cactários da América do Sul. São mais de 700 espécies da planta. No Convento São Boaventura, o passeio é indicado mais para pessoas que buscam a paz interior. Nos fins de semana, os religiosos recebem grupos, mas, em dias de semana, o mosteiro fica mais vazio. Não há luxo nas instalações – mas aí é que está o legal, porque é uma hospedagem diferente, sem TV no quarto, por exemplo. Os religiosos deixam o visitante bem à vontade para curtir o convento de acordo com o que procura.”

DICA
O Cactário Horst, recomendado por Hoffmann, fica no centro de Imigrante e é aberto a visitações. No Convento São Boaventura, a hospedagem com café da manhã custa R$ 55 por pessoa. Para grupos a partir de 15 integrantes – que procuram o local para a realização de eventos e retiros religiosos, por exemplo –, a diária sai por R$ 90 por pessoa com café da manhã e roupa de cama inclusa.

DISTÂNCIA: a 125 quilômetros de Porto Alegre

Leia mais
Comente

Hot no Donna