Tatuagens temporárias: itens altamente elaborados que já viraram hit

A nova moda deixou para trás os antigos decalques de chiclete

Foto: xx

Tatuagem já não é mais símbolo de rebeldia, como nas décadas de 1970 ou 1980. Nem particularidade de astro do rock, motociclista ou hipster. Hoje em dia, raro é encontrar alguém, na faixa dos 20 aos 30 anos, que não tenha âncoras, estrelas, borboletas ou afins desenhados no corpo.

Nesta década, moda mesmo é fazer uma tatuagem temporária. E não se engane: as atuais nada têm a ver com as saudosas tattoos colantes encontradas nas embalagens de chiclete. Quem aderiu às opções contemporâneas diz que é como trocar de acessório. Dia sim, dia não, um dragão tatuado no braço.

Na lista de famosos que exibem o adorno está a atriz Gwyneth Paltrow, flagrada, no começo do ano, com uma águia americana no antebraço.

Beyoncé também já posou com as figuras autocolantes – todas distribuídas pelas curvas voluptuosas da cantora. Antes delas, Madonna havia aderido à tatuagem provisória. No caso da diva cinquentona, a opção foi pelos desenhos de henna.

– Não quero nada que seja permanente – já disse a cantora à imprensa ao ser questionada sobre a ausência de tatuagens definitivas. A grife Chanel e o estilista Jean Paul Gautier também apostaram neste acessório fashion. No Brasil, as publicitárias Astrid Guimarães e Carolina Motta investiram na ideia.

– A Carol está sempre buscando novidades fora do país. Então, quando ela viu as tatuagens temporárias com temas bem jovens e ligados ao design, decidimos que tinha tudo a ver com nosso público – conta Astrid, que começou a vendê-las pela internet, pelo site Faniq, em dezembro.

São desenhos estilizados de bicicletas, máquinas de escrever, câmeras fotográficas, entre outras ilustrações que duram de três a cinco dias. As publicitárias também acreditam que essa seja a oportunidade de testar desenhos e lugares no corpo para, quem sabe, arriscar-se a fazer uma definitiva. A loja norte-americana Tattly é referência nesse mercado.

No site da empresa, a designer Tina Roth Eisenberg explica que entrou no ramo após constatar a escassez de tatuagens temporárias, sempre demandadas por sua filha. Acabou montando sua própria equipe de artistas tatuadores. Hoje, a Tattly recebe encomendas do mundo inteiro. Nos Estados Unidos, a ideia virou febre entre adultos, crianças e, principalmente, entre noivas, que passaram a encomendar as tatuagens em adesivo para diversão dos convidados nas recepções de casamentos.

As últimas do Donna
Comente

Hot no Donna