Câncer ocupacional é mais comum que doenças laborais ligadas ao sol e ao álcool

Tema será tratado no 14º Congresso da Anamt na ExpoGramado

O jeans reto é o tipo de peça que não pode faltar no seu armário. Superclássico, nunca sai de moda e pode aparecer em vários estilos: a lavagem obrigatória da temporada é azul clara. Abuse de complementos geniais, como o casaqueto à la Chanel. A camisa com pegada grunge aumenta o volume rock and roll sem desafinar o glamour
O jeans reto é o tipo de peça que não pode faltar no seu armário. Superclássico, nunca sai de moda e pode aparecer em vários estilos: a lavagem obrigatória da temporada é azul clara. Abuse de complementos geniais, como o casaqueto à la Chanel. A camisa com pegada grunge aumenta o volume rock and roll sem desafinar o glamour Foto: Ricardo Wolfenbüttel

As pesquisas sobre o câncer ligado ao trabalho ainda têm muito para avançar, mas a União Internacional contra o Câncer estima que 4% do número total de casos da doença — que foi calculado em 2002 em 10 milhões — seja de origem ocupacional, mais comuns inclusive do que os relacionados ao álcool (3%), à exposição excessiva ao sol (3%) e às radiações (1%).

É sobre este assunto que o médico italino Davide Bosio ministrará nesta quinta-feira, dia 20, às 9h, a palestra Os desafios do controle do câncer nos ambientes de trabalho durante o 14º Congresso da Anamt (Associação Nacional de Medicina do Trabalho), que reúne mais de 2 mil profissionais da saúde e da segurança do trabalhador até o dia 21 de maio.

A previsão é de que, em 2020, 15 milhões de pessoas sofram de algum tipo de câncer, e que 12 milhões delas morram devido à doença. Em 2005, o Sistema Único de Saúde (SUS) custeou 600 mil internações por câncer, 431 mil delas devido a tumores malignos. Os gastos federais em assistência oncológica, que em 2000 giravam em torno de R$ 571 milhões, chegaram em 2005 a R$ 1,2 bilhão.

Segundo o International Agency for Research on Câncer (IARC), dos 108 agentes e misturas reconhecidamente cancerígenos para humanos, 29 estão relacionados ao trabalho e ambiente. Apesar disso, o Ministério do Trabalho e Emprego proíbe o uso nos processos de trabalho de apenas quatro substâncias químicas consideradas cancerígenas: 4-aminodifenil, benzidina, beta-naftilamina e 4-nitrodifenil. O benzeno, o amianto e a sílica, apesar de serem reconhecidamente cancerígenos pelo IARC e pela Organização Mundial de Saúde (OMS), ainda têm as exposições regulamentadas. Ao mesmo tempo, o Brasil está entre os cinco maiores produtores, consumidores e exportadores de amianto.

Serviço
:: IV Congresso da Anamt
:: I Workshop Ítalo-Brasileiro de Medicina do Trabalho
:: VII Seminário Nacional de Perícias Trabalhistas
:: Até 21 de maio na ExpoGramado

Leia mais
Comente

Hot no Donna