Blitz cultural em Roma faz protesto com estátuas feitas de lixo

A crise do lixo é um problema recorrente em Nápoles

Foto: Ansa

Dez estátuas feitas de lixo do rio Trastevere, que se referem a 10 personagens símbolo da Itália, como Sophia Loren, Ennio Morricone ou Federico Fellini, foram instaladas hoje na praça Trilussa da capital italiana, onde o cheiro de lixo é motivo de um protesto diante da “ausência de cultura”.
  
A “blitz cultural” é uma iniciativa do grupo “My Trastevere”, que há algumas semanas encobriu algumas estátuas de Roma como parte da mesma reclamação.
  
As estátuas de hoje também evocam o músico Giuseppe Verdi, o ator Alberto Sordi, o tenor Luciano Pavarotti, a bailarina Carla Fracci e a cientista e Nobel de Medicina Rita Levi Montalcini.
  
Elas foram erguidas com o lixo recolhido nas últimas noites diretamente da área do rio e carregado na madrugada até a praça.
  
? Reproduzimos rostos conhecidos de alguns dos italianos que engrandeceram nosso país no mundo. A mensagem é muito clara: é preciso recuperar a cultura e a imagem da Itália no exterior. Se o nosso país é frequentemente associado aos clássicos clichês da ‘máfia, pizza e bandolim’, hoje se somou a esta lista o grave problema do lixo ? disseram os organizadores.
  
A crise do lixo é um problema recorrente em Nápoles, onde desde outubro a situação se agravou.
  
Com o protesto de hoje, jovens arquitetos e designers do estúdio “Made-4u”, junto ao grupo “My Trastevere”, quiseram dar ao grave problema do lixo uma “conotação positiva”.
  
? Esta foi nossa última manifestação, Na próxima quarta-feira (17) revelaremos nosso projeto ? anunciou o grupo.
  
A crise do lixo voltou a afligir Nápoles, onde há cerca de um mês se acumulam toneladas pelas ruas. A cidade procura desesperadamente uma solução.
  
Durante a noite só foram coletadas “as 600 toneladas habituais de resíduos em Chiaiano. Isto significa que outras mil toneladas continuam nas ruas”, disse a prefeita de Nápoles, Rosa Iervolino Russo, que fez um balanço da situação, anunciando uma reunião ainda hoje com o governador Stefano Caldoro e o presidente da província de Nápoles, Luigi Cesaro.
  
? Esperamos chegar a uma solução, que necessariamente terá que contar com a solidariedade das outras províncias da Campania (como Caserta, Benevento e Avellino)”, porque “não é possível que não existam em toda a região lugares seguros e longe dos centros populacionais onde descarregar os resíduos, ainda que em pequenas quantidades ? frisou Iervolino.

Leia mais
Comente

Hot no Donna