Como encerrar o ano com as finanças em dia

Apesar de não confirmar a gravidez, Gisele já exibe a barriguinha
Apesar de não confirmar a gravidez, Gisele já exibe a barriguinha Foto: Dida Sampaio, AE

Faltam menos de cem dias para o final do ano. Você sabe como está a sua saúde financeira? É preciso dar uma olhada no contracheque e nas contas a pagar para saber se será possível, ou não, terminar o ano no azul.

A tarefa de quitar as dívidas parece complicada, mas ainda dá tempo. Segundo o economista Alfredo Meneghetti, da Fundação de Economia e Estatística (FEE), hoje, 60% da população tem dívidas. Desse percentual, 30% são dívidas em atraso.

Com a chegada de dinheiro extra como o total ou uma parcela do 13º, restituição do Imposto de Renda e, em alguns casos, participação no lucro das empresas, também é possível planejar. Por isso, o professor Moisés Waismann, do curso de Ciências Econômicas da Universidade de Caxias do Sul (UCS), alerta que o mais indicado a fazer com esse dinheiro é pagar dívidas atrasadas que tenham juros altos como cartão de crédito ou cheque especial.

Para fugir do endividamento

– Não gaste mais do que ganha
– Tenha cuidado com o crédito fácil
– Não assuma dívida sem antes refletir e conversar com sua família
– Leia o contrato e os prospectos
– Exija informação sobre as taxas de juros mensal e anual
– Exija o prévio cálculo do valor do total da dívida e avalie se é compatível com sua renda
– Compare as taxas de juros dos concorrentes
– Reserve parte de sua renda para as despesas de sobrevivência
– Não pense em poupar apenas quando sobrar dinheiro. Faça um exame dos seus gastos e avalie de onde pode sair o dinheiro para investimento
– Usar as compras como forma de terapia é uma armadilha que, além de não resolver o problema, poderá ter implicações nas finanças futuras
– Gastos excessivos sem planejamento são o caminho mais curto para perder o controle sobre suas dívidas
– As prestações não devem comprometer mais do que 40% do seu salário

SINAIS DE PERIGO

– Ter pago, nos últimos seis meses, apenas o valor mínimo da fatura do cartão de crédito
– Estar usando o cheque especial pelo terceiro mês consecutivo
– Não ter nenhuma reserva financeira
– Ter mais de 40% de sua renda comprometida com prestações

O QUE FAZER

– Faça uma relação de todas as dívidas e o custo de cada uma para saber o tamanho real do seu problema
– Veja quais são as dívidas mais caras, conforme a taxa de juros do financiamento. Quanto mais alta a taxa, mais cara a dívida e mais rápido você deve pagá-la
– A melhor opção é trocar dívidas mais caras por mais baratas. Se não der, procure o credor e tente renegociar, buscando prazos e juros menores
– O cheque especial é dinheiro extra. Use em emergências, quando souber que receberá dinheiro logo.

Leia mais
Comente

Hot no Donna