Atenção às cirurgias plásticas: reflita antes de operar

Algumas mulheres possuem acne persistente, que continua depois da adolescência
Algumas mulheres possuem acne persistente, que continua depois da adolescência Foto: Adriana Franciosi

Já começou a contagem regressiva para o verão 2010/2011. As academias estão lotadas de novos alunos que pretendem enxugar a silhueta até dezembro. Outros preferem ou necessitam de uma mudança mais radical e procuram apoio na cirurgia plástica. Querem turbinar os seios com próteses de silicone, redesenhar o corpo com uma lipoaspiração ou atenuar as rugas.

A busca pelo corpo perfeito coloca o Brasil como o terceiro país que mais realiza cirurgias plásticas no mundo. Em pesquisa divulgada pela Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (Isaps), perdemos apenas para os Estados Unidos e para a China, que ocupam, respectivamente, o primeiro e o segundo lugares. No panorama internacional, a lipoaspiração é o procedimento mais procurado, respondendo por 18,8% do total de intervenções, e a colocação de próteses de silicone (17%) aparece na segunda posição.

O caso brasileiro é um pouco diferente. Segundo um estudo do Instituto Brasileiro de Opinião Pública (Ibope), em 2009 foram realizadas 645,4 mil cirurgias estéticas. As mulheres representam 82% da demanda. No país, os implantes mamários são os mais procurados (19%), enquanto a lipoaspiração associada a outras cirurgias representa 17% dos procedimentos.

Apesar dos números superlativos, o ato de se submeter a uma plástica exige certos cuidados. O primeiro passo é a escolha do profissional.

? A cirurgia plástica tem risco como qualquer outra. Pode haver hematomas, abertura de cicatriz ou até infecção ou complicações maiores ? afirma Ognev Cosac, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBPC).

Luiz Gonzaga, chefe do serviço de Cirurgia Plástica do Hospital Universitário de Brasília, recomenda que as operações sejam feitas em clínicas e hospitais bem aparelhados e com profissionais capacitados.

? O médico, para ser cirurgião plástico, tem de fazer seis anos de Medicina, dois de medicina geral, três de cirurgia plástica e prestar uma prova para membro especialista da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Aí está graduado ? afirma.

Segundo ele, a pessoa que deseja fazer uma cirurgia plástica precisa verificar se o profissional está habilitado. Além disso, ir ao consultório para esclarecer todas as dúvidas.

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna