Hora do almoço! As 5 fast-foods gourmet de Porto Alegre que você precisa conhecer

Preparados com ingredientes nobres e selecionados, hambúrgueres e hot dogs distanciam-se do conceito original de lanches rápidos, simples, baratos e pouco saudáveis para se transformarem em sanduíches gourmet. Porto Alegre tem cinco endereços desta perdição

Por Ana Cristina Rosa, especial

Junte um punhado de alimentos de boa qualidade, uma pitada de valorização dos produtos locais, pão artesanal, capriche na apresentação do prato e voilà: você está diante de um hambúrguer ou hot dog gourmet. A receita pode parecer simples, mas colocou em curso uma mudança no universo do chamado junk food.

– Está ocorrendo uma aproximação entre as chamadas alta e baixa gastronomia, deixando claro que o que há mesmo é gastronomia – observa chefe de cozinha Rodrigo Paz, idealizador da feira Comida de Rua, projeto que visa à valorização dos pratos servidos em barracas, carrinhos e food trucks nas vias e praças públicas. – Não há por que a receita tipificar a comida quando o sucesso de uma receita se dá 70% pela qualidade dos produtos e 30% pela técnica. Ou seja: a base de tudo são os ingredientes.

:: Fast-food gringo: 12 hamburguerias gourmet para visitar pelo mundo
:: Estilistas levam a inspiração dos hambúrgueres para as semanas de moda

Essa aproximação é visível quando se trabalha o junk food como uma comida rápida, mas não necessariamente de baixa qualidade.

– Gosto de chamar de slow fast food, que nada mais é do que a busca por um lanche simples e ao mesmo tempo refinado na medida em que é feito à base de bons produtos – explica Paz.

Esse olhar mais atento à qualidade dos alimentos consumidos é uma tendência internacional, que vem se intensificando no Brasil há cerca de cinco anos.

– É uma espécie de resgate da tradição alimentar que faz com que as pessoas queiram uma comida boa, seja qual for o lugar: na rua, nos restaurantes ou em lanchonetes – explica a psicóloga formada em gastronomia Jussara Dutra, coordenadora do Grupo de Trabalho de Gastronomia Regional do Rio Grande do Sul. – Comer bem é a tônica e, com isso, há uma apropriação da gastronomia no sentido de qualificar a comida, independente do gênero ao qual a receita está associada.

É nesse cenário que se destacam os hambúrgueres produzidos com pouca gordura, servidos com complementos saborosos e nutritivos e molhos especiais. Tudo feito artesanalmente, à base de ingredientes nobres. Quando o assunto são os hot dogs, a grande estrela são as salsichas produzidas com receitas exclusivas e, depois, envoltas em pães especiais. Tudo lindamente apresentado e servido para encher os olhos na mesma proporção em que é saciada a fome.

motnagemss

– Vivemos uma fase em que está em evidência um olhar mais profissional sobre esse tipo de alimentação, o que é ótimo considerando que praticamente todo mundo gosta de um cachorro-quente ou um bom hambúrguer – diz Jussara.

– Se vai durar e por quanto tempo, não se sabe, mas no momento o melhor que se tem a fazer é aproveitar – completa Paz.

BIFE HAMBURGUERIA

O gosto por cozinhar levou a publicitária Mariana Ramos de Castilhos a trocar o ambiente das agências de publicidade pela gastronomia.

– Nosso diferencial é um produto de qualidade, feito à base de ingredientes selecionados, servido sem pressa e num ambiente adulto, que acolhe bem tanto os mais jovens quanto os mais maduros – diz a proprietária da Bife Hamburgueria, um fast food nem tão rápido assim, já que os lanches demoram cerca de 20 minutos para serem servidos. – Apesar das críticas iniciais em relação à espera, o público entendeu que não é rápido nem barato servir um produto de qualidade.

bife

São 20 versões de hambúrgueres de carne grelhada e uma vegetariana. Entre os mais pedidos está o toque agridoce do Silver: hambúrguer da casa de 160g, cogumelos crus, agrião, queijo prato e molho de mostarda e mel. Além disso, toda semana é servido o Clássico do Bife, diferente das receitas no cardápio fixo. Para complementar a refeição, o cliente pode escolher fritas, batatas rústicas ou anéis de cebola. A casa também serve milkshakes com sorvete artesanal e frutas frescas.

Rua Miguel Tostes, 371, Bom Fim, fone (51) 3071-8033.
De segunda a sábado, das 18h às 23h30min.
Sanduíches entre R$ 24 e R$ 36.

LE GRAND BURGER

Oferece uma releitura de clássicos franceses – como o Ratatouille e o Coq au Vin – em forma de hambúrguer.

– É um lanche, mas com um toque da gastronomia francesa – resume Alexandre Lise, proprietário da casa.

No Le Grand Burguer, o sanduíche gorduroso foi substituído por um lanche nutritivo: pão recheado com bolo leve de carne, preparado na grelha, e um toque de tomate e mostarda Dijon. Os tipos incluem gado, cordeiro, frango e porco, acompanhados de molhos de ervas finas, mel, chutney de pimentão, camembert e iogurte com hortelã, entre outros. Tudo servido a la carte, com apresentação impecável, como um prato do dia.

le grand

– O enfoque da minha formação em alta gastronomia foi na apresentação e nas técnicas da culinária francesa, por isso formatei um conceito para proporcionar uma nova experiência em hambúrguer – diz Lise.

Marquês do Pombal, 191, Moinhos de Vento, fone (51) 3395-1520.
De segunda a sexta, das 12h às 15h e das 19h às 23h30min.
Sábados, das 12h às 16h e das 19h às 23h30min.
Sanduíches entre R$ 19 e R$ 29.

AMERICA 308 BURGUERIA

Para montar a casa, o chefe Renato de Léo foi buscar inspiração nos Estados Unidos. Aos sanduíches, deu nomes de figuras ilustres da cena política de lá, como Richard Nixon, George Washington, Jimmy Carter, Al Gore e Chelsea, a filha do ex-presidente Bill Clinton. Partindo da tradicional receita norte-americana, na qual o uso de condimentos como mostarda, ketchup e maionese é vetado por lei – sim, nos EUA há uma lei do hambúrguer -, o chefe agregou valor e sabor com um toque artesanal e molhos nada convencionais.

america 308

Cada sanduíche do America 308 é feito a partir de um bolinho de 200g de carne nobre, com no máximo 20% de gordura. A carne é temperada com azeite de oliva, sal, vinagre e ervas finas, especiarias que variam de acordo com o tipo de carne (gado, frango, ovelha ou linguiça), e assado como se fosse churrasco, direto no fogo. São sete versões de hambúrguer de carne, além do vegetariano, feito à base de soja temperada e acompanhado de pasta de queijo tofu, alface americana, champignons com pimenta e calda de abacaxi. Todos são montados em pão artesanal com molho gorgonzola à base de leite e alho.

Rua América, 308, Auxiliadora, fone (51) 3207-9400.
De terça a domingo, das 18h às 23h.
Sanduíches entre R$ 13,90 e R$ 25,90.

PUGG HOT DOG GOURMET

O que distingue a casa são as salsichas artesanais desenvolvidas com exclusividade em parceria com uma indústria de embutidos do Interior: 100g de carne selecionada de boi e porco em 30cm. Pelo tamanho, lembra um pancho uruguaio.

– Mas a semelhança para por aí – garante Tiago Lessa de Souza, proprietário do Pugg. – O que criamos foi uma salsicha saborosa, com tamanho que sobra bastante nas pontas do pão para o cliente apreciar o sabor sem a interferência dos molhos.

pugg

Ao todo, são sete tipos de salsichas artesanais a partir das quais são montados dez sabores de cachorro-quente. Todos os recheios foram criados a partir de receitas da alta gastronomia fracesa e italiana e adaptados ao sanduíche. À primeira vista, o cardápio composto de nomes como Lombardia, Classic Reliche, Vièrge e Di Napoli parece complexo. E talvez por isso o carro-chefe seja o cachorro quente de queijo cheddar.

Avenida Osvaldo Aranha, 778, Bom Fim, fone (51) 3062-8839 / 3267-1506
De terça a sexta, das 12h às 15h e das 17h às 23h30min.
Sábado, das 12h às 23h30. Domingo, das 12h às 22h30min.
Sanduíches entre R$ 12,90 e R$ 24.

FRANK DOGS AND BURGERS

Quando decidiu abrir uma casa especializada em cachorro-quente, Fernando Lunardi foi buscar inspiração em Nova York, conhecida como a capital do lanche. Atento às características locais, no entanto, ele adaptou o conceito ao gosto gaúcho, com molhos e recheios.

– Aproveitamos a cultura gastronômica do Rio Grande do Sul, que é simples, porém rica em qualidade – resume o administrador, formado em gastronomia.

frank

Este ano, Lunardi reposicionou o negócio e ampliou o cardápio original para oferecer também hambúrgueres. São dez tipos de cachorro-quente e outros dez de hambúrguer, montados em pão d’água e acompanhados de fritas com molho especial.

– Muita gente chama o Frank de cachorro-quente gourmet, mas prefiro acreditar que gourmets são as pessoas e como elas entendem a receita – diz Lunardi.

Rua Fernandes Vieira, 658, Bom Fim, fone (51) 3093-1007 / 3093-1005.
De terça a domingo, das 11h30min à meia-noite.
Sanduíches de R$ 8 a R$ 19,50.

Leia mais
Comente

Hot no Donna