SPFW, dia 2: a ilha deserta da Osklen, a brasilidade de PatBo e o compre agora de Karl Lagerfeld para Riachuelo

Em um dos dias mais cheios desta edição da São Paulo Fashion Week, a maratona de desfiles começou ainda de manhã com apresentações que fugiram do óbvio. Enquanto a Osklen dispensou modelos e mostrou as novidades direto de uma exposição armada em uma loja da marca na Vila Madalena, a Riachuelo transformou a passarela em shopping, colocando à venda as peças recém desfiladas da coleção assinada por Karl Lagerfeld.

#DonnaNaSPFW
:: Dia 1: a magia da Apartamento 03, o esporte chic da Uma e os refugiados por Ronaldo Fraga

:: Herchcovitch volta à passarela com criações para a grife do marido
:: Saiba tudo sobre a edição SPFWn41

Quer saber como foi? Preparamos um resumão com os melhores momentos (e fotos!) do dia. Você também pode acompanhar nossa cobertura direto da Bienal, no Parque do Ibirapuera, pelo nosso Snapchat revistadonna, no Insta @revistadonna e pela página no Facebook. Todos os detalhes da passarela e do backstage você encontra na #DonnaNaSPFW.

#SnapSave: um boletim com o melhor do dia 2 da SPFW


A ilha deserta da Osklen

Em vez de modelos enfileiradas na passarela, dessa vez a Osklen trocou o desfile tradicional por uma apresentação direto da sua loja na Vila Madalena, em São Paulo, em uma espécie de exposição onde se podia ver e tocar tudo o vai se vestir na próxima temporada. Para “Monbupurih”, Oskar Metsavaht e sua equipe criativa pensaram em um casal cosmopolita que troca o asfalto por um cenário paradisíaco.

O que se vê são estampas mil em peças que privilegiam silhuetas soltas como vestidos estilo caftãn, que parecem sair da areia direto para uma festa praiana daquelas. A profusão de cores estilo bangalore aparece também em lenços, que podem fazer as vezes de saída de praia ou, se você tiver criatividade, até virar um top exclusivo. Em tecidos como o linho e a seda, a estamparia aparece desconstruída e com ares tropicais em belas camisas. Revisitado, o neoprene ganha novo status com aplicações de cristais em peças como hotpants e até em detalhe no punho de camisas.

 

 

VIX

O que você escolheria para passar férias em destinos paradisíacos como a Tailândia? É justamente a mala de viagem de sua mulher despojada, mas que não abre mão do glamour, que Paula Hermanny idealizou na coleção da Vix.

Para o swimwear, hotpants com detalhes vazados e tops cobrindo colo. Quem prefere maiôs pode gostar dos modelos em frente única, com recortes laterais ou decotões profundos. Vale dar uma espiada também nos macacões soltinhos em cores quentes, ideais para dar pinta naquela festa ao fim do dia de férias.

 

As cores da Lolitta

Lolita Hannud já dava indícios que dessa vez seria diferente pela estrutura do desfile: ao invés de entrar direto do backstage, as modelos surgiram na passarela pelo lado contrário, iniciando o catwalk direto do pit dos fotógrafos. E, já no primeiro look, o que se viu foi que a grife, ainda que jovem, vem amadurecendo.

Inspirada em um estudo sobre as cores – que avalia, por exemplo, as sensações que elas causam -, a estilista renovou seu trabalho manual, tão característico pelos tricôs. O colete, por exemplo, apareceu em uma versão mais moderninha e alongada, jogado por cima de saia + top. Falando em saia, o comprimento delas também desceu: a silhueta da vez é o mídi, escolhida também para os vestidos de ráfia entreamada. Estampa preferida da vez, os grafismos de Lolitta são obra do artista plástico Marcelo Cipis: é quando tons neons como o amarelo, o pink e o laranja se revelam em equilíbrio. Destaque também para as franjas, que funcionam como acabamento tanto na versão fininha, que confere movimento, quanto em faixas retas que se sobrepõe.

 

As gueixas tropicais de Adriana Degreas

A moda praia de luxo assinada por Adriana Degreas misturou o glamour da França ao tempero oriental para falar da French Indochine, território que era dominado pelos franceses até idos dos anos 1940. Mas de parada no tempo a coleção não tem nada: ouriços do mar são aplicados em tops transparentes, além de conchas que sobrepõe peças. De novo ele: o plissado aqui aparece em peças de seda, que se misturam a tecidos tecnológicos holográficos.

Veja os detalhes da nossa cobertura:

 

O aloha da A.Brand

De uma arara na loja da Animale, a ABrand ganhou vida própria e se tornou um dos nomes do Grupo Soma, que ainda tem grifes de peso como a Farm. Agora, mostra que de fato tem cara própria em um desfile cheio de personalidade, que marca a estreia da label na passarela da SPFW.

