Cãoterapia: quando o terapeuta é um cachorro de verdade

Crianças e idosos são os maiores beneficiados pelo tratamento

Pouco mais de R$ 50 na carteira são dedicados a um agrado durante a Copa
Pouco mais de R$ 50 na carteira são dedicados a um agrado durante a Copa Foto: Stock Photos, Divulgação

Dr. Jack é um dedicado terapeuta que trabalha há sete anos na Clínica Mayo, em Rochester, Minessota (EUA). Carismático e atencioso, tem uma rotina pesada de atendimentos: por dia, visita cerca de 10 pessoas em reabilitação. As consultas são aguardadas com alegria pelos pacientes, que têm de 11 meses a 92 anos. No entanto, Jack não é um terapeuta como os outros.

Cachorro da raça pinscher miniatura de nove anos, ele é hoje um dos mais importantes membros da Clínica Mayo. Acompanhado por sua dona, a funcionária Marcia Fritzmeier, Jack tornou-se parte da equipe de tratamento de saúde do centro médico.

Ao buscar alternativas para tratamento de seus pacientes, a clínica apostou na técnica chamada cãoterapia ou cachorroterapia ? uma derivação da zooterapia tradicional, que explora a presença de animais para incentivar a rápida recuperação de pacientes que ficam longos períodos internados, pessoas com limitações físicas e mentais, crianças e idosos. Segundo especialistas, esse tipo de terapia pode reduzir a dor em crianças, ajudar a alcançar melhores resultados no tratamento de adultos hospitalizados com insuficiência cardíaca e reduzir o uso de medicamentos em idosos. Além disso, melhora a capacidade motora, o funcionamento do sistema imunológico, diminui sintomas da depressão e ansiedade e mantém equilibrada a pressão sanguínea.

– Por que usamos um animal na terapia de pacientes? Porque funciona! – diz o médico Brent Bauer, do Departamento de Medicina Complementar e Integrativa da Mayo.

A cãoterapia em hospitais já vem sendo adotada nos Estados Unidos há várias décadas. No Brasil, o método foi introduzido em 1997 pela veterinária e psicóloga Hannelore Zucks. Dentre as raças mais usadas estão golden retriever e labrador. No entanto, qualquer cão pode ser terapeuta, como destaca o médico Renato Maia.

– Desde que seja saudável, dócil e treinado, qualquer animal pode se tornar um cão-terapeuta. A presença do cachorro no hospital ameniza o ambiente e favorece as relações entre os pacientes. Eles se sentem motivados e realizam os exercícios físicos e de memória sem perceber.

Renato Maia é geriatra e coordenou durante um ano a cãoterapia com pacientes do Centro de Medicina do Idoso do Hospital Universitário de Brasília (HUB).

Semanalmente, 16 idosos com Alzheimer recebiam a visita de dois cães: Ventus, um boiadeiro bernês, e Barney, um golden. As médicas veterinárias Damaris Rizzo (dona de Barney), Esther Odenthal (proprietária de Ventus) e Renata Guina, voluntariamente, se uniram a Renato na busca por acabar com o mito de que cachorros em ambiente hospitalar são prejudiciais à saúde pelo risco de infecção.

– Os cachorros eram vacinados, examinados mensalmente e contavam com o acompanhamento constante das veterinárias. Antes das visitas, tomavam banhos especiais – explica o médico.

A veterinária Renata Guina conta que o projeto, realizado entre 2005 e 2007, trouxe resultados positivos para os pacientes e seus familiares. Os cães participavam dos exercícios de memória e fisioterapia, dentre outros, sempre sob supervisão dos médicos e dos veterinários. As atividades dirigidas incluíam brincadeiras. O projeto foi desativado em 2007 por falta de profissionais capacitados que substituíssem as três veterinárias.

Para ler

Em maio, a Clínica Mayo lançou seu primeiro livro para crianças, apresentando Dr. Jack. No livro Dr. Jack, the helping dog (US$ 12,95), o pinscher usa um crachá de identificação com os três escudos da clínica e, na companhia de um pequeno paciente, faz um tour pela centro de reabilitação. A publicação traz uma biografia de Jack, escrita por Jenee Marchant, e um ensaio médico sobre a Dimensão da cura por animais de estimação, de autoria do médico Edward Creagan, do Departamento de Oncologia da Mayo. O dinheiro arrecadado com a venda será destinado ao tratamento de pacientes, educação e pesquisa na Mayo.

Fora do câmpus, os interessados podem fazer pedidos do livro às lojas da clínica pelo telefone 1-888-303-9354 (ligação grátis feita dentro dos EUA) ou pelo e-mail mayoclinicstore@mayo.edu.

Os benefícios da cãoterapia

:: Aumento da sociabilidade e da autoestima
:: Ação calmante e antidepressiva.
:: Por consequência, há a redução de medicamentos e melhor resposta ao tratamento psicoterápico
:: Redução da ansiedade e da pressão sanguínea e cardíaca
:: Melhora da capacidade motora e do sistema imunológico

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna