SPFW, dia 1: a magia da Apartamento 03, o esporte chic da Uma e os refugiados por Ronaldo Fraga

Fotos: Agência Fotosite
Fotos: Agência Fotosite

Repleta de grifes estreantes (uma já neste primeiro dia oficial) e, agora, sem nomenclaturas baseadas em estações, a São Paulo Fashion Week deu a largada para mais uma temporada de moda nesta segunda-feira. Os desfiles começaram às 17h, com a releitura do sertão pela cosmopolita Lilly Sarti, o dia teve ainda as grifes Uma, Amabilis e Apartamento 03, e encerrou com a emocionante apresentação do mineiro Ronaldo Fraga, que trouxe a crise dos refugiados como inspiração.

#DonnaNaSPFW
:: Herchcovitch volta à passarela com criações para a grife do marido
:: Saiba tudo sobre a edição SPFWn41

Quer saber como foi? Preparamos um resumão com os melhores momentos (e fotos!) do dia. Você também pode acompanhar nossa cobertura direto da Bienal, no Parque do Ibirapuera, pelo nosso Snapchat revistadonna, no Insta @revistadonna e pela página no Facebook. Todos os detalhes da passarela e do backstage você encontra na #DonnaNaSPFW.

#SnapSave: um boletim com o melhor do dia 1 da SPFW

O sertão de Lilly Sarti

Foi lá do sertão que Lilly e Renata Sarti buscaram elementos para nortear a coleção de sua marca, que abriu o primeiro dia de desfiles oficiais da SPFW. E já no nome a estilista entrega o que talvez seja o ponto em comum dos looks apresentados: em Sertão Líquido, o predomínio é da fluidez. Na primeira parte do desfile, o off-white tomou conta em peças como uma blusa em malha canelada, combinada a saia leve e assimétrica.

Como pede a temática da coleção, os tons terrosos apareceram em vestidos leves – que contrastavam com “serpentes” enlaçadas ao pescoço. Para encerrar, opções de vestidos para a noite em que se vê um jogo de transparências, alternando com as estampas de xilogravuras, assinadas pelo artista pernambucano Gilvan Samico.

 

O esporte glam de Uma por Raquel Davidowicz

Com os pés no chão, (quase que) literalmente: é assim que Raquel Davidowicz comemora os 20 anos de existência de sua marca, que recentemente ganhou loja em Nova York. De tênis e sandálias sem salto em quase todas as composições, o tom esportivo da coleção ganhou ar chique com o brilho da seda. Bermudinhas que parecem ter desembarcado direto da quadra de basquete aparecem combinadas com capas cheia de recortes, enquanto tops de ginástica viram protagonistas quando acompanhados de conjuntinhos de calça e camisa que lembram abrigos esportivos – mas nada daqueles modelos de tactel dos anos 1990, viu?

Quem também dá as caras é a famigerada pantacourt, destaque absoluto da temporada passada e que segue neste outono inverno (aparentemente, sobrevive ainda aos dias de calor). Para sobrepor tons clarinhos e terrosos, o denim surge em vestidos e macacões, que brincam com as proporções em modelagens mais soltas.

 

O oceano da Amabilis

Com uma orquestra na passarela, a Amabilis estreou trazendo o mar, o futurismo y otras cositas más à SPFW. A marca do Espirito Santo, que existe desde 1998, desfila pela primeira vez na semana de moda paulistana após vencer o concurso Top 5, do Sebrae, que garimpa novos talentos tupiniquins. E fez bonito, ainda que, vez ou outra, sobressaísse o “tudo ao mesmo tempo agora”: nos primeiros looks, a pegada espacial das peças em prata não se fundiu tanto assim ao volume de blusas armadas.

Quando entram em cena as tramas, que lembram redes de pescador, é que a grife brilha com estampas saídas direto do fundo do mar em vestidos fluidos e assimétricos – características que, aliás, apareceram com força neste primeiro dia. Destaque para os longos e os macacões azulados, que mesclam tramas com transparência em harmonia.

 

A magia da Apartamento 03

Quem flerta com a moda, ainda que só vez ou outra, sabe bem: um pouquinho de magia é fundamental para que tudo faça sentido. Foi unindo esse tal pó de pirlimpimpim com uma dose de ilusão que Luiz Carlos, da Apartamento 03, trouxe o universo do mágico Harry Houdini para a passarela da SPFW.

Já na abertura, um pijama chique que não parece ter nascido para viver na cama. As escolhas da Pantone para o ano, o rosa quartzo e o azul serenity, se revelam de fato boa dupla em saias que misturam o drapeado às cordas. Elementos que parecem ter saído direto dos baús de Houdini, como cadeados e correntes, aparecem adornando produções com peças oversized. Até a camisa de força ganha releitura na alfaiataria que, como não podia deixar de ser, brinca com as amarrações.

 

Os “refugees” de Ronaldo Fraga

Só alguém sensível como Ronaldo Fraga consegue transformar em poesia um tema tão delicado e atual como a situação dos refugiados e o conflito na Síria. “E o que a moda tem a ver com isso?”, questiona o próprio no material de divulgação do desfile. “Documento eficiente como registro de um tempo, a moda tem diferentes faces e formas para se registrar uma história e a que desde sempre me seduz é a face político-cultural”, responde, na sequência.

Para Ronaldo, são as roupas que cada um leva ao sair fugido de seu país que ajudam a começar de novo sem perder um pouquinho da essência – a tal Re-Existência, que batiza a coleção. Na passarela, chama de cara a atenção as tranças de até 30 cm, obra do beauty artist Marcos Costa, inspiradas nas moçambicanas que vivem em Lisboa. É da África também que vêm as cores e a riqueza de referências que se vê, como os belíssimos vestidos tramados (handmade!) e as estampas que valorizam elementos da flora e da fauna locais. Dedique também um tempinho a espiar os acessórios, como os colares, os brincos de argola e os óculos redondos que finalizam as produções.

Direto do FacebookLive: veja como foi o desfile de Ronaldo Fraga

 

O que vem por aí

Terça-feira (26/04)
– Paula Raia – 10h
– Osklen – 11h30min
– Vix – 12h30min
– Lolitta – 15h
– Adriana Degreas – 16h
– A. Brand – 17h
– Patricia Viera – 18h
– Juliana Jabour – 19h
– PatBo – 20h
– Karl Lagerfeld for Riachuelo – 21h

Quarta-feira (27/04)
– Vitorino Campos – 10h
– Reinaldo Lourenço – 12h
– Isabela Capeto – 15h
– Iódice – 16h
– Lenny Niemeyer – 17h
– A La Garçonne – 18h
– Samuel Cirnansck – 19h
– Triya – 20h
– Ellus 2nd Floor – 21h

Quinta-feira (28/04)
– Gloria Coelho – 12h
– Água de Coco por Liana Thomaz – 15h30min
– João Pimenta – 17h
– Salinas – 18h
– Murilo Lomas – 19h
– Amir Slama – 20h
– Helo Rocha – 21h

Sexta-feira (29/04)
– Lino Villaventura – 11h
– Esther Bauman – Acquastudio – 12h
– Wagner Kallieno – 15h
– GIG Couture – 16h30min
– Ratier – 17h30min
– Cotton Project – 18h30min
– Ellus – 20h

 

 

 

 

Leia mais
Comente

Hot no Donna