Entrevista! Queridinho das popstars, estilista Jeremy Scott fala sobre relação com Madonna, Katy Perry e Anitta

Enquanto muitos estilistas torcem o nariz para tudo o que é popular, Jeremy Scott apropria-se de ícones de consumo para dar vida às suas criações. A boneca Barbie, o desenho Os Simpsons e até a rede de fast food McDonald’s já viraram temas de suas coleções, tanto pela marca que leva seu nome quanto pela Moschino, grife que comanda desde 2013 e que ajudou a reposicionar no cenário fashion. É como se tudo o que ele tocasse virasse desejo, quase que instantaneamente: talvez o maior exemplo sejam os cases de celular em formato de pacote de batata frita, que se tornaram febre e ganharam réplicas baratas mundo afora.

Bem antes de assumir como diretor criativo da grife italiana, aos 20 e poucos anos já vestia estrelas como Madonna, que se transformaria em uma das suas musas. A proximidade entre a dupla é tanta que rendeu até uma participação especial dele em um dos últimos clipes da cantora, Bitch, I’m Madonna (2015).

Com o tempo, Jeremy virou o queridinho do mundo pop, assinando figurinos para turnês e exuberantes vestidos para tapete vermelho para nomes como Katy Perry, Miley Cyrus, Rita Ora – e, mais recentemente, a brasileira Anitta, que usou produções da Moschino no vídeo de Deixa Ele Sofrer (2015).

Olha só:

Mais: ele é o responsável pelo vestido de aeromoça sexy que a cantora Britney Spears usa no videoclipe da música Toxic (2003). A afinidade com o universo das popstars é tanta que, pouco antes de iniciar a entrevista com Donna, Jeremy explicou o motivo de estar mexendo no celular quando a assessora o apresentava à repórter:

– Desculpa, Miley estava me mandando mensagens e tive que responder.

Veja mais
:: Miley Cyrus usa Melissa by Jeremy Scott  em programa de TV nos EUA

Além do currículo recheado de artistas pop, o designer já emprestou seu nome para grifes como a Longchamp e a Adidas – parceria que dura mais de uma década. Agora, a novidade é a coleção que Jeremy lança com a Melissa, marca gaúcha de sapatos de plástico que extrapola as fronteiras do Brasil com lojas próprias em Londres e Nova York. Basta dar uma boa olhada no estilo irreverente de Jeremy para entender que a escolha foi óbvia, e até demorou para acontecer: a pegada divertida e colorida do designer tem tudo a ver com a proposta descolada da Melissa.

– Tento colocar a minha personalidade nas coisas que crio, o que eu penso, o que me inspira, e as pessoas gostam. Ponho meu coração para fora a cada seis meses na passarela – revela.

Veja todos os modelos da coleção:

 

Na última semana, Jeremy Scott desembarcou no Brasil para lançar oficialmente a segunda fase desta parceria, que foi vista pela primeira vez na passarela de verão da Semana de Moda de Nova York, em 2015. Os primeiros escolhidos foram dois modelos, uma ankle boot e um tamanquinho de salto alto, batizado de Inflatable Mule. As novidades desta vez são duas sapatilhas, uma rasteirinha e um sapato infantil, que já estão à venda.

Entrevista! Espia nosso papo com Jeremy

Donna – Como é ver o culto a peças que você criou, como os cases de celular, as camisetas da Moschino e os tênis da Adidas?
Jeremy Scott – Sempre desejei que meu trabalho fosse algo que as pessoas pudessem compartilhar. É um jeito de se comunicar com as outras pessoas. Quando amam os itens que faço e usam, fico muito feliz, porque sinto que me conecto com elas.

Donna – Você já criou figurinos para Madonna, Katy Perry e Miley Cyrus e é superpróximo delas. Como é desenhar roupas para as estrelas?
Jeremy – Cada uma delas é diferente, única. Miley é como a irmãzinha que nunca tive, então sou superprotetor com ela. Katy também é como uma irmã para mim, a minha gêmea. Nós temos muito em comum, gostamos das mesmas coisas.

 

Madonna é um ícone incrível. Ao longo da vida, sempre a amei. É ótimo que, além de poder vesti-la, ela pode ser meu par em uma festa de gala, e ainda usando criações minhas (eles foram juntos ao tradicional Met Ball Gala, em 2015), ou figurinos assinados por mim (como os da última turnê, Rebel Heart Tour). Madonna sempre pensa em uma história que ela quer contar, como se estivesse dirigindo um filme. Ela me diz: “Este é o meu personagem e o que eu quero ser neste show”. Tento pensar em algo que tenha a ver.


Quando Katy vai fazer uma turnê, ela me diz: “Vou cantar estas músicas, essa é a vibe, o que você acha?”. Já Miley me diz: “Faça o que você tiver de fazer, com certeza vou amar!”. Elas são muito diferentes, e as relações são únicas.


Donna – E o vestido de aeromoça de Britney Spears no videoclipe de “Toxic”?

Jeremy – Eu estava no Japão naquela época, e, quando cheguei em Los Angeles, me pediram para fazer aquele vestido para dali a dois dias. Perguntaram se eu conseguiria, e concordei. Me disseram que ela seria uma comissária de voo, mas que eu podia fazer o que quisesse. Então, fiz um estilo bem sci-fi, em tom turquesa. Ela ficou linda, e a roupa ficou pronta em cima da hora para a gravação.

Donna – A cantora brasileira Anitta também usou suas criações em um videoclipe. Gostou do resultado?
Jeremy – Sim, eu achei superdivertido! Você gosta da Anitta?

Donna – Sim!
Jeremy – Ela tem um espírito incrível, me parece ser tão positiva. É tão querida, amigável e divertida. Ela tem todas as características que eu amo, sabe? É sexy, mas ainda assim divertida, sem ser pretensiosa. E tem muita conexão com as pessoas. Adoro ela!


Donna – Na campanha da edição para colecionador Moschino Barbie, um menino apareceu pela primeira vez em um comercial da boneca. Como foi a repercussão? E por que você fez esta aposta?
Jeremy – Foi algo extremamente natural para mim. Quando era pequeno, brincava com Barbies. Então, pensei: quero ter um garotinho, que se pareça comigo, e, além dele, havia outras crianças, duas meninas brincando. Foi algo muito normal, porque de fato é normal: muitos meninos brincam de Barbie. Não tinha ideia de que era algo que nunca havia acontecido antes. Quando isso virou notícia e as pessoas ficaram empolgadas, fiquei muito feliz. Recebi mensagens de mães que diziam: “Meu filho brinca com Barbies e eu estou tão aliviada, porque me sentia mal e agora não mais”. Fico feliz de ter tocado as pessoas de um jeito tão real.


Donna – Na última edição da New York Fashion Week, tivemos modelos plus size e mais velhas. Você acha que a moda está ficando mais democrática e dando espaço para a diversidade?

Jeremy – Acho que está, sim. É ótimo que a moda mostre modelos mais velhas, que mostre diferentes corpos, com silhuetas, alturas e formas para as pessoas se identificarem.

Donna – Você é o responsável por reformular a Moschino. Como avalia esse novo momento da marca?
Jeremy – Amo! Estou amando, aliás. Para mim, é muito divertido. É uma marca que eu amo, amo Franco (o criador da Moschino, morto em 1994), amo o que ele fez. Fico muito emocionado de ter a oportunidade de trazer de volta seu espírito para a marca. É incrível ver as pessoas se conectando e inspirando a nova geração, para que continuem apaixonadas por acessórios como os cases de celular, camisetas e outros itens que são mais acessíveis para os jovens. Mas é óbvio que eu também adoro criar looks para pessoas famosas, como Madonna e Katy Perry.


Donna – E a coleção com a Melissa?
Jeremy – Foi empolgante! Eles me convidaram para colaborar com a marca e, imediatamente, eu tive a ideia sobre como seria. Foi muito divertido fazer essa coleção, como se eu estivesse fazendo um sapato de Barbie! Percebi o quão divertido o plástico era, e isto me fez pensar nos brinquedos de piscina.

jerem

 

* A repórter viajou a convite da Melissa

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna