Como planejar as finanças para a chegada do primeiro filho

Foto: Pexels
Foto: Pexels

Por Daniela Raffo – Consultora financeira especializada em mulheres

A chegada do primeiro filho é, com certeza, um momento muito especial. Pensando nas mamães e nos papais de primeira viagem, confira dicas de como se planejar financeiramente para curtir esta fase com muita alegria e tranquilidade:

Leia também:
:: 5 dicas para conquistar a liberdade financeira e ter dinheiro para curtir a vida
:: Livro ensina como ser uma boa negociadora no trabalho e nas relações pessoais

Avalie a situação financeira do casal

Primeiramente, pergunte-se: “estamos preparados financeiramente para a chegada do nosso primeiro filho?”.

No primeiro ano de vida do bebê, os pais terão entre 20% e 30% do seu orçamento mensal destinado às necessidades da criança. Portanto, devem analisar se conseguem dispor deste percentual da sua renda para manter o filho. Nesta nova fase, a segurança financeira passa a ter um papel muito importante.

Fazer os ajustes necessários no orçamento, de modo a incluir uma série de investimentos para garantir o bem-estar da criança, é fundamental para manter o equilíbrio das finanças. Se o casal estiver gastando mais do que ganha, será preciso reduzir gastos: avaliar as despesas essenciais, os gastos supérfluos e aqueles que podem ser eliminados do orçamento. Talvez, o casal também possa considerar maneiras de conseguir uma renda extra.

Elabore um orçamento financeiro

Tudo fica mais fácil quando você coloca no papel todo o investimento que precisará fazer. O ideal é que o custo de um filho não ultrapasse 30% da renda média líquida do casal. As necessidades básicas do bebê devem ser previstas durante a gestação ou, em caso de adoção, de acordo com a faixa etária da criança.

O planejamento financeiro do casal deverá incluir uma poupança prévia para comprar os produtos essenciais e mobiliar o quarto da criança. As despesas com o primeiro filho são muitas e variadas: vestuário, fraldas, produtos de higiene, alimentos especiais, berço, armário, carrinho de passeio, cadeirinha para carro, cadeirão, serviços de babá, creche, vacinas, remédios, itens de segurança na casa (tela para janelas, protetores de tomada, etc). Preocupe-se com aqueles que são indispensáveis e que caibam no seu orçamento.

Na hora de definir a quantidade de roupinhas a serem compradas, peça dicas para quem já tem filhos. Lembre-se que as crianças crescem muito rápido, então comprar sem planejamento acaba sendo um desperdício.

Seja realista em relação à sua situação financeira e controle seus impulsos. Não deixe que a emoção e a falta de planejamento levem você ao endividamento devido à compra de itens supérfluos.

Pesquise preços

A pesquisa de preços ajudará vocês a economizarem e não estourarem o orçamento. Fique atenta às redes sociais, onde é possível encontrar ofertas de itens seminovos como cadeirinha, carrinho e berço, em boas condições e com preços mais acessíveis.

Foto: Pixabay

Foto: Pixabay

Conte com a ajuda da família e amigos

Peça ajuda à família e aos amigos para organizar um chá de fraldas ou chá de bebê. Assim, você pode economizar com fraldas ou com o enxoval. Deixe para comprar os itens que faltam após o chá, para saber o que realmente é preciso. Lembre-se que é bem provável que a criança ainda ganhe presentes nas visitas de parentes e amigos.

Busque informações sobre o seu plano de saúde

Outra consideração muito importante é em relação ao plano de saúde para cobrir acompanhamento da gravidez, exames pré-natal, o parto, consultas, procedimentos médicos e hospitalares da mãe e da criança. Se o casal não tiver um plano de saúde e quiser contratar um, é preciso tomar esta decisão com antecedência, em virtude das carências desses serviços.

Considere a pausa nas atividades profissionais

É importante planejar o tempo em que a mãe precisará se ausentar do trabalho. Para uma profissional autônoma, o orçamento terá que ser ajustado até o retorno dela às suas atividades profissionais. Planejem-se com antecedência para ter uma reserva financeira para este período.

Se você contribui mensalmente para a Previdência Social, poderá receber o salário-maternidade, que será equivalente ao salário-referência da sua contribuição. Para as mamães que trabalham com carteira assinada, o salário-maternidade é igual ao valor do salário mensal.

Foto: Pixabay

Crie uma reserva financeira

É importante ter uma reserva financeira para emergências. O ideal é que esta reserva seja equivalente a pelo menos três meses do valor das despesas mensais com o seu filho.

Prepare-se para os próximos anos

Conforme as crianças vão crescendo, novos tipos de despesas surgem, como, por exemplo: escola, uniforme, material escolar, transporte escolar, festas de aniversário em casas de festas, presentes para amiguinhos que estão de aniversário, atividades esportivas, cursos de línguas estrangeiras, cursos de artes, itens de segurança (telas de proteção para janela, protetores de tomada), entre outras. Estes gastos podem ser compensados com uma reserva financeira. Caso as despesas imprevistas não caibam no seu orçamento, defina os gastos essenciais e os gastos opcionais.

Garanta a educação do seu filho

Pensando no futuro do seu filho, comece a poupar e investir um valor mensal logo após o seu nascimento. No futuro, ele terá um montante garantido para utilizar nos estudos.

Leia mais sobre Finanças e Filhos:
:: Kate Hudson conta como concilia trabalho e filhos: “Faço o melhor que posso”
:: Finanças no feminino: mitos e verdades sobre como as mulheres lidam com dinheiro
:: O que toda mulher precisa saber para crescer no mercado de trabalho ou empreender

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna