SPFW, dia 3: a praia luxuosa da PatBo, o pedido por tolerância de Ronaldo Fraga e as motoqueiras de Reinaldo Lourenço

Fotos: Agência Fotosite, Divulgação
Fotos: Agência Fotosite, Divulgação

Neste segundo dia de São Paulo Fashion Week, o line-up se divide entre marcas consagradas, como a de Reinaldo Lourenço, e as novatas do Projeto Estufa Aluf e Lucas Leão. Para fechar o dia, o emocionante desfile de Ronaldo Fraga refletiu sobre a necessidade de mais tolerância nos dias de hoje. E teve mais!

Tudo sobre a #SPFWn46
:: Conheça as novidades da 46ª edição da São Paulo Fashion Week
:: SPFW, dia 1: Lilly Sarti abre semana de moda com tops Carol Trentini e Isabeli Fontana

:: SPFW, dia 2: a sustentabilidade da Osklen, o street de luxo da Torinno e a índia de João Pimenta

Donna, claro, está na capital paulista e mostra os principais highlights do que rola por aqui. Acompanhe nossa cobertura nas redes sociais pela #DonnaNaSPFW e os vídeos com os melhores momentos da passarela no IGTV do nosso InstagramNo resumão a seguir, a gente te conta o melhor de cada desfile do dia.

Reinaldo Lourenço e as motoqueiras

Reinaldo Lourenço quebrou a feminilidade que é costumeira em suas coleções ao vestir uma motoqueira na passarela – de muito luxo, é claro. Pense em elementos característicos das vestes de quem vive sobre duas rodas: estão lá o couro, os muitos zíperes, as botas. Mas vai além: o estilista mistura referências óbvias como as camisetas no melhor estilo Harley Davidson com peças que remetem à essência de sua etiqueta, como o vestido amarelo em crepe transparente. Os looks festivos, aliás, resgatam a assimetria e ganham detalhes de torções e pregas.

Em Road of Love, a força da mulher transparece também nos conjuntos bi e tricolores de couro, que misturam tonalidades fortes como o bordô, o fúcsia e o azul royal. Os looks, de uma garota pronta para pegar a estrada, remetem ao longa The Girl on a Motorcycle (1968), com Marianne Faithfull e Alain Delon. Outras referências vistas na passarela de Ronaldo: estamparia de losangos e míni vichy, risca de giz e listras.

 

Aluf e a arte terapia

A Aluf abriu o Projeto Estufa nesta SPFW, iniciativa que visa dar visibilidade a marcas novatas. É o caso da etiqueta de Ana Luisa Fernandes, que trouxe para a passarela as reflexões de quem passa os dias trancado em um escritório e enxerga na arte a esperança de dias melhores. Isso fica claro com a cartela de cores que passeia pelos amarelados quentes e dourados – como o sol lá fora. Modelagens bem pensadas atreladas a uma estética clean e nem por isso menos antenada com o que há de bacana.

 

Lucas Leão e o enfrentamento

Segunda marca a desfilar pelo Projeto Estufa nesta edição, Lucas Leão fala de liberdade e cerceamento na passarela. A divisão da Coréia, em 1945, depois da Segunda Guerra Mundial, é o ponto de partida para falar de intolerância e embates políticos – um paralelo com a situação atual do Brasil, cabe lembrar. Na coleção Pendular, o estilista carioca traz peças como uniformes militares sem gênero, um pedido por mais igualdade e menos repressão à individualidade.

 

PatBo e o beachwear sofisticado

Patricia Bonaldi escolheu a SPFW para estrear por aqui sua coleção de moda praia, que já conquistou as gringas e é sucesso em e-commerces internacionais como o Net-A-Porter. Para fazer bonito por aqui também, uma receita que tem tudo a ver com terras tupiquinins: a estilista mineira misturou o estilo de Carmen Miranda, a riqueza da flora e da fauna nacionais e a ideia de paraíso natural do país para criar um verão 2019 que segue à risca a ideia de resort chic.

Estão lá elementos fundamentais da etiqueta, como os bordados preciosos que são tão caros à Patricia – e à moda mineira. Ganha força também o trabalho da estilista com técnicas artesanais, que deixam as peças com uma cara única. Com cor e bossa, maiôs e biquínis surgem com recortes estratégicos, babados e estampas que remetem à tropicalidade. Mais uma aposta da queridinha de celebs como Marina Ruy Barbosa que só pode dar certo.

:: Assista a trechos do desfile no IGTV do nosso Instagram

 

Amir Slama e a moda praia ousadia & cores  mil

Do desfile de Amir Slama, sempre se pode esperar duas coisas: pouco pano e corpos saradíssimos. Mais uma vez, o estilista ex-Rosa Chá seguiu sua receita e desfilou seu beachwear para quem gosta (muito de ousar). A inspiração passa pelas “matas florestais do período colonial, Tropicália e Jimmy Hendrix”, informa o material de divulgação. Tudo isso é traduzido na passarela com uma paleta de cores acesas, como o laranja e o verde, e muita estamparia tropical. Maiôs engana-mamãe, repletos de recortes – que parecem ter sido pensados apenas para as esguias modelos que desfilam – estão entre as apostas. Para eles, sungas para lá de cavadas e shortinhos, que, para o estilista, podem circular além da praia.

 

Ronaldo Fraga e a intolerância

Mais uma vez, Ronaldo Fraga é o responsável por um desfile que vai muito além da roupa, e prova que moda pode ser, sim, sobre comportamento e sobre política. Desta vez, o estilista mineiro propôs uma reflexão sobre a intolerância ao tratar sobre os conflitos entre judeus e palestinos na passarela da SPFW. O desejo de falar sobre o tema veio de uma viagem que fez a Tel Aviv, no ano passado. Foi lá que viu, em um restaurante, uma placa onde se lia algo como “se um judeu e um árabe dividirem a mesma mesa, só pagam a metade da conta”. Veio o estalo para o belo cenário montado na sala de desfiles: uma longa mesa com pratos típicos árabes e judaicos, onde cada um dos modelos se sentaria em clima de união.

Assim que as luzes se acenderam, a dualidade representada por Ronaldo ganhou um final feliz. De um lado, um modelo que usava prótese em uma das pernas simbolizava o povo palestino. Do outro, com cachos amarrados ao óculos, outro encarnava o povo judeu. Ao cruzarem no final da passarela, trocaram um beijo – cena repetida (e aplaudida) por um casal de idosos e outro de mulheres, em uma alusão às minorias. Nada era por acaso na passarela de Ronaldo Fraga. Começando pelo tecido escolhido para boa parte das peças, o jeans: segundo o mineiro, um tecido democrático que é símbolo de resistência. Nos cabelos, tranças em diferentes cores remetiam, novamente, à (necessidade de mais) tolerância. A paleta segue em tons sóbrios, dominada pelo azul denim.

Para encerrar o desfile – com o casting mais diverso até agora, vale ressaltar -, todos os “diferentes” celebraram juntos à mesa, entre taças de vinho e kebabs. Antes das palmas, levantaram para mais um momento de união, com uma roda em forma de ciranda, todos de mãos dadas. E o convite para uma convivência mais tolerante veio também para a plateia, chamada à mesa de Ronaldo para confraternizar. Um desfile para suspirar e, claro, renovar as esperanças de uma sociedade mais unida.

:: Assista à íntegra do desfile no IGTV do nosso Instagram
:: Veja o review completo do desfile e uma entrevista com o estilista

O que vem por aí

Quarta, dia 24

12h30min – Gloria Coelho
14h30min – Helena Pontes (Projeto Estufa)
14h45min – Ão (Projeto Estufa)
15h – Korshi 01 (Projeto Estufa)
16h30min – Beira
18h – Lino Villaventura
20h – Bobstore

Quinta, dia 25

14h30min – Victor Hugo Mattos (Projeto Estufa)
14h45min – Mipinta (Projeto Estufa)
16h30min – Two Denim
18h – Cotton Project
19h – Apartamento 03
20h – Handred

Sexta, dia 26

15h30min – Cacete Company
16h30min – João Pimenta (masculino)
18h – Piet
19h – Ratier
20h30min – Água de Coco

Leia mais
Comente

Hot no Donna