E foi longe, em deliciosas férias no Havaí, que a estilista Ana Claudia Dias buscou inspiração. “Peguei elementos como as folhagens tropicais e os hibiscos e apliquei não só nas estampas como também no recorte do couro”, conta, direto do backstage. Além da estamparia tropical que resgata paisagens bem típicas da terra dos surfistas, há até espaço para uma havaiana, que não se importa em dançar consigo mesma para dar vida à camisaria. Mais uma vez nesta temporada, os pijamas ganharam nova versão, soltinho e pronto para encarar o dia. Acessórios como as divertidas bolsinhas em formato de sorvete e peixinho deram ainda mais cara de férias para não esquecer à coleção.

 

A Califórnia 70’s de Juliana Jabour

Quem também viajou para buscar inspiração foi Juliana Jabour – no caso da estilista, o mergulho foi na Califórnia dos anos 1970, através do documentário Dogtown and Z-Boys – Onde Tudo Começou (2001), que resgata a história do skate àquela época. Com uma cartela de cores doce, mas não tão açucarada assim, Ju brinca com o sportwear voltado ao universo delas, mas sem cair na armadinha de criar fantasias ou soar girlie demais.

O que se vê são casaquinhos esportivos, que ganham vida graças à estamparia geométrica e ao jogo de cores, que caem bem com as bermudinhas, tanto curtinhas quanto na altura do joelho – mais sk8r girl, impossível. O plissado volta a dar às caras em saias e também em um longo metalizado para a noite, que ganha a companhia de uma jaquetinha no melhor estilo colegial. Nos pés, as flatforms bicolores – p&b e também branco e nude -, que continuam a se firmar como o salto da vez. Para ficar (sempre) de olho: que tal as jaquetas de estrelas e a de couro que encerram o desfile, marca registrada de Juliana?

 

A brasilidade de PatBo

Para dar um sopro de otimismo no delicado momento econômico e político que o Brasil se encontra, Patricia Bonaldi propôs uma coleção inspirada nas belezas naturais que vemos por aqui. O desafio também era trazer o verde e o amarelo, cores da bandeira nacional, como protagonistas da cartela, mas sem cair no óbvio – e basta dar uma espiada na galeria abaixo para ver que deu certo.

A flora rica e variada aparece como protagonista vestidos de , que vão do mídi ao longo. Para contrapor saias rodadas, jaqueta estilo Varsity, que mistura as folhagens tropicais com aplicações em uma das peças mais bacanas da coleção. Destaque também para o top bordado com versos da música Debaixo D’Água, de Maria Bethânia. Brasilidade sem cair no clichê.

 

 

O compre agora de Karl para Riachuelo

Depois de se unir à Versace, a fast fashion Riachuelo celebra na passarela da SPFW uma das parcerias que já figuram entre as mais bacanas do ano – com ninguém menos do que Karl Lagerfeld, o kaiser que comanda as maisons Chanel e Fendi. Essencialmente em preto & branco, a coleção se repete em referências ao universo do estilista – que vai de seu próprio perfil ao inseparável óculos preto, que viram estampa nas t-shirts. O tweed, símbolo da Chanel, dá as caras na dupla minissaia + casaqueto, que remete de cara à grife francesa. A gatinha Choupette também está por ali em uma máxi bolsa, que já figura entre os itens preferidos do público.

Ao final do desfile, a top Isabeli Fontana encerra o catwalk dando lugar na passarela araras com as peças da coleção – ode perfeita ao conceito see now, buy now, que também aparece na essência desta edição da SPFW. Fashionistas de plantão aproveitaram para se esbaldar em primeira mão com os mais de 70 itens da linha Karl para Riachuelo, que desembarca em lojas da rede a partir desta quarta.

O que vem por aí

Quarta-feira (27/04)
– Vitorino Campos – 10h
– Reinaldo Lourenço – 12h
– Isabela Capeto – 15h
– Iódice – 16h
– Lenny Niemeyer – 17h
– A La Garçonne – 18h
– Samuel Cirnansck – 19h
– Triya – 20h
– Ellus 2nd Floor – 21h

Quinta-feira (28/04)
– Gloria Coelho – 12h
– Água de Coco por Liana Thomaz – 15h30min
– João Pimenta – 17h
– Salinas – 18h
– Murilo Lomas – 19h
– Amir Slama – 20h
– Helo Rocha – 21h

Sexta-feira (29/04)
– Lino Villaventura – 11h
– Esther Bauman – Acquastudio – 12h
– Wagner Kallieno – 15h
– GIG Couture – 16h30min
– Ratier – 17h30min
– Cotton Project – 18h30min
– Ellus – 20h

 

 

 

Leia mais
Comente

Hot no Donna