SPFW, dia 5: a estreia de João Pimenta para elas e o desfile sobre a tragédia de Mariana, de Ronaldo Fraga, encerram a temporada

Desfile de Juliana Jabour. Foto: Agência Fotosite, Divulgação
Desfile de Juliana Jabour. Foto: Agência Fotosite, Divulgação

Encerrada mais uma temporada de São Paulo Fashion Week, e com boas surpresas! Nesta quinta, João Pimenta estreou a versão feminina de sua marca, enquanto Ronaldo Fraga emocionou ao falar sobre a tragédia de Mariana na passarela, E rolou muito mais!

Tudo sobre a #SPFWn45
:: Neta de Audrey Hepburn, Emma Ferrer desembarca no Brasil para a SPFW: “Estou amando!”
:: Vem ver como foi a estreia de Paula La Croix, a “Giselinha”, na passarela da SPFW
:: SPFW, dia 2: Refugiados, sustentabilidade, maximalismo e até Hello Kitty apareceram na passarela
:: SPFW, dia 3: a volta de Reinaldo Lourenço, performance de dança e agricultoras na passarela marcam a noite
:: SPFW, dia 4: moda praia bem brasileira, estreia de grife minimalista e coleção inspirada em costureiras marcam a noite

Donna, claro, esteve na capital paulista e mostrou os principais highlights do que rolou por aqui. Veja como foi nossa cobertura nas redes sociais pela #DonnaNaSPFWNo resumão a seguir, a gente te conta o melhor de cada desfile do dia.

Gloria Coelho e suas próprias memórias

Poucas pessoas têm um trabalho conciso e com identidade o suficiente para que elas mesmas possam se reeditar. Entre as mais consagradas estilistas do Brasil, Gloria Coelho certamente está nesta lista – e foi justamente uma visita a sua própria “enciclopédia de moda” que conduziu o verão da etiqueta. Está lá a alfaiataria moderna da marca, com recortes nos modelos perfecto e smoking. A pegada genderless, tão presente no DNA da marca, se reflete também na presença de meninos na passarela – usando tudo o que elas usam. Entre as pecas bacana da vez, o macacão com pegada worker e a camisa transparente com zíper no lugar dos botões. Combinação da vez? Para Gloria, legging fuseau, parka soltinha e mule bicolor.

 

Amapô e o baile fun

A Amapô não faz desfile, faz verdadeiros acontecimentos. Um sopro de diversão, cor e originilidade em meio a uma temporada pasteurizada. Desta vez, a marca de Carô Gold e Pitty Taliani foi resgatando todas as referências que cruzaram o caminho e amontoando e mesclando e desconstruindo tudo. Dos anos 80, vieram os abrigos muiticoloridos e recortados, os laços, o exagero. Da década de 90, a estética street, com um quê de Fresh Prince of BelAir, aquele seriado do Will Smith. E dos malfadados anos 2000, a trilha que empolgou demais, com Britney Spears, Justin Timberlake e Madonna. O casting é um show a parte: meninas a la Cindy Lauper, guris andando de skate. A dupla criativa também buscou personas na internet, e criou peças que tivessem tudo a ver com o estilo delas – o que traz ainda mais vida real e autenticidade à passarela da Amapô, montada na União Fraterna, um salão de bailes da “saudade”.

 

Ratier e o electro 00′

Renato Ratier deixa o preto & branco um (pouco) de lado para encarnar tons cítricos como o pink, o verde e o laranja nesta temporada. Tudo a ver com a proposta da coleção, uma noitada electro bem a cara da etiqueta. As referências vêm dos anos 2000, mas têm tudo a ver com o que estamos vendo agora: a mistura da alfaiataria com o streetwear – em um blazer + calça com linha lateral, por exemplo. Olho nas botas: com o cano longo amassado e na versão ankle.

 

Ronaldo Fraga e a tragédia de Mariana

Meu caminho é de pedra, como posso sonhar?“, diz a canção Travessia, de Milton Nascimento, entoada ao vivo pela cantora Lívia Nestrovski com a companhia do músico Fred Ferreira. Talvez somente Ronaldo Fraga conseguiria transformar em poesia – ainda que dolorida – a tragédia de Mariana, maior desastre ambiental do Brasil, ocorrido há dois anos. O rastro de lama que se espalhou ao longo de 650 quilômetros entre Minas Gerais e Espírito Santo foi relembrado na passarela, com um tapete que simulava todo o barro que dizimou localidades como a de Barra Longa. Ronaldo visitou a comunidade e conheceu um grupo de bordadeiras da região. Não deu outra: a história de dor e as tentativas de recuperação inspiraram o estilista mineiro na coleção As Mudas, um dos poucos desfiles a realmente trazer emoção nesta SPFW. Ronaldo convidou as bordadeiras a retratarem como eram os jardins que haviam em Barra Longa antes da destruição – que voltaram à vida em saias e vestidos. Os restos de galhos que restaram nas ruas depois da passagem violenta da lama foram ressignificados em acessórios assinados pela designer Ana Vaz. Peças que pareciam tingidas de barro dividiram espaço com outras estampadas com fotos antigas de familiares dos que ali viviam. Marília Gabriela, jornalista e amiga de Ronaldo, surgiu para abrir e encerrar o desfile, em uma performance que rememorava as vítimas de Mariana. Daqueles desfiles que nos fazem renovar a paixão e a fé no papel social que a moda deveria sempre ter.

 

Assista ao vídeo

 

Juliana Jabour e o rolê de esqui

Juliana Jabour escolheu uma referência que é a cara dos dias frios: os esportes de inverno, mais especificamente as estações de esqui. Dominada pelo branco (da neve!), a coleção renova o encontro do street e do sporty, tão característicos de Ju, com pitadas de romantismo. Estão lá os babados, os laços e o toque vitoriano em moletons e parkas confeccionadas em nylon ou tactel. Em modelagem ampla e soltinha, os vestidos lembram camisolões, com um moderninho jogo de proporções na saia e nas mangas bufantes. A calça da vez é a palazzo (que lembra a pantalona), usada sempre com outra peça oversized. Na paleta de cores, o branco ganha a companhia do lilás, verde, azul e do sal rosa, além de doses de dourado. Olho também nos acessórios: geométricos, com detalhes metalizados, em acrílico e até com espelhos, deixam a coleção mais cool.

 

João Pimenta e a estreia para elas

Embora as roupas de João Pimenta sejam pensadas para eles, muitas mulheres sempre gostaram de ter peças do estilista em seu armário. Faz super sentido, principalmente quando levamos em conta as discussões sobre gênero cada vez mais em pauta, que têm se refletido na moda – com o genderless. Mas o estilista sentiu vontade de imaginar como seria criar peças com a cintura mais marcada, e que tivessem a ver com o corpo feminino. É por isso que agora sua marca conta com uma coleção feminina, que ganha relevância desde sua bem-vinda estreia, na noite desta quinta. A coleção têm como temática central o campo, mas vai (bem) além. Estão ali tecidos como a chita, tão característicos dos ambientes rurais, só de uma forma não óbvia – como num mix bacana com o xadrez e a alfaiataria, por exemplo. Casacos e blazer alongados em lã fria ganham fechamento com amarrações, enquanto aplicações com brilho decoram jaquetas. As modelagens sempre surpreendentes de João renovam a ligação com a alfaiataria. Na cartela de cores, o mostarda, o mainho e o rosé são destaques. Uma ótima surpresa para encerrar a temporada.

Leia mais
Comente

Hot no Donna