Entrevista! No auge da carreira, a top gaúcha Carol Trentini revela o que há por trás do sucesso nas passarelas

(Fernando Rezende)
(Fernando Rezende)

O telefone toca exatamente no horário marcado para esta entrevista, um sábado de agosto. Do outro lado da linha, apresenta-se um dos profissionais presentes no set com Carol Trentini. As fotos atrasaram um pouco, avisa ele. Carol liga para você dentro de 10 minutos, no máximo. Carol e equipe estão naquele momento em um estúdio em São Paulo participando da sessão de fotos exclusiva para a capa desta edição especial de Donna September Issue. Aclamada como um dos maiores ícones da indústria da moda, poderia comportar-se como diva de um universo cujo senso comum pauta-se pelo deslumbramento e não se importar com 10 minutos a mais ou 10 minutos a menos no tempo de vida de alguém que sequer conhece. Mas Carol não é assim e quem trabalha com ela tampouco. A gaúcha de Panambi mantém os pés no chão. Dedica um respeito nato e admirável pelo próximo e faz questão de cultivar diariamente tal característica que diz ter vindo de casa.

:: Juliana Paes: os detalhes da metamorfose que repaginou seu consagrado estilo
:: Dani Witt: quem é a top gaúcha que é a sensação do momento

– É educação, berço, família sempre presente, sabe? – ela responde quando toco no assunto. – Nunca vou esquecer de onde vim, da vida simples que sempre tive. Nunca ninguém me viu subir no salto. Não sou e jamais serei mal-educada com as pessoas e me sinto muito orgulhosa disso porque, hoje em dia, é uma das virtudes mais difíceis de se encontrar no ser humano. Dou valor todos os dias para o meu trabalho, para a minha saúde, para a saúde da minha mãe e das minhas irmãs.

Vestido Helen Rödel / Brincos e bracelete Eduarda Brunelli

Vestido Helen
Rödel / Brincos e
bracelete Eduarda
Brunelli

Carol perdeu o pai ainda criança. A mãe fez papel dos dois. Cedo, viu a filha sair de casa. Ela tinha 15 anos e media 1m77cm quando foi descoberta como new face e passou a cruzar oceanos, viajando pelos cinco continentes. Hoje, aos 28, mede 1m85cm. É uma das top models mais altas do universo fashion. Difícil encontrar modelo com porte e altura semelhante para editoriais que exigem fotos em dupla – a que mais se aproxima de Carol, com mesma altura, é a americana Karlie Kloss. Não por acaso, lança mão de truques variados, como aquelas curvaturas clássicas com o tronco. Costuma ser a preferida dos estilistas para desfilar longos vestidos. Eles caem bem em sua postura longilínea. Também é reconhecida internacionalmente como a top que mais pula nos editoriais de moda.

– As pessoas acham que eu adoro pular nas fotos – ela diverte-se. – Mas não parte de mim. Sou muito requisitada pelos clientes e publicações para fazer esses pulos, principalmente para a Vogue America. Geralmente, faço um editorial de 14 páginas pulando sem parar.

Não é tarefa fácil. Exige técnica, e ela tem a sua receita infalível que é muito sondada por modelos que desejam aprender com a expert.

– Costumo congelar o rosto antes do pulo e calcular exatamente onde está a luz – ensina. – Pensa que ser modelo é fácil? Tem que fazer cálculo, saber matemática, viu? – diverte-se. – Mas não posso reclamar. Não estou sofrendo, estou pagando minhas contas, minha família está feliz, minha casa está saudável.

Sente-se no auge da profissão.

– Estou na fase mais realizada da minha vida como mãe e esposa – diz.

Vestido de couro St. Trois / Sandália acervo stylist / Brincos e bracelete Eduarda Brunelli

Vestido de couro St. Trois /
Sandália acervo stylist / Brincos
e bracelete Eduarda Brunelli

Casou-se há dois anos e meio com o fotógrafo brasileiro Fabio Bartelt. Os dois são pais de Bento, 2. A vida é itinerante e o destino de cada nova parada depende da cidade que requisita o trabalho da modelo. Majoritariamente, divide-se entre São Paulo e Nova York.

:: Top plus size desfila com peças da própria coleção de lingerie na Semana de Moda de Nova York
:: Entrevista! Atriz gaúcha Tainá Müller revela como mantém a beleza e a felicidade

– Meu marido e eu escolhemos uma base por alguns meses e faço viagens curtas de dois dias a trabalho. Me nego a ficar mais de três dias longe do Bento. Nem que eu tenha que voltar, ficar com ele um pouco e retornar para onde estava a fim de continuar meu trabalho – conta.

Uma carga pesada? Jamais.

– Sabia que seria assim quando decidi engravidar, mas estava preparada para isso. Então, vou e volto feliz. Cansada, mas feliz.

Fabio e Carol não contam com ajuda de babá, de acompanhante, de ninguém. Apenas com a companhia de um padrinho precioso, Anderson Baumgartner, irmão de Fabio e dindo do Bento. Em Nova York, cabe a ela cuidar da casa e da família. Entenda-se cozinhar, lavar, passar e (por que não?) lavar o chão.

– É bom de vez em quando – ela ri. – Minha carreira é meu segundo plano hoje. Meu primeiro plano é a minha família.

Túnica assimétrica Victor Kayser / Colar Eduarda Brunelli

Túnica assimétrica Victor Kayser / Colar Eduarda Brunelli

Esta mesma família é íntima de outra família estelar, a de Anna Wintour, a editora de moda mais famosa do mundo, responsável pela Vogue America. A preferência de Anna por Carol extrapola o âmbito profissional. A gaúcha frequenta a casa de Anna e tem cadeira cativa nas páginas da revista. Até as imagens do casamento da gaúcha foram estampadas na publicação. Anna Wintour justifica a presença constante de Carol na Vogue:

– É uma modelo com muita identificação junto às leitoras e aos clientes. Fizemos uma pesquisa de mercado e Caroline foi apontada como a top em que todos se reconhecem – disse, recentemente, durante uma entrevista a uma emissora de tevê americana.

Carol retribui a preferência:

– Ela é uma profissional muito séria, uma mulher educada, prática e objetiva, e eu me identifico com essas características porque também sou assim. Tanto que as pessoas, às vezes, têm uma imagem muito séria de mim. Sim, eu sou séria na hora de trabalhar. Bagunça e diversão eu faço na minha casa.

:: Consultor fashion de “Verdades Secretas”, Dudu Bertholini reinventa a própria carreira como diretor criativo de grupo têxtil catarinense
:: “Ser mulher é o estágio máximo da evolução humana”, dispara Tatá Werneck em uma divertida entrevista por WhatsApp

Simplesmente Carol

Trata-se de uma estudiosa de seu trabalho. Jamais chega ao estúdio e posa simplesmente diante das câmeras. Ela mergulha na história do editorial, busca compreender a linguagem do fotógrafo, a mensagem de determinada roupa, a luz escolhida. Não entrega sempre as mesmas caras e bocas. Para cada trabalho, veste um personagem. Longe dos holofotes, é simplesmente Carol. Tem preferido usar roupas mais largas depois da gravidez e anda com predileção pelas camisas. Adora comer e não se furta a devorar um pastel de feira ou a maionese de batata que só a mãe sabe fazer. Acredita que tudo na vida é equilíbrio. É magérrima, mas não esforça-se para tal. Faz parte do seu biótipo e ela gosta do que vê no espelho. Costuma enfrentar críticas ao corpo quando posta uma foto na academia ou de biquíni. As pessoas a consideram magra demais. Ela não liga.

– Me julgam mesmo – concorda.

– Mas sou saudável. Sou magra porque me alimento bem e malho. As pessoas tem que entender que eu gosto de ser magra, eu gosto de ser como eu sou. O meu cliente gosta, o meu marido também gosta. Sou totalmente contra você tentar adaptar o seu corpo para um determinado padrão de beleza. Você não pode se torturar, se mutilar. Você tem que se aceitar e gostar de quem você é. Eu gosto de mim.

Túnica assimétrica Victor Kayser / Colar Eduarda Brunelli

Túnica assimétrica Victor Kayser / Colar Eduarda Brunelli

Recentemente, apareceu sem roupa no livro “Privado”, de Jairo Goldflus, e foi fotografada apenas sobre um par de saltos altíssimos para a campanha de inverno 2015/2016 do estilista Prabal Gurung. É dela também o rosto do inverno de outras três grandes marcas lá fora: Versace, Dsquared2 e GAP. No Brasil, é a garota-propaganda do verão 2016 da Ellus, ao lado do ator Cauã Reymond. Sardenta, não vive sem protetor solar. Prefere cuidar da pele a investir em quilos de maquiagem. Possui alguns truques caseiros de beleza, como a esfoliação natural com mel e açúcar cristal, e recomenda cápsulas de óleo de peixe para melhorar os cabelos tão quebradiços com a quantidade de produtos exigidos pela profissão.

– O cheiro é ruim, mas funciona bastante, viu? – sorri.

Carol gosta de pensar e viver no tempo presente. Enxerga o futuro logo ali, mas não preocupa-se com ele. Não sabe quando será sua despedida das passarelas e não parece muito preocupada em planejar a aposentadoria. Acredita que uma hora terá o “clic”. Enquanto essa hora não chega, diminui um pouco o ritmo da participação nos desfiles e prioriza os ensaios fotográficos para poder ficar sempre próxima da família, que, um dia, quer aumentar. Também não sabe quando. O tal “clic” dirá.

Ficha técnica

Conceito e direção de Arte: Duddu Vanoni
Fotos: Fernando Rezende
Styling: Roberta Weber
Modelo: Carol Trentini (Way)
Beauty: Daniel Hernandez
Assistente de beauty: Caio Carvalho
Tratamento de imagens: Márcio Moraes
Fashion Film: Eletromagneti.co
Direção: Christian Petersen e Alessandro Ávila
Agradecimentos: Marcelo Bragagnolo (LOV Mgmt) e Wilson Santos.

Leia mais
Comente

Hot no Donna