Casamento real se transforma em espetáculo da mídia

União entre William e Kate invadiu a web neste histórico dia 29 de abril de 2011, em uma supercobertura jornalística

El Mercúrio, do Chile, não ignorou a boda real, mas não fez dela grande pauta
El Mercúrio, do Chile, não ignorou a boda real, mas não fez dela grande pauta Foto: Reprodução, emol

De veículos especializados em variedades, mulher, moda, a grandes periódicos, a união do Príncipe William e Kate Middleton abalou as estruturas da mídia internacional. Planejamentos foram organizados, jornais enviaram correspondentes, alguns acompanharam pela televisão, outros pela internet. Mas uma coisa é fato: a cobertura jornalística do casamento real foi um dos maiores espetáculos midiáticos do século.

Na Inglaterra, nem se fala. A conhecida imprensa britânica dos paparazzi se refestelou com as possibilidades de pautas trazidas pelo casamento real. Diversos impressos disponibilizaram edições comemorativas, com inúmeras fotos da vida dos pombinhos ? inclusive dos primeiros tempos do romance ?, bem ao ritmo dos “flagras” tão tradicionais dos veículos da Inglaterra. Mas o foco agora era outro: homenagear o casal.

Festa para a mídia britânica

No site do Sun, a manchete até há pouco era “What a Kate day!: Wills and his bride marry at Abbey” ? algo como “Que dia para Kate: ‘Wills’ e sua noiva casam na abadia” ?, acompanhada de diversos materiais complementares que iam desde as impressões sobre os primeiros beijos dos recém-casados a comentários sobre as roupas dos convidados e o turismo que a festa atraiu a Londres. No jornal o foco era todo para o conto de fadas, até pelo perfil do veículo, especializado na cobertura de celebridades.

O Daily Telegraph foi além, com a chamada “William and Kate delight crowds with balcony kiss” ? “William e Kate deliciam a multidão com beijo na sacada” ?, com inúmeras fotos dos selinhos trocados pelos dois, inclusive reproduções de telões. A cobertura fala do vestido da noiva, do estilo dos convidados, traz vídeos e análises sobre o evento, sobre as implicações políticas, culturais e religiosas do casamento do herdeiro real britânico. Metade da capa do periódico era casamento, mas mixado a receitas de delícias britânicas e informações sobre os conflitos na Tunísia.

Ontem, o jornal The Guardian publicou uma edição especial com um falso guia para o casamento real. Uma forma de parodiar a supercobertura de mídia, ironizando a cerimônia. O caderno, intitulado “(Not) The Royal Wedding” marca o posicionamento do jornal, tradicionalmente crítico à monarquia, com relação à boda real. Hoje, o site do veículo se rendeu aos fatos, e acompanhou a cerimônia minuto a minuto, destacando a importância do beijinho trocado entre William e Kate, que teriam “selado a união” com pompa e circunstância.

Ao redor do mundo

Ao redor do mundo, o casamento foi pauta para diversos informativos, alguns mais destacadamente, outros nem tanto. Na América Latina, jornais do Brasil deram pesos diferenciados ao evento. El Clarín, da Argentina, e El Mercúrio, chileno, investiram igualmente em coberturas em tempo real, mas sem deixar de destacar os conteúdos regionais que, nas capas online, aparecem com igual importância.

No veículo argentino, a boda real divide espaço com manifestações relacionadas ao Dia do Trabalho. Já no jornal do Chile, a manchete sobre a festa da realeza vem discretamente mais destacada do que o fato de que os supermercados não abrirão neste domingo. Ou seja, Kate não arrebatou tanto o coração da mídia em Santiago, mas não deixou de ser pauta e espetáculo midiático.

À exceção, claro, da mídia japonesa, certamente mais preocupada à cobertura das catástrofes naturais e da situação de calamidade em que se encontra o país. Assim, o casamento de William e Kate rendeu apenas um registro no Kyodo News, e certamente não atraiu tanta atenção de outros veículos.

Nessa festa da qual Washington Post (EUA), Corriere della Serra (Itália), Le Monde (França) e inúmeros outros jornais mundo afora participaram, mesmo sem ser convidados, o personagem mais importante, é claro, foi o internauta, leitor, espectador, que prestigiou a festa e criou, no final das contas, o evento. Willian e Kate despertam a paixão e a curiosidade das pessoas criando, definitivamente, algo maior do que apenas o casal. Agora a expectativa é de que o tão comentado e assistido casamento, o maior do século, dure tanto quanto os fãs e súditos gostariam. God save the new princess!

Leia mais
>> Veja as dicas de arquitetos e deixe seu quarto com o aconchego da realeza

Leia mais
Comente

Hot no Donna