Chás gourmet: a redescoberta do hábito charmoso e saudável praticado há mais de dois mil anos

Foto: Mateus Bruxel
Foto: Mateus Bruxel

Desde que o mundo é mundo (ou quase isso) as pessoas bebem chá. Acredita-se que a bebida tenha sido descoberta acidentalmente na China, por volta do ano 250 a.C. Mesmo assim, ainda é um hábito praticado por poucos em vários países, incluindo o Brasil. A onda dos chás gourmet, comercializados em lojas especializadas, está disseminando o ritual, apurando paladares e, principalmente, derrubando mitos. E se você se considera um conhecedor de chás porque não dispensa uma carquejinha depois do almoço, prepare-se: ainda há um universo para descobrir.

:: Alecrim, hibisco, jasmim… conheça os segredos e benefícios de 10 chás
:: Réplica do Central Perk é inaugurada em Nova York

Primeiro: aquele raminho de marcela que você toma na água quente antes de dormir é maravilhoso, mas, tecnicamente, não pode ser chamado de chá. Sim, é estarrecedor. Mas faz sentido. Chá, de acordo com as normas dos países produtores, é derivado de apenas uma planta, a camellia sinensis, um lindo arbusto de folhas pequenas originário da China e da Índia. Dele se extraem os cinco tipos de chá existentes: branco, verde, vermelho, oolong e preto. Todo o resto, que também chamamos de chá, é, na verdade, infusão.

– A experiência que as pessoas têm com o chá é, na maioria das vezes, motivada pela saúde. Elas tomam um chazinho para o estômago ou para o fígado, ou então antes de dormir. E só. Mas o universo dos chás é muito mais do que isso – comenta Michel Bitencourt de Mello, que trouxe para o Brasil a franquia espanhola de chás gourmet Tea Shop, cujas primeiras lojas foram abertas em Porto Alegre.

:: Donna Talks: Tea night, uma experiência entre os sabores mais exóticos do mundo dos chás

Além do pouco contato com a bebida, a experiência de degustação é, muitas vezes, desagradável, segundo Michel. Isso porque a imensa maioria das pessoas bebe o chá verde ou o preto preparados de forma incorreta. Feitos com água fervente e com tempo de infusão muito longo, os chás tornam-se amargos. Depois de experimentar uma bebida ruim, a maioria já desiste e declara que não tem jeito: não gosta de chá.

– A busca por hábitos mais saudáveis de vida está motivando uma procura maior pelos chás. As lojas especializadas também contribuem para esse aumento na procura, já que nelas é possível não apenas adquirir chás de qualidade superior, mas aprender a preparar a bebida – salienta Michel.

Além da enorme variedade – sim, são apenas cinco tipos de chá, mas com eles é possível fazer uma infinidade de combinações, chamadas de blends -, as lojas especializadas oferecem os acessórios apropriados para o preparo. Com um lindo bule e xícaras cheias de estilo, dá gosto vivenciar o ritual do chá, que vai desde o aquecimento da água até a contagem do tempo de infusão.

Para tirar suas dúvidas e deixar você com água na boca, Donna preparou um guia completo do chá. Conheça mais sobre os tipos, características, formas de preparo e, principalmente, sobre os benefícios para a saúde de cada uma das variedades.

Conheça os chás

* Branco

chá branco

 É feito com as partes mais jovens da planta: os brotos, as primeiras e as segundas folhas. Por isso, é rico em antioxidantes e tem grande poder diurético. É o chá da beleza, pois seu consumo regular ajuda na manutenção de uma pele saudável. Tem baixa concentração de teína, o estimulante natural do chá. Por isso, pode ser consumido a qualquer hora do dia, inclusive antes de deitar. É o mais delicado de todos, com um sabor adocicado e suave.

* Verde

chá verde

As folhas de chá frescas são submetidas a um escaldo rápido, em altas temperaturas, para interromper o processo natural de oxidação. Por isso, tem sabor herbal suave e cor esverdeada. É rico em antioxidantes e é considerado o mais diurético de todos – motivo pelo qual deve ser evitado na primeira hora do dia, quando o corpo ainda está em jejum. Tem níveis baixos de teína, o que favorece seu consumo a qualquer momento.

* Oolong

oolong félix zucco

Também conhecido como chá azul, é o mais digestivo e depurativo de todos os tipos de chá. É uma espécie de combinação entre o chá verde e o preto. Durante sua elaboração, os processos de oxidação das folhas são repetidos até vinte vezes, o que lhe confere um sabor equilibrado e levemente tostado, que lembra fruta madura. Tem baixos níveis de teína e é perfeito para ser tomado à tarde.

* Vermelho

chá vermelho

Também é chamado de Pu Erh, por ser produzido exclusivamente nesta região da China. É preparado da mesma forma que o chá verde, com a diferença que, depois da secagem das folhas, elas são acondicionadas em barris de carvalho, para que fermentem. Esse processo confere a cor avermelhada e um sabor terroso à infusão. É o chá emagrecedor por excelência, pois inibe a absorção de gordura. Tem níveis relativamente baixos de teína e deve ser consumido, preferencialmente, depois das refeições.

* Preto

chá preto

É o chá clássico. Na sua elaboração, as folhas frescas da planta passam por um processo de oxidação completo que transforma a cor verde original da folha em um marrom escuro. Com isso, os aromas tornam-se mais complexos e a cor da infusão tende ao âmbar. O sabor é intenso. Em função da oxidação completa, o nível de teína é alto, o que deixa a bebida estimulante. Uma diferença entre a teína e a cafeína é que a substância presente no chá é absorvida mais lentamente pelo organismo, o que proporciona um efeito energizante com menos picos e mais prolongado.

Como preparar

O preparo do chá é simples, mas requer atenção. Água muito quente, excesso de tempo de infusão ou erro na quantidade de produto podem deixar a bebida amarga, estragando o seu momento de degustação.

Para todos os chás:

1 – Coloque o chá no coador da xícara ou na chaleira. Fique atento às quantidades: para 200ml de água são necessárias somente 2g de folhas, o equivalente a uma colherinha de chá.

2 – Despeje a água quente. A temperatura é fundamental: não deixe a água ferver. Vale a mesma regra da água para o chimarrão: quando chiar, apague o fogo.

3 – Conte o tempo. Não deixe o chá em infusão por tempo demais, pois sua bebida pode amargar. Para os chás branco, vermelho e oolong, três minutos bastam. O verde fica apenas dois minutos. O preto leva mais tempo, quatro minutos.

4 – Para fazer chá gelado, não é necessário preparar o chá e esperar esfriar. Prepare pouca quantidade bem concentrada, utilizando menos água e mais folhas (sempre respeitando a proporção de 2g para cada 200ml de água), e em seguida dilua em uma jarra com bastante gelo. Pronto.

5 – Se quiser, você pode adoçar o chá com açúcar, mel ou adoçantes. Também pode misturar leite, especialmente no chá preto. Fica uma delícia.

Cha verde

Benefícios universais do chá

Independente da variedade e do blend, o chá possui propriedades benéficas para o organismo e o seu consumo regular pode fazer muito bem para a nossa saúde. Conheça algumas propriedades comuns a todas as variedades e sabores de chá.

• Os polifenóis presentes na bebida são antioxidantes e auxiliam na proteção contra o envelhecimento celular. Também contribuem para manter os níveis de colesterol e ajudam o corpo a absorver menos gordura.
• Possuem flúor, auxiliando na prevenção às cáries.
• Possuem uma substância chamada teofilina, que exerce um efeito diurético e vasodilatador, ajudando a eliminar a retenção de líquido e reduzir o inchaço.
• A teína, também chamada de cafeína do chá, é um estimulante suave do sistema nervoso central. Por isso, pode ser consumido de manhã, no lugar do café.
• Por ter baixo índice calórico, o chá pode substituir bebidas como sucos e refrigerantes.

Leia mais

Hot no Donna