Cinco peças herdadas do estilo rocker para incrementar os looks do dia a dia

No Dia Mundial do Rock, comemorado em 13 de julho, a moda também se curva à essa revolução sonora, afinal, sem o rock, nem mesmo o visual nosso de cada dia seria o mesmo. Sim. O rock incrementou, transgrediu, inovou, enlouqueceu a moda padrão com suas deliciosas ousadias, com suas misturas improváveis, com suas peças icônicas, com seus materiais, suas cores, seu suingue, sua libido. O rock nos fez mais sensuais, mais alegres, mais abusadas. O rock, não importa o estilo, a corrente, a vertente, está sempre juntinho à moda contemporânea do dia a dia, como a gente comprova aqui com cincos peças roqueiras que fazem bonito no cotidiano feminino. Vem ver! E se inspire!

A camiseta de banda

A partir dos anos 1950, a camiseta foi perdendo o status de underwear para ganhar as ruas. Com a ascensão de Elvis Presley, começaram a pensar a peça como instrumento de publicidade. Desde então, ela vem unindo tribos do rock de todas as vertentes e se mantém até hoje como símbolo do cool, do que há de mais atual quando se fala em estilo. Não há recurso mais fácil para tirar a caretice de composições formais do que incluir uma camiseta de banda. O terno, que remete instantaneamente ao social, ganha ares descolados quando somado à camiseta e ao tênis. Invista!

Camiseta Hottopic, terno Gucci, bolsa Loeffler Randall e tênis Nike | Fotos: netaporter.com e hottopic.com, reprodução

Camiseta Hottopic, terno Gucci, bolsa Loeffler Randall e tênis Nike | Fotos: netaporter.com e hottopic.com, reprodução

A jaqueta de couro

Tem peças que são permanentes no closet de quem é ligado em moda. A jaqueta biker, também chamada perfecto, é assim. Surgida lá pelos começo do século 20, feita exatamente para os motoqueiros encararem as estradas, foi nos anos 1950, com a eclosão do rock, que virou um item essencial na indumentária dessa tribo, principalmente da vertente rockabilly – os responsáveis por popularizar seu uso. Nesse mais de meio século, a biker já acompanhou do glam ao punk e se tornou um primordial do cotidiano. Combine com tudo, principalmente com peças bem femininas ou de shape clássico, para criar um contraponto que a gente adora na moda.

Jaqueta Sandy Liang, camisa Fendi, pantalona Tibi, bolsa Chloé e bota Gianvito Rossi | Fotos: netaporter.com, reprodução

Jaqueta Sandy Liang, camisa Fendi, pantalona Tibi, bolsa Chloé e bota Gianvito Rossi | Fotos: netaporter.com, reprodução

O coturno

Sua origem vem dos campos de batalhas, com fundamento de qualquer uniforme militar que se preze, mas foi mesmo o rock, mais precisamente os três acordes do punk, que transformaram esse calçado pesado em um desejo dos jovens além de qualquer fronteira. Hoje o coturno rompe enquadramentos de gênero, estilo e faixa etária, sendo um acessório fundamental da moda contemporânea. O mais interessante é compor o coturno com peças de DNA sofisticado. Bingo! Ele fica lindo rompendo a sisudez de peças mais clássicas. A gente adora com saias volumosas, como neste look que sugerimos para inspirar você. Avante!

Coturno Phillip Lim, blusa Saint Laurent, saia Tome, jaqueta M.I.H. Jeans e bolsa Marni | Fotos: netaporter.com, reprodução

Coturno Phillip Lim, blusa Saint Laurent, saia Tome, jaqueta M.I.H. Jeans e bolsa Marni | Fotos: netaporter.com, reprodução

O animal print

A camisa de animal print remete à época estelar de David Bowie – muita maquiagem, androginia, brilho e extravagância. Totalmente glam rock, movimento surgido na Inglaterra setentista que influenciou bandas em todos os cantos do planeta – inclusive por aqui, com os mais maravilhosos Secos & Molhados. Já que a moda contemporânea adora revisitar décadas passadas e fazer um mix com roupas atuais, fica ótimo romper com o ar classudo da camisa de oncinha junto a peças mais despojadas. Portanto, vá de jeans bem rasgado e blazer, garota. 

Camisa RedValentino, calça Zara, blazer Joseph, bolsa Chloé e sapato Stuart Weitzman | Fotos: netaporter.com e zara.com, reprodução

Camisa RedValentino, calça Zara, blazer Joseph, bolsa Chloé e sapato Stuart Weitzman | Fotos: netaporter.com e zara.com, reprodução

O xadrez

Os grunges e seu jeito desleixado e podrinho fizeram uma das maiores revoluções visuais dos tempos recentes. Sim. Foi com esses garotos e garotas de Seattle lá no comecinho dos anos 1990 que a moda começou a aprender uma das deliciosas mistura do hoje, o contraste entre o sensual, o vintage e o masculino, e a sobreposição incessante dessas camadas de estilos opostos que se tornaram um símbolo de uma nova moda, responsável pelo pontapé inicial da fama de nomes como Marc Jacobs, um dos pioneiros a traduzir o grunge para a passarela. E do grunge, a gente ama muito o xadrez, perfeito para decorar múltiplas peças, da já clássica camisa a leves vestidos ou quentinhas jaquetas como essa, que podem combinar com alfaiataria tradicional e acessórios bem femininos.

Casaco e sapato Étoile Isabel Marant, blusa The Elder Statesman, calça Tom Ford, bolsa Balenciaga | Fotos: netaporter.com, reprodução

Casaco e sapato Étoile Isabel Marant, blusa The Elder Statesman, calça Tom Ford, bolsa Balenciaga | Fotos: netaporter.com, reprodução

Leia mais
:: “Efeito cebola”: como usar sobreposições para incrementar os looks de inverno
:: Jaqueta jeans alongada: como usar esta peça essencial com novos ares
:: Poncho: três formas de ficar elegante com a peça neste inverno

Leia mais
Comente

Hot no Donna