Até que ponto os pais devem interferir no corte de cabelo dos filhos?

Como os pequenos estão cada vez mais precoces, o importante é não perder o bom senso de vista

Crianças hoje em dia gostam de escolher como o cabelo será cortado
Crianças hoje em dia gostam de escolher como o cabelo será cortado Foto: Stock Photos

Justin Bieber não é um fenômeno apenas entre as meninas. O ídolo teen está, literalmente, mexendo com a cabeça dos garotos, ansiosos por copiar a famosa franjinha. Mas será que os pais acatam a vontade da molecada? Divididos entre manter os filhotes no “padrão capilar” e dar-lhes liberdade para escolher o corte, muitos passam aperto no salão.

Alguns modelos do passado continuam valendo. Cabelos longos para eles, por exemplo, ainda geram controvérsia. Desde que os Beatles aderiram à moda, pais do mundo inteiro se preocupam com o comprimento dos fios dos varões. Como o poder de escolha da gurizada tem limites, discussões são inevitáveis.

? Algumas mães até que são flexíveis. Mas os pais não querem saber de filho com cabelo grande, acham que não é masculino ? garante a cabeleireira Marciléia Couto Quintão, que há 22 anos trabalha com crianças.

Ela explica que mesmo o estilo Justin Bieber já é considerado grande demais, pelo menos na visão dos adultos.

? Já tive um cliente que pediu um corte igual e o pai proibiu, dizendo que não era de homem. A criança, claro, saiu chorando ? lembra.

Não se trata somente de uma questão estética, vale ressaltar. Para grande parte dos pais, a imagem da criança reflete a educação que ela recebe e, por isso, deve seguir o que eles consideram correto.

De acordo com a psicóloga Angela Uchoa Branco, doutora em psicologia do desenvolvimento da Universidade de Brasília (UnB), os pais desejam escolher tudo que se relacione à formação dos filhos. Como o poder de coerção familiar está em baixa, muitos se apegam aos detalhes, como o visual.

? Antes, o filho de um médico era obrigado a seguir a carreira do pai. Hoje, sem esse controle, os pais associam a aparência ao cartão de visita que eles poderão mostrar para a sociedade ? explica.

Os pais querem poupar os filhos de julgamentos sociais desfavoráveis. E também se precaver de críticas.

? Existe uma expectativa social que os pais constroem em relação aos filhos e qualquer mudança nela faz com que eles fiquem assustados. Eles temem ainda que o corte de cabelo possa ser interpretado como um posicionamento ideológico ? afirma.

Angela lembra que só o estilo do cabelo não é suficiente para ligar ninguém a determinada tribo.

O cabeleireiro Bruno Cesar Seara, também especializado em cortes infantis, explica que, até mesmo para o trabalho dele, é saudável que as crianças expressem suas opiniões.

? Antigamente, a criança ficava em um ambiente que não era para ela. Agora, com locais apropriados, elas ficam mais à vontade.

O profissional diz que também os menores, com dois, três anos de idade, já entram no salão sabendo bem como querem ficar.

? Atendi muitos que quiseram moicanos, cabelos espetados, outros que saem daqui com tudo colorido. As mães têm receio nessas horas, mas eles acabam conseguindo.

Mas e quando seu filhinho insistir em usar um corte de cabelo que, sem meias palavras, parece ridículo?

? Os pais precisam conversar para demovê-lo da ideia. Não é controle, mas um grau de atenção. Se for algo assustador, cabe aos pais convencê-los a ver as consequências daquele visual ? garante Angela Uchoa Branco.

Ela frisa que uma proibição não conversada só vai atiçar mais a curiosidade.

? E o filho pode, muito bem, sair de casa do jeito que os pais querem e mudar tudo ao chegar na escola.

A psicóloga reforça: dizer que está feio é pouco. É preciso uma justificativa que envolva mostrar à criança que certos visuais podem estimular brincadeiras de mau gosto: o filho precisa de estrutura para suportar suas escolhas.

Leia mais
Comente

Hot no Donna