Amor e dinheiro: casar faz bem ao bolso, mas até lá é preciso economizar

Veja dicas básicas para o casal não gastar além da conta antes de subir ao altar

De acordo com pesquisa norte-americana, o casamento impulsiona a prosperidade material
De acordo com pesquisa norte-americana, o casamento impulsiona a prosperidade material Foto: Divulgação

“Os opostos se atraem”: esse clichê, em geral  romântico, se refere, inúmeras vezes, ao perfil de consumo, ou seja, à forma como homens e mulheres gastam recursos financeiros. Não raro encontramos entre amigos e familiares, casais compostos por um gastador-compulsivo e um econômico-inveterado. O que ocorre é que ao optar pelo casamento, um consenso se faz necessário – é preciso que cada um aprenda a ceder um pouco.

No livro “Você sabe lidar com o seu dinheiro? Da infância à velhice”, da Primavera Editorial, Marília Cardoso e Luciano Gissi Fonseca alertam para a importância de o casal ter uma conversa franca sobre dinheiro para que possa construir uma vida financeira saudável. A obra traz como proposta uma reflexão sobre o dinheiro, com dicas simples de como melhorar as finanças sem grandes sacrifícios.

Rumo ao altar, a conquista do “lar, doce lar” – comprado ou alugado – revela-se um desafio para a maioria dos casais. 

? Ao optar pela compra, o casal precisa ter um planejamento financeiro rigoroso, pois são poucos os que conseguem pagar à vista. Como não é fácil poupar, o casal deve considerar a opção de se desfazer de bens como carro e moto para dar uma entrada no imóvel ? explica Marília, acrescentando que ao financiar o imóvel, é necessário comparar as taxas de bancos e das próprias construtoras, além do tempo para o pagamento.

Os autores defendem ainda que casar faz bem ao bolso e citam uma pesquisa conduzida pelo professor norte-americano Jay Zagorsky, da Universidade de Ohio, que analisou quase 10 mil pessoas com idades entre 41 e 49 anos. 

? O resultado é que o casamento impulsiona a prosperidade material. Mesmo quando não há grandes alterações na vida financeira, como promoção no emprego, a riqueza total cresce, em média, 4% ao ano ? afirma Luciano Gissi Fonseca.

De acordo com o autor, os especialistas afirmam que as pessoas ficam economicamente mais produtivas após o casamento porque trabalham em prol da família.

? Pensando no conjunto, o planejamento financeiro também passa a ser mais valorizado, porém, esse planejamento só funciona se houver diálogo entre o casal ? salienta Fonseca.

Marília Cardoso ressalta que todo o dinheiro economizado pelo casal deve ir para uma poupança. 

?  Fazer um investimento conjunto é o primeiro passo para iniciar a vida a dois ? afirma a jornalista.

Confira outras dicas básicas que podem ajudar o casal a economizar em prol do casamento:

:: Fique de olho na conta telefônica

Namorados e contas telefônicas são inseparáveis por motivos óbvios. Para diminuir os gastos, uma alternativa é manter celulares da mesma operadora e negociar pacotes de descontos – incluindo, também, ligações para telefones fixos. Nos namoros à distância, o impacto do DDD chega a assustar. Alternativas básicas: comparar as tarifas das operadoras, dar preferência a horários promocionais e usar a tecnologia. Existem vários sistemas que permitem a comunicação online com custos mais do que competitivos.

:: Adote o transporte compartilhado

Haja transporte para manter os apaixonados juntos! Se moram longe, o impacto no orçamento é ainda maior. Quando ambos têm carro, a dica é fazer um revezamento para ninguém gastar demais, ou seja, as mulheres não devem usar a importância do cavalheirismo como desculpa para não colaborar.

:: Invista em um presente original

A demonstração do amor não está atrelada ao alto custo do presente. Não há ligação entre mais amor e presente valioso. Esse é um aprendizado importante para muitos casais. Na maioria das vezes, vale mais um presente criativo, confeccionado pela pessoa amada. Quando o assunto é aniversário, aniversário de namoro ou demais datas comemorativas, a dica é pensar em um mural de fotos, escrever uma carta de amor ou preparar um jantar especial. Se for comprar um presente, opte por algo realmente necessário ? em vez de encher o outro de flores e ursinhos de pelúcia, talvez o mais indicado seja comprar presentes úteis.

:: Faça programas alternativos

Embora ninguém goste de namorar em casa, os passeios contribuem para que a conta aumente consideravelmente. Nesse caso, os apaixonados devem considerar a situação financeira de ambos, ou seja, se podem ou não bancar passeios a lugares distantes e caros. De qualquer maneira, o bom senso diz que é preciso dosar. Se em um final de semana a opção for por um passeio mais caro, em outro vale alugar um DVD e assistir, comendo pipoca. O indispensável é estar junto, correto?

:: Lembre-se que pagar a conta não é atributo masculino

Se ambos têm renda, por que não dividir ou revezar o pagamento da conta? É claro que o casal não precisa andar com a calculadora na mão para saber quantos centavos cada um deve pagar, mas não há nada de errado em conversar sobre dinheiro. A comunicação e o companheirismo são fundamentais a um bom relacionamento, por isso, falar sobre dinheiro com naturalidade é muito saudável para o namoro.

Leia mais
Comente

Hot no Donna