7 motivos por que Carmen Mayrink da Veiga foi um ícone de elegância no Brasil

Foto: Arquivo Pessoal
Foto: Arquivo Pessoal

Uma mulher que fez seu nome como ícone da elegância brasileira, frequentou desfiles da alta-costura francesa e pousou para o grande pintor Cândido Portinari. Carmen Mayrink da Veiga morreu ontem, no domingo, 3, em sua casa, no Rio de Janeiro, devido a complicações da paraparesia espástica tropical, uma doença que limitava seus movimentos.

Durante toda a vida, a socialite de nascida em Pirajuí, São Paulo, fez história no mundo da moda e Donna listou motivos que levaram Carmen a ser conhecida como um símbolo da elegância.

1. Teve um casamento de princesa

Foto: Arquivo Pessoal

Foto: Arquivo Pessoal

O casamento de Carmen com empresário Antônio (Tony) Alfredo Mayrink Veiga, em 1956, chamou atenção para a jovem de 27 anos: ela usou um vestido em cetim, levando nas mãos um terço no lugar do buquê. Frequentadora dos desfiles da alta-costura francesa, esteve na lista de pessoas mais chiques da América do Sul pela Vogue americana.

2. Foi homenageada em clipe da banda R.E.M 

Foi tanta a fama de Carmen, que foi homenageada em um clipe da banda R.E.M. Em 2001, ela figurou ao lado de Madonna e Demi Moore o clipe da música Imitation of life. A brasileira ganhou destaque e foi uma das caricaturas no clipe em função do episódio que viveu em Los Angeles, em que demorou 20 minutos para descer de uma limusine para a festa que Madonna e Demi Moore realizaram após o Oscar. A demora foi em função do tamanho do vestido que usava.

3. Posou para Cândido Portinari

Obra: Cândido Portinari

Obra: Cândido Portinari

Poucas mulheres tiveram o privilégio de terem posado para o pintor brasileiro Cândido Portinari. O retrato marcou a vida de Carmen e em momentos de dificuldades financeiras da família, ele foi para leilões, mas nunca foi arrematado. O vestido e batom vermelho lembram muito o estilo da socialite.

4. Abraçou diferentes causas

Foto: Arquivo Pessoal

Foto: Arquivo Pessoal

Os gatos e a causa pelos direitos dos cadeirantes faziam de Carmen uma mulher também engajada em causas sociais, além de ser um ícone em elegância. Ela sempre incentivou a castração e adoção de vira-latas, assim criou a raça “gato brasileiro tigrado pêlo curto” para os gatos que antes não possuíam uma raça definida. A causa que mais apoiou nos últimos anos foi pelos direitos dos cadeirantes, devido a doença que a tornou cadeirante.

5. Teve reconhecimento na moda

Foto: Arquivo pessoal

Foto: Arquivo pessoal

Carmen não só esteve nas listas das mulheres mais elegantes do Brasil como entrou na lista das pessoas mais bem vestidas do mundo, da revista Vanity Fair. Ela também é a única brasileira citada na biografia oficial de Yves Saint Laurent.

6. Teve uma exposição com seus looks

Untitled design

Os vestidos usados por Carmen já foram tema de uma exposição em 2003, na Casa de Arte e Cultura Julieta de Serpa, no Rio de Janeiro. Foram expostos 67 de seus mais de 400 vestidos de alta-costura, foi considerada uma coleção rara pelos especialistas em arte e alta moda na época.

7. Escreveu um livro sobre seu estilo

Reunindo tudo que aprendeu na vida sobre moda e etiqueta, em 1997, ela lançou o livro ABC de Carmen, ensinando sobre seus aprendizados e seu estilo pessoal.

Leia mais:
:: Alta Costura: o que as passarelas deixam de referência para a gente?

:: Dior produz vídeo para mostrar a arte da alta costura

 

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna