Bradley Cooper sem limites

Aos 36 anos, ator garante uma vaga na primeira divisão dos galãs de Hollywood

Foto: Divulgação, Imagem Filmes

Bradley Cooper não é um nome muito conhecido ? ainda não, pelo menos. Suas atuações naturais como um canastrão tanto em Penetras Bons de Bico quanto em Se Beber, Não Case! podem tê-lo catapultado para a primeira divisão de Hollywood, mas o que não tem sido fácil, segundo o ator, é fazer com que ele seja visto além do humor solto ? e às vezes de mau gosto.

? As pessoas dizem: “Ele não é apenas o cara do Se Beber, Não Case!?”.

O que não é totalmente ruim ? afinal, Se beber… foi um sucesso estrondoso, a mais rentável comédia adulta de todos os tempos. Mas, aos 36 anos, Cooper já deve saber que não pode interpretar garotões para sempre. Acima de tudo, ele nunca tentou ser um ator cômico: até recentemente, ele jura ter aceitado qualquer trabalho que lhe fosse oferecido. Em Sem Limites, no qual contracena com seu ídolo Robert De Niro, ele tem seu papel mais carnudo até agora: uma chance de provar que há mais nele do que apenas um rostinho ? e um corpão ? bonito. Se ele sente que sua habilidade de protagonista está sendo testada?

? Sim, bem, vamos ver. Essa é a oportunidade de provar isso ? diz Cooper, que, no filme (em cartaz na Capital), interpreta um escritor fracassado transformado em gênio milionário da noite para o dia por conta de uma superpílula chamada NZT.

Tranquilo em relação aos paparazzi e recentemente solteiro após o fim de um relacionamento com a atriz Reneé Zellweger, Cooper voltou a morar com os pais no final do ano passado para estar mais próximo ao pai, Charles, que morreu de câncer em janeiro último. Desde então, a mãe, Gloria, viaja com ele pelo mundo.

O ator foi criado na Philadelphia, o único loirinho em uma grande família italiana ? o que significa que todos o tomavam por uma garota. Filho de mãe ítalo-americana e pai irlandês-americano, Cooper vem de uma família em que ninguém havia seguido a carreira artística antes:

? O fato de eu ser ator assustou horrores meus pais. Meu pai foi o primeiro da vizinhança a fazer faculdade, construiu uma vida bacana como corretor ? e aí o filho dele quer ser ator?

Apesar disso, o pai era um fã de cinema, e aos 12 anos o guri soube que queria atuar após assistir à performance de John Hurt em O Homem Elefante, de David Lynch. Cooper formou-se em Inglês antes de se mudar para Nova York para ser ator, estreando na TV antes da formatura, em um dos primeiros episódios de Sex and the City, como um dos ficantes de Sarah Jessica Parker. Você fica se perguntando se os penetrantes olhos azuis e a farta cabeleira loira teriam atrapalhado na hora de ser levado a sério. Mas a questão provoca um surto de gargalhadas. Ninguém nunca, jamais disse que ele era bonito demais para algum papel.

? Na verdade, sempre caí num meio-termo de não ser bonito o suficiente para alguns papéis nem esquisito o bastante para outros ? ele alega.

Lá em 2005, foi o papel de um valentão de vestiário em Penetras Bons de Bico que revelou Cooper para Hollywood. Um pouco menos sociopata, mas ainda assim um machão, foi o papel do organizador da festa de despedida de solteiro em Se Beber… Ambos os papéis acrescentaram uma nova dimensão à presença dele na tela, uma espécie de consciência irônica: sim, a câmera me ama; sim, as mulheres me amam; sim, os homens me amam; sim, sou um cretino; sim, e daí? Cooper vê o papel na comédia como seu maior desafio até agora:

? O cara é muito diferente de mim. Na verdade, isso sempre me impressiona. Quando vejo o personagem na tela, não vejo nada meu ali ? confessa, admitindo que muito mais está em jogo em Sem Limites. ? Esse filme é muito mais dependente de mim para contar a história. Então, se for um sucesso, talvez mais gente me dê a oportunidade de contar esse tipo de história. Sabe o que quero dizer?

Não faz muito Cooper terminou as filmagens de Se Beber, Não Case! 2 ? noticiadamente por um cachê de US$ 5 milhões. Ele faz questão de garantir que não se trata de uma sequência inconsequente.

? Não foi uma reação automática. Nos reunimos diversas vezes para discutir o roteiro. E foi o filme mais difícil que já fiz. Foi tipo Apocalypse Now: A Comédia. Poderiam fazer um documentário a respeito.

Se Beber, Não Case! 2 se passa em Bangcoc, cidade famosa tanto por suas atrações culturais quanto pela lascívia e o turismo sexual. Bradley Cooper não entra em detalhes, mas não é preciso ser um gênio movido a uma pílula milagrosa para adivinhar de que lado da cidade os garotos estarão encrencados.

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna