Moda para todos: estilista gaúcha cria peças para pessoas com deficiência visual, nanismo e cadeirantes

Por Michelle Teixeira, especial

Não é de hoje que a estilista Vitória Cuervo aposta em moda para todos. Tanto que vai lançar sua mais recente coleção na abertura da 20ª Semana da Pessoa com Deficiência de Porto Alegre. Entre os modelos que vão atravessar a passarela do evento no dia 22, intitulado Inclusive Moda, estarão cadeirantes, pessoas com nanismo e deficientes visuais.

– Trabalho com moda inclusiva desde 2009, quando escolhi este tema para meu trabalho de conclusão de curso. Vi o quanto o mercado é carente neste segmento, inclusive, na falta de informação de que este público deveria ter um vestuário adaptado. Comecei a me interessar pelo assunto e incluir peças adaptadas nas minhas criações – conta Vitória.

A coleção Plastic aposta na moda inclusiva, sem gênero, sem padrões e, acima de tudo, adaptável seja qual for a singularidade de quem a veste.

– No caso de cadeirante, as peças devem ser pensadas para pessoas que estão sentadas. Devem ser fáceis de vestir e de despir, ter aberturas estratégicas, evitar costuras nas costas para não formar machucados. E ter um bom caimento, óbvio. Para o deficiente visual, é legal que ele saiba o que está vestindo, seja com aplicação de texturas na peça, ou estampas, etiquetas e tags em braile – explica Vitória.

Foto: Ana Vianna Fotografia, divulgação

Foto: Ana Vianna Fotografia, divulgação

Plastic foca também na sustentabilidade: o nome da coleção faz referência aos resíduos plásticos que se acumulam nas nossas praias e que inspiraram as estampas e devem ser matéria-prima de acessórios.

– A cada ano, mais e mais animais marinhos têm morrido por confundir lixo com comida. Então, tive a ideia de coletar ao longo do verão todo resíduo plástico que encontrava nas praias de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul. Todos os dias, tinha alguma coisa. A partir desse material, desenvolvi as estampas.

Entre os tecidos e materiais, há também moletom, malha com poliéster, linho e algodão. Tudo ergonomicamente pensado para facilitar a vida de pessoas que nem sempre conseguem encontrar roupas que atendam de fato às suas necessidades. O evento de lançamento será no dia 22, às 19h, no Átrio do Santander Cultural, em Porto Alegre. A entrada é franca, mas, como a lotação máxima é de 300 pessoas, deve-se confirmar presença por inclusivemoda2017@gmail.com ou pelo WhatsApp (51) 99575-1213.

Foto: Ana Vianna Fotografia, divulgação

Foto: Ana Vianna Fotografia, divulgação

Funcionalidades que fazem a diferença

Para cadeirantes

♦ Camisetas com as costas mais curtas e frente mais comprida para não “embolar” o tecido.

♦ Bermudas com elástico na cintura para priorizar o conforto e zíper dos lados para facilitar o vestir e a passagem da sonda sem precisar tirar peça.

♦ Casaco com modelagem pensada para uma pessoa sentada, com recorte nas costas para ficar com um bom caimento e mangas mais curtas para não atrapalhar o manuseio da cadeira de rodas.

♦ Saias e vestidos com abertura lateral para fazer a troca de sonda e velcro para poder ajustar.

♦ Bolsas que podem aderir ao vestuário com velcro, para não correr o risco de cair.

♦ Mochilas que podem ser usadas na cadeira de roda, com fechamento em velcro.

Para pessoas com nanismo

♦ Roupas de tamanho menores, mas com proporções de um adulto – e cara de roupa de adulto.

Para pessoas com deficiência visual

♦ Estampas, etiquetas e tags em braile para que a pessoa saiba o que está usando.

Leia mais
:: #SPFWN44: Veja as grifes que vão desfilar na São Paulo Fashion Week
:: Coco Chanel para além do tweed: o legado da estilista para a moda
:: Peças chiques, atemporais e sem gênero: conheça a grife de Gabriela Basso

Leia mais
Comente

Hot no Donna