Conheça os benefícios da massagem havaiana

Técnica promete relaxar, trazer benefícios físicos e renovar energias

Massagem foi criada pelos nativos como uma forma de colocar os jovens em contato com seu eu interior
Massagem foi criada pelos nativos como uma forma de colocar os jovens em contato com seu eu interior Foto: Mauro Vieira

É o movimento das ondas do mar que dita a velocidade e a intensidade da massagem havaiana, uma prática terapêutica milenar que aos poucos vem se popularizando no Brasil. Tida como uma espécie de ritual em sua origem, a massagem promete, além de relaxar e trazer uma série de benefícios físicos, acalmar a alma e renovar as energias.

Com raízes na Polinésia, mais especificamente no Havaí, a massagem foi criada pelos nativos como uma forma de colocar os jovens em contato com seu eu interior.

Inicialmente, a prática funcionava como um rito de passagem da adolescência para a vida adulta. Ao longo de dez dias, os rapazes eram massageados pelos chefes da tribo, tidos como guardiões dessa técnica, para que descobrissem as sensações do seu corpo e despertassem para sua verdadeira essência.

Para entender as características principais dessa massagem, basta compreender sua origem, pois suas bases fundamentais estão diretamente ligadas a ela. Além dos movimentos serem inspirados no vai e vem das ondas – fazendo com que seja por vezes mais intensa ou mais serena -, a música típica do Havaí tem forte influência na massagem. Realizada ao ritmo de tambores e de sons de animais, ela pode ser comparada a uma espécie de dança, como explica a massoterapeuta Ione Kontarski, especialista nesse tipo de massagem há 10 anos.

– Eu digo que é como uma dança de surf no mar. Os movimentos são realizados de acordo com a melodia das músicas havaianas, fazendo com que seja uma massagem rítmica, exatamente como uma dança, com todos os passos e a harmonia que deve ter. É preciso muita técnica, pois os movimentos devem ser intercalados com suavidade para que não quebrem a sincronia com a trilha sonora.

Apesar ser utilizada no princípio como uma iniciação dos jovens havaianos, a massagem se difundiu pelo mundo e se tornou aliada em tratamentos terapêuticos para alívio de dores e combate ao estresse e à depressão. Além de cuidar da saúde física, a massagem havaiana tem como objetivo a troca de energia e a busca pelo auto-conhecimento.

– Ela atua no sistema de circulação sanguínea e linfática, melhora a textura da pele e promove o relaxamento, oxigenação e alongamento muscular, mas a técnica havaiana ainda gera energia e traz benefícios para a questão emocional e espiritual de quem a recebe – afirma Ione.

Ambientada com velas, pétalas de flores e acompanhada pela música, a massagem ganha uma energia sensual que colabora para o aumento da autoestima e da confiança de quem recebe o toque. A sensualidade, sem o apelo erótico, é fundamental para alcançar os objetivos que vão além dos benefícios físicos.

– A massagem serve como um despertar da sensualidade e a sensualidade é uma energia muito forte. Os movimentos devem ser feitos com inocência, sem malícia. Fazendo a pessoa se sentir sensual, o massagista faz com que ela se sinta poderosa, corajosa, capaz de enfrentar o mundo. É essa energia que faz da massagem havaiana uma prática terapêutica, porque trabalha o ser humano em busca do auto-conhecimento, da auto-confiança, da elevação do ego.

A massagem havaiana não tem contraindicações expressas, mas não é recomendada para pessoas com idade avançada e gestantes, justamente por ser intensa em determinados momentos. Por ser uma prática terapêutica, Ione explica que a regularidade no tratamento é importante e deve ser acertada com o massagista de acordo com cada caso. A massoterapeuta lembra que a massagem não é um trabalho de via única, já que o profissional também deve se envolver na sessão para que haja efetivamente a troca de energia característica dessa modalidade.

– A massagem é um presente que a pessoa dá para si mesma. É um tempo que se tira para cuidar da gente, por isso é tão importante.

Leia mais
Comente

Hot no Donna