Artigo: Consciência, ação e disciplina — as três fases do desenvolvimento humano

O êxito está na capacidade de disciplinar-se rumo aos objetivos

Foto: Roberto Scola

Sou um apaixonado pela área de desenvolvimento humano e um questionamento sempre insistiu em ocupar meu pensamento: Por que as pessoas não utilizam todo o seu potencial? O que as impede de atingirem seus objetivos?

Era muito simplório acreditar que as pessoas não tinham os recursos ou motivos para não chegar lá, pois conheci muitas com possibilidades infinitas de serem bem sucedidas em suas vidas e que, mesmo assim, fracassaram. Pessoas que transbordavam um potencial sem tamanho, deixando muito claro que o problema não estava no potencial, mas, sim, na capacidade de explorar tudo isso.

Foi, então, que identifiquei que o processo de desenvolvimento humano passa três fases: consciência, ação e disciplina. As pessoas fervem de tanta consciência do que precisam fazer. Algumas entram em ação, o que já é um grande diferencial, mas que não garante o sucesso. O êxito está na capacidade de disciplinar-se rumo aos objetivos. Isso é autogestão.

Eu tenho estudado muito sobre disciplina e notei que existem alguns fatores que não permitem que esse comportamento entre em ação:

:: Estado atual

Por mais insatisfeitos que estejamos ou por mais que queiramos alo, temos ganhos em permanecer no estado atual. Afinal, conquistar um objetivo requer novos comportamentos e estes, por sua vez, nos obrigam a encarar o desconhecido. Geralmente, preferimos permanecer na zona de conforto.

:: Evidências curtas

O segundo problema está na incapacidade de definirmos evidências reais e palpáveis de desenvolvimento, nos rendendo ao imediatismo que tanto desmotiva o caminhar rumo a nossa meta. Maltratamos o corpo durante 30 anos e queremos resolver tudo em 30 dias. Ninguém emagrece 20 quilos pensando neste total, mas, sim, imaginando o que precisa fazer hoje para emagrecer 2 quilos por mês. Isso é foco. As pessoas confundem foco com meta. Meta é o que eu quero atingir, foco é o que preciso fazer hoje para alcançar a minha meta.

:: Motivos falsos

Por fim, o terceiro fator inibidor e um dos mais importantes é a visão equivocada do real motivo de se conquistar algo. Uma pessoa, quando busca um objetivo porque deseja fama, frustra-se constantemente, pois coloca as evidências de sucesso na mão do outro, embora eu não discuta os valores que movem as pessoas, percebo que influenciam (e muito) as conquistas. Quando uma pessoa busca perder peso porque querem impressionar outras ou conquistar alguém, novamente coloca as evidências nas mãos do outro. Imagine se alguma coisa der errado, se essa pessoa começar a namorar, eu vou jogar tudo para o alto porque o objetivo pelo qual eu fazia isso acabou? Eu não preciso buscar a fama, mas posso querer ser o melhor no que faço, destacar-me das outras pessoas, conquistar resultados extraordinários. Isso depende de mim. Ser famoso é consequência. Uma pessoa pode perder peso para ganhar qualidade de vida, ter mais disposição, viver mais e melhor e isso também depende de mim. Ficar mais bonito é consequência. Quando o propósito está claro e vale o esforço, a disciplina naturalmente acontece. Quando o propósito está desconfigurado, as nossas evidências são de curto prazo e os resultados não aparecem, eu me frustro e deixo de seguir em frente.

Avalie todos os pontos citados e descubra o que impede você de seguir em frente.

* Alexandre Prates é especialista em liderança, desenvolvimento humano e performance organizacional. É também master coach, palestrante e autor do livro “A reinvenção do profissional – Tendências comportamentais do profissional do futuro” e da metodologia de coaching “Inteligência potencial”.

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna