Bilinguismo detém mal de Alzheimer, diz estudo

Falar diariamente mais de um idioma ajuda a atrasar aparecimento da doença

Um das opções de consumo da hortaliça, que auxilia o funcionamento do intestino, é o suco
Um das opções de consumo da hortaliça, que auxilia o funcionamento do intestino, é o suco Foto: Stock Photos, Divulgação

O bilinguismo praticado diariamente atrasa por vários anos o aparecimento dos sintomas do mal de Alzheimer em idosos, revelou um estudo publicado esta terça-feira por um grupo de cientistas canadenses.

Este prazo pode se estender até cinco anos, um resultado que nenhum remédio existente permite atualmente, acrescentou a pesquisa realizada pelo instituto Rotman do centro de pesquisas geriátricas Baycrest de Toronto e publicada na revista Neurology.

Os autores examinaram os expedientes médicos de mais de 200 pacientes nos quais a doença foi diagnosticada e constataram que aqueles que falavam com frequência duas ou três línguas durante vários anos se beneficiaram de um prazo de até cinco anos até aparecerem os sintomas de perda das funções mentais.

? Não estamos dizendo que o bilinguismo pode prevenir o mal de Alheimer ou outras doenças cerebrais, mas pode contribuir para criar reservas cognitivas no cérebro que parecem atrasar o aparecimento de sintomas do Alzheimer por um bom tempo ? declarou o doutor Craik, especialista em cognição, citado em um comunicado da Baycrest.

Estes sintomas são perda de memória, confusão mental, dificuldade para resolver problemas e prever acontecimentos.

As descobertas se somam a outras pesquisas científicas segundo as quais fatores como exercícios físicos e uma alimentação saudável podem ajudar o cérebro perante um declínio de suas capacidades cognitivas.

Leia mais
Comente

Hot no Donna