Conheça as histórias de quem aderiu às práticas saudáveis

Relatos de três pessoas que optaram por mudar sua rotina de exercícios e alimentação

Paula Moraes
Paula Moraes Foto: Ricardo Duarte

Para a empresária Paula Moraes, a busca por uma vida saudável começou em um almoço durante uma viagem a Buenos Aires, em 2005. Na época, ela pesava cerca de 140 quilos e o assunto da refeição girava em torno de um casaco que teria que mandar confeccionar sob medida, uma vez que nem o tamanho extralargo masculino lhe servia.

? Foi então que meu pai propôs: Minha filha, tens que escolher: assumir a tua obesidade ou dar um jeito nela ? lembra Paula.

As fitmaníacas transformaram o Instagram em um guru da boa forma

Palavra de especialistas: preparador físico e nutrólogo comentam as rotinas

Na volta a Porto Alegre, Paulinha, como é chamada pelos amigos, buscou ajuda médica e, na semana seguinte, colocou um balão gástrico para dar início à nova vida. Segundo ela, sua atividade profissional (Paula tem um ateliê de velas e exporta para o mundo inteiro) ajudou bastante no processo, pois a manteve focada.

Com uma rotina intensa de viagens, conta que não é em qualquer país que encontra as comidas necessárias para a dieta. Por isso, recebe dicas do nutricionista e tenta adaptar a alimentação de acordo com os ingredientes encontrados em cada local.

? Pode ser peixe, frango, carne, salada. Não importa o alimento, sempre dou um jeito de ajustar minha alimentação aos costumes de cada região.

Ela conta também com mais um auxílio na empreitada: a companhia do smartphone para avisar o horário de cada refeição, de três em três horas. Ela também publica o cardápio do dia em seu perfil, que além de servir como influência a terceiros, ainda serve de estímulo por conta dos comentários e incentivos. Hoje, está feliz com 64,8 quilos.


É só força de vontade

Perder peso é fácil. Difícil é emagrecer com qualidade. A frase é do empresário Geraldo Birmann que, há um ano e meio, incomodado com os 95 quilos, caiu em si e percebeu que precisava urgentemente mudar os hábitos alimentares e implementar uma rotina de exercícios diários.

Sócio em uma casa noturna da Capital, Geraldo tinha dificuldade de manter uma certa regularidade na malhação e na alimentação por conta dos horários alternativos da profissão. O que fez? Buscou ajuda de um time especializado em cuidar da saúde: um nutriendocrinologista, um personal trainer, um personal chef e até um dentista ajudaram no processo de emagrecimento. Sem falar do parceiro Johnny, o Golden Retriever de 10 meses cheio de pique para corridas e caminhadas a qualquer hora do dia.

Aos poucos, Geraldo foi aprendendo a trabalhar com substituição de alimentos, a moderar a quantidade de comida em cada refeição e a gostar cada vez mais de frequentar a academia. O que antes era um sacrifício, transformou-se em prazer. Não foi apenas na cintura folgada da calça que o resultado apareceu. O empresário passou a sentir menos sono, a acordar mais cedo e até as olheiras que o incomodavam sumiram.

Há 20 dias, ele publicou uma foto em sua conta no Instagram mostrando o resultado do investimento: 20 quilos a menos. A imagem que trazia o “antes” e o “depois” recebeu cerca de 700 curtidas. Na legenda, o incentivo: “Sou uma pessoa muito mais feliz e saudável. Só não se levanta quem não quer”.

#sousaudável

*Aline Mendes
aline.mendes@zerohora.com.br

Foram várias as tentativas, mas eu nunca tinha conseguido colocar em prática um lado mais saudável de ser. Até 2011, quando finalmente passei a me alimentar melhor e a fazer exercícios com regularidade e mais disciplina.

De forma gradual, minha rotina, minha alimentação e meu corpo mudaram muito nesses dois anos. Hoje faço musculação três vezes na semana acompanhada por um personal trainer, pratico corrida outras três ou quatro vezes, frequento uma nutricionista todo mês, sigo uma dieta balanceada e com suplementos. E, acredite, gosto muito do estilo de vida que levo.

Aprendi que só conseguimos seguir uma dieta quando nos organizamos. Por isso, ando com lancheira por todo canto. Como trabalho das 15h às 23h, na hora do almoço, já preparo dois lanches da tarde e o jantar. Lógico que dou algumas escapadas, principalmente nos fins de semana. Minha nutricionista costuma dizer que o problema de uma alimentação não está em um exagero aqui ou ali durante a folga, mas na rotina.

A internet tem sido uma verdadeira aliada neste processo. Há três meses, dei follow em algumas contas supermotivadoras do Instagram. Nem sempre é fácil levantar cedo para treinar ou dizer “não” para algum prato que eu gosto. É essa ajuda para manter o foco que eu busco na rede social. Ainda garimpo dicas bacanas para turbinar o suco verde que bebo há mais de um ano, para preparar receitinhas do bem e também para renovar a playlist para as minhas corridas. Até me empolguei em postar no meu Instagram (@jornalistaline) alguns cliques feitos durante a execução de exercícios na academia e também da minha lancheira.

O que eu ganho com tudo isso? Autoestima elevada, sensação de dever cumprido e muita saúde.

As últimas do Donna
Comente

Hot no Donna