Samuel Cirnansck fala sobre suas criações e planos futuros a Revista Donna

As criações do estilista estarão em exposição até o dia 20 de julho no Moinhos Shopping

Foto: Samuel Cirnansck

Ele foi o eleito para desenhar os vestidos de casamento de Juliana Paes, Thaila Ayala e Giovanna Ewbank. Samuel Cirnansck é o nome por trás das etiquetas de alguns dos modelos mais famosos do Brasil e faz parte do sonho da maioria das mulheres com desejo de subir ao altar.

O poder de conquista do estilista está na ousadia. Ele tem o dom de unir um tecido romântico a um decote generoso sem deixar o vestido vulgar, ou trabalhar com materiais opostos em uma mesma produção (no casamento de Juliana Paes, utilizou seda, renda e palha) e atingir resultados espetaculares.

Nem só de casamentos é feita a grife Samuel Cirnansck. A alta-costura do paulista também pode ser encontrada em moda festa prêt-à-porter com criações em estamparias, bordados e moulage, desenvolvidas artesanalmente em seu ateliê em São Paulo.

Parte desses trabalhos poderão ser conferidos até o dia 20 de julho no segundo andar do Moinhos Shopping, onde 12 modelos icônicos da marca estarão à mostra na Exposição Mag Fashion Tour.

Agora que já conquistou as mulheres, Cirnansck pretende flertar com o público masculino. Faz parte de seus planos em um futuro próximo lançar uma coleção para homens. Ao lado, trechos da entrevista que o estilista de 38 anos concedeu a Donna.

Donna – A coleção que você apresentou recentemente é uma clara aposta nos vestidos curtos. Os longos estão perdendo espaço na moda festa?

Samuel Cirnansck – Não. Os longos ainda mandam nos altares, nas roupas e ainda em muitas formaturas. O que nós tentamos com os vestidos curtos é familiarizar as clientes com o tamanho proposto e incentivá-las ao uso nessas ocasiões.

Donna – Como busca inspiração para criar modelos tão diferentes?

Cirnansck – Busco inspiração na própria mulher. Procuro sempre ficar atento a sua personalidade e transmitir para seus convidados o mais próximo possível de quem ela é. Seus gostos, jeitos, crenças e tradições. Nunca coloco o meu gosto à frente. Acho que é preciso ter uma mescla entre as duas personalidades, pois quem vai usar o vestido que eu vou confeccionar é ela – e no final de tudo ela é muito mais dona da obra do que eu.

Donna – Qual é a característica em comum que pode ser encontrada nas suas criações?

Cirnansck – Acho que a sensibilidade de ouvir a cliente e transformar o seu desejo ou sonho em realidade com as minhas pitadas de ousadia, como uma cintura bem marcada, um decote insinuante, mas nunca vulgar, e um estilo romântico agressivo.

Donna – Está em alta as parcerias de grandes estilistas com as redes de fast-fashion. Já pensou nessa possibilidade?

Cirnansck – Sim. Considero com muita estima, adoraria fechar com algumas grandes redes, mas o que mais me preocupa é como fazer essa roupa ficar viável, com um preço acessível aos compradores e com um bom retorno financeiro a quem estará me contratando. Tenho uma linha masculina que está na gaveta para ser lançada o quanto antes. Adoraria lançá-la com a minha marca e até mesmo para outras redes de varejo.

Donna – Como é trabalhar com luxo em uma época em que se valoriza cada vez mais a teoria do “menos é mais”?

Cirnansck – O luxo, quando não está ligado à extravagância, torna-se único e eterno. Acho que sempre o mais pode ser mais, se bem dosado e feito com responsabilidade. Hoje em dia, podemos pensar no novo luxo assim: atendimento personalizado, no qual a mulher quer apenas ser ouvida e bem interpretada por seu costureiro. Nos dias de hoje, acho isso um luxo, pois as pessoas não têm tempo e não querem mais saber dos outros. O meu conceito de luxo é esse, no qual o ser humano vem antes da matéria.

Donna – Você pode adiantar algo da próxima coleção?

Cirnansck – Pretendo retomar um pouco o desejo aspiracional na passarela, transformando esta passarela em um palco cênico para extrair dos telespectadores algo como o que a pintura, a escultura, a música e as artes cênicas costumam fazer.

Donna – O que lhe faria recusar um trabalho?

Cirnansck – Mau humor, pensamentos negativos e, talvez, falta de clareza, pois acredito que sempre será cobrado de você o melhor resultado, sem que os outros saibam o que foi lhe dado para fazê-lo.

Donna – Como você vê o estilo da mulher gaúcha?

Cirnansck – Uma mulher extremamente requintada, com tempo e disposição para cuidar mais de si, que se preocupa em valorizar o cabelo, a maquiagem, em estar sempre antenada com o que se passa no mundo das artes, decoração e do seu dia a dia.

As últimas do Donna
Comente

Hot no Donna