Bebidas industrializadas podem prejudicar a nutrição de crianças e adolescentes

Adição de vitaminas não torna os líquidos mais saudáveis

Bebidas doces são responsáveis, entre outros motivos, pelo sobrepeso infantil
Bebidas doces são responsáveis, entre outros motivos, pelo sobrepeso infantil Foto: Stock Photos, Divulgação

Nos últimos 20 anos, uma onda líquida inundou as gôndolas dos supermercados com repercussão sobre as despensas e geladeiras das residências em todo o mundo. Incorporamos à dieta calorias extras, provenientes de iogurtes, sucos de frutas, bebidas de soja, chás e refrigerantes. São centenas de produtos líquidos com rótulos pouco elucidativos, escritos em letra miúda, com ingredientes difíceis de serem compreendidos até pelos profissionais da área de nutrição.

Expostas a essa carga de líquidos de sabor doce, pessoas de todas as idades passaram a mudar seus hábitos, incorporando calorias, açúcares e adoçantes, em volumes jamais pensados. Resultado: as silhuetas saltaram para graus variáveis de sobrepeso e obesidade. 

– Nesse contexto, a excessiva ingestão de alimentos líquidos industrializados e de sabor doce, passou a figurar entre as principais causas de obesidade em todo o mundo, principalmente entre crianças e adolescentes, que passaram a se hidratar essencialmente por meio destes alimentos, abandonando definitivanente a água – explica a endocrinologista Ellen Simone Paiva, diretora do Centro Integrado de Terapia Nutricional.

Crianças e adolescentes são o principal alvo da indústria de alimentos, pois são os maiores consumidores das bebidas doces. Nos últimos 10 anos, o consumo de refrigerantes pelas crianças quase dobrou nos Estados Unidos. Os adolescentes (garotos) tomam em média, de três a quatro latas por dia, 10% deles chegam a ingerir sete ou mais latas. A média para as meninas adolescentes é maior que duas latas diárias, sendo que 10% delas chegam a beber mais de cinco latas ao dia.

– Do ponto de vista nutricional, os refrigerantes são verdadeiramente calorias vazias, ou seja, não conseguem agregar à saúde das crianças e adolescentes, seus maiores consumidores. Nenhum nutriente importante e adequado às necessidades nutricionais de crescimento e desenvolvimento – defende a nutricionista do Amanda Epifânio.

Refrigerantes fortificados

Para tentar se adequar à essa constante crítica dos profissionais de Nutrição e para conquistar definitivamente os pais, que ainda resistem em incorporar refrigerantes às refeições dos filhos, a indústria alimentícia apresentou-nos uma novidade: passou a incorporar vitaminas e minerais aos seus produtos.

– Entretanto, a suposta adição de nutrientes não faz dessas bebidas alimentos saudáveis que possam substituir alimentos naturais. A quantidade de micronutrientes adicionada aos mesmos não atende às necessidades das crianças e adolescentes. E os refrigerantes continuam agregando sódio, açúcares e adoçantes artificiais, em quantidades que arriscam a saúde de seus consumidores – destaca a endocrinologista Ellen Paiva.

Se considerarmos que muitas crianças consomem um copo de refrigerante ou suco, em todas as refeições ou lanches (cinco copos ao dia), elas terão, em média, 550 calorias adicionadas às suas refeições, o que representa o valor calórico de uma refeição a mais durante o dia.

Leia mais
Comente

Hot no Donna