Bigodes estão de volta por gosto e estilo dos homens

Os negócios eram feitos com base no "fio do bigode", tamanha sua importância para os homens

Milton já teve barba e bigode quando era mais jovem; agora, usa novamente e conta com o apoio dos filhos
Milton já teve barba e bigode quando era mais jovem; agora, usa novamente e conta com o apoio dos filhos Foto: Clea

O que Mario Bros, Charles Chaplin, Tom Selleck, Clark Gable, Einstein, Salvador Dalí e até Nietzsche têm em comum? Todos, sem dúvida, são conhecidos por uma marca registrada que levam no rosto, pra todo mundo ver: o bigode! O escritor e roteirista francês Emmanuel Carrére escreveu certa vez que um homem sem bigode não é mais um homem. No filme e no livro dele que levam o título Bigode (La Moustache, França, 2005), raspar ou não os pelos virou problema existencial da humanidade. Mas será que um dos símbolos da masculinidade, que entrou enm queda nos anos 1970, está com tudo?

Em março deste ano, uma ação criativa dentro de uma empresa trouxe o bigode para o rosto de muita gente que nem pensava em ter os pelos ali entre a boca e o nariz. O Consulado da Mulher, ação social da Consul (Whirlpool Latin America), fez uma aposta diferente com os colaboradores da empresa. Por 14 dias, eles deveriam deixar bigode ou barba crescerem. Quem desafiava precisava pagar R$ 0,50 por dia para aqueles que cumprissem o combinado. Quem desistisse precisava cobrir o mesmo valor. No final, a Whirlpool pagaria a mesma quantia. Resultado: mais de R$ 5 mil para as ações do Consulado e muitos novos bigodes no mercado.

Mais de cem colaboradores da empresa participaram, pelo menos 20 deles na unidade de Joinville. Um deles foi o especialista em sustentabilidade Milton Mondardo Filho, 40 anos. Ele já tinha deixado a barba crescer há muito tempo, quando era mais jovem, mas não se agradou da experiência. Agora, gostou tanto que resolveu manter o bigode e até um cavanhaque.

– No começo foi bem desconfortável, não ficou bonito. Mas depois até minha esposa gostou – diz Milton.

Com o apoio dela, o visual mudou. Pai de três filhos, Milton ainda tem neles a torcida organizada pela manutenção dos novos pelos no rosto.

– As crianças gostam, sentem cócegas. Estamos todos nos divertindo muito.

Na Consul, os bigodes surgiram em nome de uma causa. Os homens da empresa mostraram “na cara” se estavam engajados ou não com a proposta de ajudar as mulheres.

– O bigode tem toda uma relação de masculinidade, só pode estar vinculada ao homem e está no rosto. Ficou visível quem estava participando da campanha – lembra Leda Böger, diretora executiva do Consulado da Mulher.

– Muita gente parava e perguntava o motivo da mudança da aparência. Assim chamamos a atenção – completa Milton.

A família de Mário Gonçalves levou um susto quando o viu com a barba toda por fazer. O engenheiro de tecnologia, de 35 anos, foi outro que aderiu à campanha e resolveu manter a cara barbada. No começo, a mulher contou os dias para a campanha acabar. Com a barba bem feita e aparadinha, a aprovação foi total.

– Acho que fiquei até com um ar mais sério. Apesar do trabalho que a barba dá, acho que não tiro tão cedo.

Cuidados importantes

– O mais importante em relação à barba e ao bigode é a higiene. Lavar diariamente com sabonete ou xampu durante o banho.

– Passar um produto pós-barba, quando for feita a modelagem e aparo dos fios. – A manutenção deve ser feita pelo menos uma vez por semana por um profissional especializado.

– Quem está com pelos brancos ou quer uma cor diferente deve procurar um profissional para fazer a coloração. A tinta é especial e não se deve fazer o procedimento em casa.

Fonte: Marcos Fernandes, barbeiro

Famosos pelos bigodes

– Albert Einstein: gênio em matemática e pai da física moderna, usava um bigode que, juntamente com o cabelo desgrenhado, complementava a imagem de um professor brilhante.

– Chaplin: uma das pessoas mais famosas do século 20 – rei dos filmes mudos – disse que usava bigode “para parecer mais velho, sem alterar a expressão”.

– Frank Zappa: o roqueiro foi tão marcado por meio de seu bigode que, após sua morte, em 1993, a família comprou os direitos de imagem dele – com bigode!

– Salvador Dalí: o bigode do surrealista espanhol era parte marcante de sua personalidade extraordinária.

– Clark Gable: o astro de E o Vento Levou… argumentava que, para criar a imagem de um homem corajoso, precisava de um bigode. Usou na maioria dos seus personagens!

– Che Guevara: depois da insurreição em Cuba, a moda bigode e barba no exército cresceu. Quem começou tudo foram o bigode e a barba de Che, impressos em camisetas, cartazes e postais do mundo.

– Nietzsche: entre os que o copiaram o alemão estão o escritor russo Maxim Gorky, que teve a mesma vegetação exuberante.

– Freddie Mercury: o bigode mais famoso da Inglaterra marcou uma geração de roqueiros e, juram os barbeiros, teria o buço mais bem cuidado do país.

– Seu Madruga: ele vivia sem trabalhar e era craque em atrasar o aluguel. Mas nada lembra mais esse personagem de Ramón Valdez do que o bigode. A vila toda conhece!

Leia mais
Comente

Hot no Donna