Anvisa proíbe venda de formol em farmácias, supermercados e outros estabelecimentos

Substância vinha sendo usada para procedimentos estéticos

Marca investiu em peças amplas e confortáveis como macacões
Marca investiu em peças amplas e confortáveis como macacões Foto: Nelson Antoine, AP

A venda de formol e formaldeído (solução com 37% da substância) em farmácias, armazéns, supermercados, empórios, lojas de conveniência e drogarias foi proibida hoje (18) pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

De acordo com nota divulgada pela agência, a proibição se deu em função do uso inadequado da substância para procedimentos estéticos – especialmente na chamada escova progressiva –, o que causa “sérios riscos à saúde”.

Ainda segundo a Anvisa, “a adulteração de produtos cosméticos, com adição de formol, por exemplo, já é considerada crime hediondo pelo Código Penal Brasileiro”.

A escova progressiva é feita para alisar os cabelos, adicionando formol a outros produtos de uso cosmético, e é bastante comum em salões de beleza de todo o país. Os estabelecimentos têm 180 dias para retirar o formol das prateleiras.

:: Glitter TV: os efeitos do uso de formol em escovas progressivas

Leia mais
Comente

Hot no Donna