Viagens de luxo: confira as tendências do mercado de turismo

O verdadeiro luxo é desfrutar de experiências únicas e seletas. A antropóloga do consumo Vanessa Brandini aponta o que é tendência no mercado premium.

Preço alto não determina um produto ou uma experiência de luxo. E, sim, o quanto uma roupa, um acessório, um objeto ou uma viagem podem proporcionar um raro e seleto prazer. Conversamos com a antropóloga do consumo e coordenadora de pesquisa na Escola de Pós-Graduação Roberto Miranda
Educação Corporativa em São Paulo, Valeria Brandini, que aponta qual a definição de luxo hoje e as tendências do mercado premium.

“O que determina o conceito de luxo não é a formulação de preço ou uma determinação do mercado. Existe, sim, o mercado de bens de luxo, uma categoria diferenciada em termos de preço, qualidade,
seletividade e tudo mais. Mas o conceito de luxo não é isso. É anterior, existe desde o início das primeiras civilizações. Luxo é tudo aquilo que é raro, escasso e seletivo. Por exemplo, tem gente que vem ao Brasil e adquire determinados tipos de artesanato indígena, que em alguns Estados da região central são coisas corriqueiras, mas, em outros países, serão um adereço de luxo. Trata-se de um marcador social, que muda conforme definições culturais ou de acesso. Tem gente que acha que luxo é tudo o que tem preto e dourado. Mas o trabalho do Oscar Niemeyer é luxo no mundo inteiro, por ser raro, escasso, seletivo.”

Excelência no serviço

“A grande tendência é o setor de serviços de luxo, que é muito deficitário no Brasil. O que diferencia uma loja Jaguar ou uma loja onde a pessoa vai comprar um Aston Martin? O carro é aquele, a pessoa provavelmente já conhece, o que vai diferenciar é o atendimento, o investimento na ambientação, no serviço de concierge… Atendimento hoje é essencial: conseguir surpreender o consumidor, trazer não o excesso mas a exceção, uma experiência de consumo completamente diferenciada, como exceção à regra.”

O excesso é cafona

“Um comportamento de empáfia de usar o luxo como forma de exposição, isso hoje é uma coisa cafona. A diferença entre  exceção e excesso, muitas vezes, é pequena – e a diferença entre luxo e cafona está na forma.”

áfrica do sulUma das viagens mais caras hoje é para a África do Sul: o culto ao excesso dá lugar ao valor da experiência de extrema exclusividade

O valor do exclusivo

“Uma das viagens mais caras que se tem não é para Paris, não é para os grandes hotéis, não é para
Mônaco, mas para a África do Sul (leia mais nas páginas 8 e 9). Justamente porque não é aquele luxo do excesso que a gente está acostumado, mas é uma experiência de extrema exclusividade.”

De olho no público brasileiro

“Não existe um padrão de consumidor de luxo – o Brasil é um país novo na vivencia do luxo. Você tem o luxo de tradição, das famílias quatrocentonas, quinhentonas, em que o padrão de entretenimento, viagem e consumo já é naturalmente alto. E muito se fala que o novo rico brasileiro só ostenta. Mas comecei a perceber que tem pessoas que conquistaram poder aquisitivo alto e que não estão nessa de ostentar, entendendo que luxo hoje é, por exemplo, poder mandar seu filho estudar em uma grande universidade no Exterior…”

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna